Publicar (na Rede) e Não Perecer

Participei de debate sobre o futuro de revistas acadêmicas em Economia.

Escutei os seguintes argumentos:

  1. Monismo Metodológico: “Para Economia ser reconhecida como Ciência, suas publicações têm de ser medidas/avaliadas sob o mesmo critério de outras Ciências, sejam Exatas, sejam Biológicas”.
  2. Colonialismo Cultural: “Lá fora, nos Estados Unidos, quer goste, quer não, o critério de produtividade acadêmica é quantidade de publicações e citações; portanto, se a produção científica brasileira quiser reconhecimento internacional temos de adotar esse critério”. Ler: Meritocracia.
  3. SSSS (Só Sábios Sabem Selecionar): “Aqui, o critério de qualidade é o artigo ser publicado em revistas com melhores classificações segundo avaliações de alguma Comissão de Sábios, escolhida pela CAPES”.  Ler: Comissão de Sábios.
  4. Fatalismo: “A seleção por dupla de pareceristas ‘cegos’ e ‘anônimos’ não é isenta nem imparcial, pois os editores de revistas os escolhem sabendo quais são os ‘carrascos’ e quais são os ‘corações moles’, mas não há outro critério melhor do que esse”. Ler: Qual-is: qual é?
  5. Atemporal: “Não importa o tempo perdido na divulgação, face à demora habitual em se publicar – em média 3 anos desde o envio do artigo até a publicação, depois de receber dois pareceres positivos -; afinal, o que é abstrato serve para qualquer lugar em qualquer tempo”.
  6. Fahrenheit 451: “Livro não é considerado para pontuação na carreira acadêmica, porque a CAPES não tem como avaliar sua qualidade, afinal, qualquer um (“desqualificado”) pode publicar algum livro por conta própria”.

Contra-argumentei:

  1. O critério de escrever algo, primordialmente, deve ser sentir o prazer da criação, ou seja, o escritor sentir a necessidade e a capacidade de expressar algo escrito para o mundo (ou eventual leitor), nunca se deve escrever apenas por carreirismo.
  2. Depois da felicidade em ter escrito, o maior prazer é ser lido logo por alguém, portanto, nenhum colega anônimo tem o direito de retirar essa oportunidade do eventual leitor avaliar a qualidade do que você escreveu.
  3. Antes, certa seleção era necessária, devido ao alto custo da publicação impressa; a demanda por publicar era muito maior do que a capacidade de tornar tudo acessível ao público, daí, o Qualis estabeleceu, formalmente, o oligopsônio de revistas acadêmicas.
  4. Hoje, já não se justifica mais aceitar a imposição de reserva de mercado e a censura dos pares rivais, camuflada sob suposto “controle de qualidade”; os leitores tem o direito julgar a qualidade do texto escrito: se agradar, eles próprios se encarregarão de divulgá-lo; se não, simplesmente, “não se vira a página”.
  5. A escolha do que (e de quem) ler não ocorre pela classificação da revista ou de livro, mas sim pelo tema e pela reputação do autor.
  6. Sendo assim, blogs individuais ou grupais, sites institucionais, todas essas novas formas de divulgar os escritos devem ser o futuro das publicações acadêmicas, isto é, elas devem ser eletrônicas, gratuitas e livres!

5 thoughts on “Publicar (na Rede) e Não Perecer

  1. Caro Fernando,

    Ontem voltando do Rio, fui surpreendido por pergunta de uma pessoa que indiretamente participa da nossa vida acadêmica local, sobre qual a razão de eu estar na oposição dentro do IE. Perguntei sobre o que se tratava, pois considerei ininteligível a pergunta. Afinal, nem toda divergência é oposição. Em particular, a controvérsia é o que explica o desenvolvimento do conhecimento.

    E, portanto, obrigado pela oportunidade de comentar suas observações. Sendo que as diferenças permitem que o enriquecimento de nossas idéias.

    Tendo participado do debate, gostaria de comentar aspectos tratados por você no seu blog.

    Sempre que tratamos do assunto produção e publicação científica, descobrimos ser ele razoavelmente complexo.

    Em minha fala apontei:
    1. A pesquisa somente existe e tem relevância se seus resultados forem diviuldados;
    2. Em geral, sob o argumento que os pesquisadores se submeteram ao produtivismo, se esconde a ausência de trabalho de pesquisa regular;
    3. Devemos considerar a divulgação através de diversas formas, pois cada uma cumpre uma função determinada. Fiz menção à pouca valorização que se dá à divulgação científica orientada para jovens do ensino fundamental e médio. Apesar de sermos financiados pela sociedade, suprir suas necessidades de conhecimento não é considerado como uma atitude científica;
    4. É preciso considerar as particularidades das áreas de conhecimento, em especial no que diz respeito à maior ou menor aderência ao processo de internacionalização da produção científica.

    Em suma, devemos defender que o trabalho de pesquisa somente tem sentido se divulgado. E que este processo deve primar pela qualidade e pela ética. E, finalmente, que ele se faça sob as mais diversas formas e publicos diversos.

    Como disse o Vinicius sobre o sucesso de Birimbau, eu e Baden ficamos contentes porque, afinal, é para o povo que fazemos nossas músicas. Quanto a nós pesquisadores, é a sociedade que nos financia e é para ela que devemos produzir conhecimento e, também, ficarmos satisfeitos.
    Abraços

    C.Dedecca

    • Dedecca,
      estou de pleno acordo com o que você disse. Saliento apenas que o julgamento da qualidade e da ética deve ser efetuado pelo público em geral e não apenas por colegas anônimos e rivais.
      Grato pelos comentários,
      Abraço

  2. Prof Fernando,

    Encontrei seu blog pesquisando sobre darwinismo bibliográfico. Li vários posts e achei o blog muito interessante.

    Para mim, os livros e as publicações em geral devem ser escritos com paixão e vocação assim como os próprios objetos de estudo devem ser escolhidos baseando-se nestes critérios. Só os livros escritos com alma tem valor.

    Infelizmente, o filtro nas publicações acadêmicas, que servem de trampolim para os pesquisadores, fazem uma seleção elitista entre os pares mantendo cada qual no seu lugar de origem. A sociedade exalta demais os especialistas e estes, muitas vezes, tem se mostrado mais comprometidos com suas próprias carreiras do que com a ciência que estudam.

    Além de movidas pelo entusiasmo, as publicações acadêmicas devem ser escritas em linguagem acessível para atingir um público maior.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s