Universidades Federais Durante os 8 Anos de Governo do PSDB

Evolução da matrículas, ingressantes e concluintes no Ensino Superior

grafico-concessão-de-bolsas-de-pós

De 2002 a 2012, o número de ingressantes nas Universidades cresceu 91,9%, o número de concluintes cresceu 124,5%, atingindo 1.050.413 formandos. Os matriculados na graduação dobraram, passando de 3,5 milhões em 2002 para 7 milhões! Antes, durante os governos FHC (1995-2002) as universidades federais brasileiras foram sucateadas e sofreram um esfacelamento geral. Vejamos alguns indicadores:

1) Contratação de novos professores: Durante 5 anos (1997-2001) foram proibidas quaisquer contratações de professores, ao mesmo tempo que mudanças nas leis sobre as IFES levaram a uma enorme quantidade de pedidos de aposentadorias precoces;

2) Vagas: ao longo dos 8 anos do governo FHC não houve qualquer expansão de vagas nas universidades públicas federais, fazendo com que a escala social de acesso ao ensino público e gratuito se verticalizasse cada vez mais;

3) Novas universidades: durante os 8 anos não foi criada nenhuma nova universidade federal;

4) Novos campi: o número de campi federais se manteve inalterado ao longo dos 8 anos de governo FHC;

5) Orçamento: durante todo o governo FHC ocorreram cortes sequenciais de verbas orçamentários, tanto para infraestrutura como para as atividades de ensino, pesquisa e extensão;

6) Salários de professores: por mais de 5 anos os salários dos docentes das IFES ficaram congelados levando a perdas salariais significativas para o conjunto da categoria, obrigando a mesma a desencadear greves em praticamente todos os anos do Governo FHC;

7) Programas de qualificação docente: restrição enorme de bolsas para programação de doutorado e de pós-doutorado visando qualificar melhor a mão-de-obra docente;

8) Bolsas aos estudantes de pós-graduação: restrição enorme de bolsas de estudos, mantendo-se, inclusive, os valores congelados por muitos anos;

9) Bolsas aos estudantes de graduação: restrição enorme de bolsas para estudantes de graduação, especial nas áreas de iniciação científica e de extensão;

10) Programa internacionais de intercâmbio para os estudantes de graduação: nenhuma ação para este segmento estudantil foi implementada ao longo de 8 anos. Ao contrário, até mesmo as poucas bolsas existentes foram reduzidas.

11) Técnico Administrativos em Educação: restrição sequencial de contratações de novos servidores com implicação negativa sobre o funcionamento das universidades;

12) Salários do TAEs: arrocho salarial durante todo período com perdas salariais ao longo dos dois mandatos do governo FHC;

13) Expansão do ensino superior privado: uma política clara de opção pelo ensino superior privado no país, inclusive com o ministro da Educação virando consultor das instituições privadas de ensino superior e do próprio Banco Mundial.

Então, estudantes universitários que desejam a continuidade do ProUni-FIES-Ciência Sem Fronteira: vote em Dilma no segundo turno!

Dicas de Ensino: Formação Multidisciplinar

WolframMathematicaVirtualConference

O amigo virtual deste modesto blog, Reinaldo Christo, cientista ateísta militante (ver link para seu blog destacado na coluna ao lado), a próposito de todos os comentários sobre a formação doutrinária, seja ortodoxa, seja heterodoxa, principalmente enviados por parte de estudantes do IE-Unicamp que “acham a grama do vizinho mais verde”, ele pode observar que “a visão dos estudantes de Economia depende da instituição em que estuda”. E, eu acrescento, ela sofre do viés heurístico de autovalidação ou validação ilusória.

Há diversas Escolas de Pensamento Econômico e conflitos de interesses no tratamento de seus objetos de pesquisa e ensino. Não há instituição perfeita ou completa. As Faculdades e Universidades podem somente dar uma formação básica sobre certos temas, indicando um caminho a seguir. A etimologia do verbo “conhecer” é “procurar saber, tomar conhecimento de, reconhecer”. Ensinar é “dar uma senha” para o aluno “aprender a conhecer”.  Se ele “aprender a aprender”, vai longe como autodidata! Continuar a ler

Carta Aberta do Instituto de Economia da UNICAMP

cropped-unicamp_entrada-i.jpgA propósito dos agressivos ataques dos gurus econômicos da Marina (ler em Debate Tacanho e Fundamentalismo do Livre-Mercado + Fundamentalismo Religioso = Deus nos Acuda!) ao IE-UNICAMP — isso sem falar na desqualificação ignorante lançada ao Celso Furtado –, a resposta institucional é sóbria. Por eles serem persona non grata, isto é, “pessoas não bem-vindas”, essa resposta representa um “tapa-de-luva”: demonstra seus erros de avaliação e com educação e elegância possibilita eles reverem seus conceitos. Reproduzo abaixo a carta-aberta do IE-UNICAMP.

O Instituto de Economia da Unicamp vem a público reiterar seu compromisso com o Desenvolvimento Econômico e Social do Brasil. Defendemos e exercitamos a qualidade e pluralidade do debate acadêmico e político e refutamos todas as agressões infundadas e levianas à nossa instituição por motivações ideológicas, partidárias e eleitorais. Continuar a ler

Mais um prêmio recebido por um ex-aluno!

