Nordestinos e Cariocas: Não Invalidem Votos, Votem 13!

Votos Inválidos

Infelizmente, tenho visto manifestações de alguns amigos moradores da Zona Sul, ex-petistas que “marinaram”, pregando voto nulo a la Eduardo Viveiros de Castro — antropólogo ultraradical que reage contra a evolução da civilização defendendo “a volta à tribo e/ou à livre-natureza”. O voto nulo poderá sim levar ao retrocécio, i.é, à volta ao livre-mercado. É cômodo adotar uma postura olímpica — “estou acima de todos, nada me atinge e não voto em ninguém” — com uma autojustificativa falsamente moralista, quando, na realidade, aceita ser parasita da desigualdade social existente.

Ricardo Mendonça (UOL, 12/10/14) informa que, na apuração, votos nulos e brancos produzem o mesmo resultado: são descartados e não exercem influência na ordenação dos candidatos vencedores. Esses dois tipos de manifestação, porém, têm disposições geográficas bastante distintas, peculiaridades de difícil explicação e genealogias que podem ter prejudicado a presidente Dilma Rousseff (PT) no primeiro turno.

Algumas dessas características ficam nítidas em mapas que mostram a distribuição de brancos e nulos da disputa presidencial.

Na eleição do domingo (5 de outubro de 2014), os votos nulos foram registrados proporcionalmente com mais intensidade no Nordeste, no Rio e em alguns pontos dispersos de outros Estados.

Já os votos brancos ocorreram com mais força em São Paulo, no Rio Grande do Sul, numa estreita faixa litorânea de parte do Nordeste e nas áreas expandidas de Belo Horizonte, Rio e Vitória.

Essa diferenciação bem demarcada na distribuição de nulos e brancos foi percebida pelo geógrafo francês Herve Thery, professor visitante da USP, ao fazer estudos cartográficos com dados da eleição. Continuar a ler

Chances para ser Campeão Brasileiro em 2014

 

Campanha do Cruzeiro 2014 X 2013Prezados seguidores,

tenho que confessar que vejo um único defeito na Presidenta Dilma — “ninguém é perfeito” — e uma única qualidade no candidato Aécio. Dilma vivenciou BH na fase pré-Mineirão, quando o Cruzeiro era um time com torcida menor do que a do Atlético e do América. Então, passou a torcer para a massa popular daquela época. Aécio cresceu em BH na fase de que o Cruzeiro tinha já se tornado Campeão Brasileiro em 1966. Uai, a única decisão racional que ele poderia tomar era torcer para o time de maior torcida de Minas! Fazer o que, né? Não será pela minha paixão partidária que abandonarei minha eterna paixão futebolística… Zêêêro!!! :)

Classificação Campeonato 2014 na 29a rodada

Os concorrentes ao título de Campeão de 2014 agora parecem restritos a Cruzeiro, São Paulo, Internacional, Atlético, Corinthians e Grêmio. Santos e Fluminense, mesmo se ganharem todos os 9 jogos restantes, somariam 27 pontos aos 45, ficando com 72 pontos em segundo lugar. Eles brigam ainda por vaga no G4.

A conta que tem de ser feita é: em possíveis 27 pontos (faltam 9 rodadas para o final), quantos pontos faltam para cada time atingir 73 pontos — patamar histórico dos times campeões desde que o campeonato passou a ser disputado por 20 times. Os vice-campeões atingiram no máximo 72 pontos.

Considerando essa meta, faltam para:
Cruzeiro: 14 pontos = 5 vitórias em casa (15 pontos) ou 4 em casa e 2 empates fora;
São Paulo: 21 pontos = 7 vitórias em 9 jogos, ou seja, só poderá perder 2 jogos e não empatar nenhum — pelo seu índice de aproveitamento (60%), a expectativa seria mais 4 vitórias (16 pontos) em casa;
Internacional: 23 pontos = 7 vitórias e 2 empates em 9 jogos;
Atlético-MG: idem, tem de ficar invicto até o final.
Corinthians: 24 pontos = 8 vitórias nos 9 jogos restantes;
Grêmio: 26 pontos = 9 vitórias, ou seja, basta um empate para ser impossível, matematicamente, a conquista caso o padrão histórico se repita.

Continuar a ler

Zerar Déficit Habitacional Caso Não Ocorra Retrocesso Político

MCMV para zerar déficit habitacional

Desde que fui VP da Caixa aprendi lá que é possível zerar o déficit habitacional do País — e transformar as favelas em bairros populares urbanizados –, isto se não houver “retroaécio” na política habitacional.  :)

Juliana Dias (Valor, 14/10/14) informa que as 2 milhões de casas que o programa federal de habitação popular Minha Casa, Minha Vida entregou foram um dos principais fatores que colaboraram para a redução de 8% no déficit habitacional do país entre 2009, ano em que a primeira edição do programa foi lançada, e 2012.

Em 2009, o déficit habitacional no país era estimado em 5,7 milhões de domicílios e, em 2012, esse caiu para 5,2 milhões. Em algumas frentes, a redução foi ainda mais acentuada. É o caso da coabitação – situação em que vários membros da família dividem a mesma casa por falta de opção -, que teve redução de 24,1% no período, e da habitação precária, casos de comunidades que não possuem infraestrutura básica como água ou esgoto, por exemplo. Nessa faixa, a redução do déficit foi de 19%.

