Brasil: celeiro agrícola do mundo

O Brasil terá de longe o mais rápido crescimento da produção agrícola no mundo, nos próximos dez anos, com expansão superior a 40%, o dobro da média mundial, comparado ao período 2007/9, segundo relatório de perspectivas agrícolas que a Agência para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) e a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), cujo resumo foi publicado por Valor (14/06/2010). O país se firmará como grande celeiro do mundo, segundo as projeções de produção, consumo, estoque, comércio e preços para 2010/19 analisadas no estudo. Nesse período, a FAO e a OCDE esperam maior crescimento econômico global, com aumento da demanda e do comércio, além de preços elevados para os produtos agrícolas no médio prazo.

Países em desenvolvimento, de maneira geral, estão elevando a produção agrícola e deslocando tradicionais exportadores. Mas o crescimento da produção brasileira vai muito além dos outros. É quase quatro vezes maior que os 10% a 15% previstos para concorrentes como os Estados Unidos e Canadá entre 2010/19. Para a União Europeia, a previsão é de um crescimento de menos de 4%, segundo o relatório.

O ritmo de crescimento da produção agrícola também é forte em países como Rússia e Ucrânia, com alta de 26% e 29%, respectivamente. Para a China, a estimativa é que a produção aumente 26% e para a Índia, outro grande asiático, 21%. No caso da Austrália, a alta deve ser de 7%.

Segundo o relatório, o comércio de produtos agrícolas continuará a crescer no eixo Sul-Sul, em adição ao tradicional Norte-Sul. Pelo lado das importações, a expectativa é que grandes emergentes como a Índia vão se integrar mais ao mercado mundial. Outros, como a China, já com presença estabelecida nos mercados, vão procurar diversificar suas fontes de suprimento como resultado de novas “interações econômicas”. Com isso, será redesenhado o fluxo global de produtos agrícolas.

Além do domínio na produção e comércio de carnes e açúcar, o Brasil aumentará sua participação em outras áreas. No caso da carne, a exportação mundial até 2019 pode crescer 22%. O Brasil deverá ser responsável por 63% das vendas fora dos países desenvolvidos e um terço do total mundial.

A supremacia brasileira no setor de açúcar deverá se confirmar. Segundo o relatório, a produção terá alta de 11 milhões de toneladas, ou 31% até 2019, ante o período 2007/09. As vendas externas também deverão aumentar 41% em dez anos, representando 50% do comércio global. O Brasil manterá o status de formador de preços do açúcar no mercado global. O estudo nota que, ao contrário de outros exportadores, o país tem vantagem competitiva para aumentar a produção no curto prazo, usando o “mix” de produção de açúcar e etanol a partir da cana.

Os países em desenvolvimento vão ser a grande força do crescimento da produção, do consumo e do comércio agrícola nos próximos dez anos, segundo o relatório de perspectivas agrícolas da Agência para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A demanda desse grupo é impulsionada por aumento da renda per capita e pela urbanização, reforçada pelo crescimento populacional que é duas vezes maior do que nos países desenvolvidos.

A tendência é de haver aumento no consumo de produtos como carnes e alimentos processados, o que deve favorecer os produtores de bovinos e frangos. Com a nova classe média em expansão, o consumo de alimentos nos países em desenvolvimento deve depender menos de mudanças no preço e na renda.

Nesse cenário, segundo a FAO e a OCDE, os preços médios das commodities projetados para os próximos 10 anos devem ficar acima dos níveis anteriores ao pico de alta de 2007-2008. As cotações de trigo e grãos podem subir entre 15% e 40%. O preço mundial do açúcar para 2019 deve ficar acima da média da última década, mas bem abaixo do recorde de 29 anos, atingido no fim do ano de 2009.

Os preços das carnes em termos reais devem superar a média de 1997-2006 em decorrência da menor disponibilidade, maior custo de ração para os animais e maior demanda. As cotações para a carne suína devem ser afetadas pelo aumento da oferta no Brasil e China, diz o relatório.

A recuperação econômica vai ampliar o consumo de carnes, sobretudo nos países em desenvolvimento. As mais beneficiadas serão proteínas mais baratas como carne de frango e carne suína. Para os lácteos, as instituições estimam alta de preços, em termos reais, entre 16% e 45%, sendo a maior valorização na manteiga.

Em praticamente todas as commodities, as importações e as exportações dos países em desenvolvimento deverão superar as dos ricos. Apenas a exportação de farelo de proteína crescerá mais rápido nos países da OCDE até 2019.

Por outro lado, o relatório mostra que os países desenvolvidos continuarão a dominar as exportações de trigo (52% do total mundial), grãos forrageiros (59%), carne suína (80%), queijo (63%) e leite em pó (66%).

Contudo, países em desenvolvimento continuarão como líderes na exportação de arroz (88% do mercado mundial), oleagionosas (56%), farelo de proteínas (80%), óleos vegetais (91%), carne bovina (57%) e frango (63%).

Ainda no que diz respeita à produção, a FAO e a OCDE estimam que a maior parte da expansão da oferta mundial de oleaginosas, como soja, estará concentrada no Brasil, Estados Unidos e Argentina. Os EUA devem continuar a ser o maior produtor global. Mas quase 70% do aumento das exportações virá do Brasil, elevando de 26% para 35% sua fatia no comércio mundial até 2019. Nesse ritmo, o país poderá se tornar o maior exportador mundial de oleaginosas em 2018, superando os EUA.

No caso do etanol, quase 40% do aumento da produção deve vir de maior oferta a partir da cana-de-açúcar, sobretudo do Brasil, para atender o mercado doméstico e a demanda dos EUA.

Segundo o relatório, o comércio de etanol deve triplicar e representar 9% da produção global. O Brasil será o maior fornecedor internacional. Já a Argentina deve ser o maior em biodiesel.

Outro segmento em que o Brasil pode aumentar sua presença é nas exportações de lácteos, diz o documento. A produção de leite deve crescer 2,3% ao ano, em razão do incremento da produtividade e investimentos.

O país também deve seguir como o segundo maior exportador mundial de farelo. A projeção é que as vendas externas brasileiras aumentem quase 20%, mesmo com o maior consumo doméstico.

O relatório mostra também que os níveis de subvenção agrícola nos países emergentes monitorados pela OCDE tendem a aumentar, mas continuam muito abaixo dos bilionários subsídios da maioria dos países desenvolvidos. No Chile, por exemplo, é de 4%, e na Rússia, de 14%.

Nos países ricos, a ajuda vinculada ao tamanho da produção alcançou US$ 250 bilhões em 2008, derrubando preços internacionais e gerando concorrência desleal. Os campeões de subsídios são os EUA e a União Europeia, com 30% e 40% do total, respectivamente, o que resulta em acúmulo de oferta e derrubada dos preços mundiais. No Japão e na Coreia do Sul, 90% da subvenção são também vinculados à produção.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s