Prêmio

Meu ex-aluno Rodolfo Buscarini foi laureado com o Prêmio Plínio Cantanhede, do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), de melhor artigo por eles publicado entre 2012 e 2014. Este paper foi escrito em parceria com o seu amigo matemático Igor Gimenes Cesca e seu título é “Análise do Impacto dos Veículos Flex-Fuel na Formação e Regulação de Preços de Combustíveis Veiculares no Brasil”. Ele foi apresentado no Rio Oil&Gas 2012, congresso mais importante desta área na América Latina. Segue o artigo premiado:

ANÁLISE DO IMPACTO DOS VEÍCULOS FLEX-FUEL NA FORMAÇÃO E REGULAÇÃO DE PREÇOS DE COMBUSTÍVEIS VEICULARES NO BRASIL Continuar a ler

Guia de Frases Acadêmicas

bla_bla_blaCaro Fernando,

Parabéns pelo site. Tenho uma dica que acredito que será interessante para os seus leitores. Trata-se do Guia de Frases Acadêmicas do bab.la (http://pt.bab.la/dicionario/ingles-portugues/), um portal alemão dedicado ao aprendizado de línguas. Ele traduz termos acadêmicos do português para 19 línguas. O Guia, assim como todo o conteúdo do site, é completamente gratuito. Acredito que ele seria interessante especialmente para quem vai começar um curso universitário no exterior ou um intercâmbio pelo Ciência Sem Fronteiras.

Você pode acessá-lo aqui:
http://pt.bab.la/frases/academico/introducao/portugues-ingles/

Te convido a dar uma olhada no nosso guia de frases e, caso você acredite que será de interesse para os seus leitores, adicionar o link ao seu site ou escrever uma nota sobre o assunto. Se precisar de algum esclarecimento, por favor não hesite em me contatar. Ficarei aguardando o seu retorno.

Desejando-lhe um ótimo dia!
Laís Clemente
Equipe Bab.la

Números Torturados Confessam Qualquer Coisa

Cala-a-boca

Em uma mesma edição e na mesma página (19/08, pg. A2), o jornal Folha de São Paulo publicou esta semana duas opiniões que expressam visões diametralmente opostas sobre a crise que a USP atravessa.

No editorial, que expressa a opinião do jornal, o texto afirma que “está claro que houve expansão irresponsável do funcionalismo” e defende que é muito bem-vinda a proposta do reitor Marco Antonio Zago de apresentar um plano de demissão voluntária para o enxugamento dos quadros.

O editorial afirma: “O quadro de funcionários não docentes cresceu 13% de 2010 a 2013, e o número de alunos aumentou 5%. Há algo de errado nessas contas”.

Mas, logo abaixo, em artigo intitulado “Os números não mentem“, o professor livre-docente do Departamento de Filosofia da USP, Vladimir Safatle, apresenta um quadro diametralmente oposto. Ele mostra que entre 1989 e 2012 houve aumento de 83% de alunos na graduação, 63% no mestrado e 231% no doutorado. No mesmo período, relata ele, o número de professores cresceu apenas 4% e o de funcionários caiu 5% – estes últimos passando de 17.735 para 16.839.

Em outras palavras, se é fato que os números realmente não mentem, parece que a forma como eles são selecionados e os argumentos que os acompanham podem mudar completamente o rumo da prosa.

Leia, abaixo, a integra dos dois artigos: Continuar a ler

A USP não é problema, é solução!

João Sette WhitakerÉ um post longo, mas muito relevante e bem embasado, o publicado no Blog do João Sette Whitaker.

1. Resumindo os Fatos:

Entre 2010 e 2013, a USP parecia viver momentos de euforia. Além da presença já tradicional da universidade no topo da produção científica nacional, um Reitor escolhido a dedo pelo Governador José Serra (afinal, era o segundo colocado da lista tríplice), o Prof. João Grandino Rodas, punha em prática uma gestão que mesclava (propositalmente?) irresponsabilidade financeira, certo autoritarismo (na relação com o Conselho Universitário), e doses de populismo, gastava o que devia e o que não devia em obras de grande visibilidade, bolsas de todos os tipos, vistosas “embaixadas” da universidade em Cingapura, Londres e Boston, e alguns merecidos benefícios a docentes e funcionários, cujo patamar salarial sempre foi muito aquém do que deveria ser (conseguindo assim acalmar os ânimos grevistas em sua gestão).

Terminado seu mandato, o novo Reitor (que fazia parte da gestão anterior), depara-se com o óbvio: a gestão Rodas havia gasto muito além da conta, entrando sem parcimônia nas reservas financeiras da USP e colocando em risco (propositalmente?) sua tão sagrada autonomia face ao Governo do Estado. Nada mais previsível. Porém, a estrutura de poder da universidade é hoje tão viciada que o então reitor pôde fazer tudo isso, pasmem, dentro da legalidade, amparando-se na condescendência de seu Conselho Universitário.

Diante da grave crise, o atual Reitor voltou-se contra seu próprio lado. Esquecendo-se de que é ele mesmo professor (fazendo parte de reduzidíssima elite com salários bem graúdos), em vez de abrir as opacas contas da universidade para amplo conhecimento da sociedade e uma real apreensão do que havia sido feito, preferiu colocar a culpa na folha de pagamento e na massa salarial que compromete 105% do orçamento e “engessa” a universidade. Em suma, para o Reitor, são os professores e funcionários da USP que geram a crise, e não a sequência de gestões irresponsáveis. Continuar a ler