Esses dados constam de um estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre a importância e os desafios de políticas habitacionais permanentes. O levantamento foi apresentado em um evento que reuniu empresários da construção civil em São Paulo. Continuar a ler

Sobre Trindade Impossível, Tripé e Gangorra

tripe-flexivel-octopus-suporte-para-cmera-fotografica-14594-MLB4556105454_062013-F

Embora seja um instrumento de intervenção na realidade, a política econômica não está isolada do resto do mundo, pois ela tem limites sociais e políticos. Portanto, não existe algo que possa ser considerado uma Teoria Econômica Pura da Política Econômica. Essa proposição fica clara se consideramos uma metodologia correta para enquadrá-la.

No nível mais elevado de abstração, estão as teorias puras que revelam a consistência no uso dos instrumentos de política econômica. No nível intermediário de abstração, o analista deve reincorporar todos os conhecimentos das ciências afins e todos os conflitos de interesse antes abstraídos. Neste âmbito dos conflitos sociais e políticos entre interesses antagônicos, via eleições democráticas, que se estabelece a definição do regime macroeconômico. Estamos escolhendo um Projeto de País, o futuro que desejamos em renda real e emprego.

No nível mais baixo de abstração, quando (e onde) há a necessidade de se contextualizar, ou seja, datar e localizar os eventos, que se capta os imperativos de dada conjuntura na prática da arte de tomadas de decisões práticas. O chamado Vício Ricardiano, cometido recorrentemente por economistas ortodoxos, é saltar, diretamente, do abstrato para o concreto, por exemplo, da idealização da ordem espontânea ao tateio dos preços relativos de referência – câmbio, juro e fisco – para obter o imaginado equilíbrio geral. Continuar a ler

DNA do Antipetismo

coxinha antipetista antipetismo

Para avanço da Ciência Política, dentro do critério estrito do monismo metodológico — visão segundo a qual existe apenas uma metodologia comum tanto para as Ciências Sociais quanto para as Naturais, opondo-se à afirmativa do pluralismo metodológico de que as Ciências Sociais não podem empregar a metodologia das Ciências Naturais –, está sendo testada em laboratório brasileiro, durante a atual campanha eleitoral, se a hipótese de que “a direita é burra” é válida para todo o mundo. As demonstrações, aqui e até agora, estão provando-a com grande “eficiência”, vernáculo cultuado por seus adeptos mauricinhos, coxinhas e bombados!

Esse teste de hipótese é a continuidade (ao vivo) de um estudo realizado por acadêmicos da Universidade Brock, em Ontário, no Canadá, amplamente divulgado pela rede social. A hipótese original é que pessoas com opiniões políticas de esquerda tendem a ser mais inteligentes do que aquelas com visões de mundo de direita. Continuar a ler

Jeito Tucano de Governar: Sem Política Preventiva do Apagão de 2001 e da Seca de 2014

AguaSertao

O nível do sistema Cantareira, principal manancial do Estado de São Paulo, baixou para 4,7% no dia 13 de outubro de 2014. Esse nível é o mais baixo já registrado pela Sabesp, estatal estadual paulista de saneamento e fornecimento de água. A crise hídrica deve continuar, pois não há previsão de chuva significativa, brevemente, na região Sudeste.

Em Campinas, no interior paulista, cerca de 20% da população de 1,1 milhão de habitantes ficou sem fornecimento de água, de acordo com a Sanasa (empresa mista de saneamento e esgoto). Será possível os eleitores, que não souberam canalizar seus votos contra quem é responsável pelo planejamento preventivo no sentido de evitar crises hídricas — o governo tucano que abomina prevenção com base na fé cega que “Deus-Mercado tudo dará” –, votará no candidato tucano para a Presidência da República?! Não bastou a experiência do apagão da energia elétrica em 2001?! Continuar a ler

Quem é o herdeiro da dinastia política dos Neves de São João d’El Rey das Minas Gerais

AécioIgnácio Delgado enviou-me, diretamente de Juiz de Fora, um depoimento documentado de mineiro que conhece bem Aécio, o herdeiro da dinastia política dos Neves de São João d’El Rey das Minas Gerais.

A Rede Globo de Televisão construiu, meticulosamente, a imagem de Collor de Mello, o “caçador de marajás”, que, afinal, elegeu-se presidente em 1989. O empenho na construção da imagem de Aécio Neves, também neto e filho de políticos, envolveu até a produção de uma minissérie inspirada no senador, que hoje tenta se apresentar como um “príncipe encantado” a seduzir a nação brasileira. Na realidade, é um “sapo”…

(http://rudaricci.blogspot.com.br/2012/01/brado-retumbante-e-o-inicio-da-disputa.html e http://dialogospoliticos.wordpress.com/2012/05/22/rede-globo-contrata-braco-direito-do-senador-aecio-neves-psdb-mg/).

Aécio, sem dúvida, é um personagem herdeiro de dinastia política tal como o Collor das Alagoas. Seu projeto político reedita, nos dias de hoje, a mesma perspectiva que guiava as opções do neoliberalismo no início da década de 1990:

  1. a prevalência absoluta dos interesses de O Mercado e do capital estrangeiro,
  2. o rechaço a políticas desenvolvimentistas e de inclusão social,
  3. o casamento do rentismo com o entreguismo.

Continuar a ler