Aluguel de Ações

Alugar ações é alternativa para obter algum rendimento quando o investidor possui expectativa de baixa no mercado acionário. Muito investidor não sabe, mas o proprietário de determinada ação pode colocá-la para ser locada, da mesma forma que ocorre com imóvel ocioso. Ao ter sua ação alugada por outro investidor, o proprietário recebe em pagamento taxa de juros, que varia de acordo com a disponibilidade e o interesse pelo papel que tem a oferecer.

O aluguel de ações, no início do ano, vivia conjuntura de forte aquecimento. Em janeiro de 2010, essa alternativa de ganhos oferecida aos acionistas atingiu a marca inédita de R$ 30,69 bilhões em volume transacionado. Foram 65.515 operações desse tipo no mês, ou seja, cifra 21,9% superior à do mesmo período de 2009. Levantamento da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia) mostra que a pessoa física era o segmento de investidor que mais disponibilizava suas ações para locação, com 34,9% do total em janeiro. Em segundo lugar, estavam os fundos, com 32,4% do total.

No jargão do mercado, quem oferece suas ações é chamado de doador. Quem empresta os papéis é o tomador. Os fundos mútuos de investimento e os estrangeiros são os principais tomadores de ações, respondendo junto por mais de 83% dos empréstimos.

Em tese, qualquer um pode alugar suas ações independentemente de quantos papéis possui. Todavia, quantidades muito pequenas de papéis dificultam o encontro de interessados.

O melhor caminho para oferecer suas ações para aluguel é procurar a corretora com a qual costuma operar e avisar da disponibilidade dos papéis. A corretora pode acabar por juntar os lotes de diferentes pequenos investidores e colocá-los, de forma mais fácil, no mercado para locação.

Depois que a corretora é informada da disponibilidade do papel para ser alugado, entra em contato com a CBLC, que faz a intermediação entre as partes interessadas. Espécie de vitrine, o banco de títulos da CBLC serve para que os interessados tenham acesso aos papéis ofertados e às taxas cobradas para a realização de cada operação de aluguel.

Quem aluga suas ações mantém seus direitos de acionista. Além de seguir como proprietário do papel, continua tendo acesso a dividendos e outros proventos. O único inconveniente é a perda de liquidez. Isso ocorre porque enquanto a ação estiver alugada seu proprietário não pode vendê-la. Dessa forma, a operação costuma ser indicada apenas para quem planeja manter suas ações por longo tempo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s