CEM: Light My Fire

Antes do Jefferson Airplane, na mesma California, foi criado outro grupo de rock, The Doors, que obteve maior sucesso mundial. Nos Estados Unidos, as preferências dos jovens se dividiam entre os dois grupos rivais.

A origem dos The Doors está em encontro ao acaso entre dois estudantes da escola cinematográfica da UCLA, Jim Morrison e Ray Manzarek, em Venice Beach, Califórnia, em Julho de 1965. Morrison disse então a Manzarek que escrevia canções e, a pedido de Manzarek, cantou “Moonlight Drive“. Impressionado pelas letras de Morrison, Manzarek sugeriu que formassem uma banda.

O tecladista Ray Manzarek estava em banda familiar, enquanto o guitarrista Robby Krieger e o baterista John Densmore tocavam com os The Psychedelic Rangers. Ambos conheciam Manzarek das aulas de yoga e meditação. Em setembro de 1965, o grupo reuniu-se, e o alinhamento final estava formado — Morrison, Manzarek, Krieger e Densmore.

A banda retirou o seu nome do título de um livro de Aldous Huxley, “The Doors of Perception“, que por seu turno havia sido ‘emprestado’ do verso de um poema do artista e poeta do século XIX, William Blake: “If the doors of perception were cleansed, every thing would appear to man as it is: infinite” (em pt: Se as portas da percepção fossem abertas, tudo apareceria como realmente é: infinito).

Os Doors não tinham a formação comum à maioria dos grupos rock, porque não possuíam qualquer baixo quando atuavam ao vivo. Deste modo, Manzarek tocava as secções de baixo com a sua mão esquerda no recentemente inventado Fender Rhodes bass keyboard, uma variação do conhecido piano eléctrico Fender Rhodes, enquanto tocava as partes de teclado com a sua mão direita. Já nos álbuns de estúdio, os Doors usaram diversos baixistas.

O estilo musical dos The Doors baseava-se, essencialmente, em mistura entre blues e o psicodélico. Ray Manzarek fornece elementos de música clássica e blues, Robby Krieger insere ritmos de flamenco, enquanto que Densmore usa os seus conhecimentos de jazz na bateria.

As “letras estranhas” do grupo, compostas na sua maioria por Jim Morrison, afastam-se em boa medida das convencionadas pela pop da época. Nos primeiros discos (The Doors e Strange Days), os elementos visionários próprios da música psicodélica surgem expressos em imagens inspiradas na tradição romântica e simbolista, atualizando-a com referências ao existencialismo e à psicanálise. De destacar também a influência dos simbolistas franceses, como Arthur Rimbaud ou Charles Baudelaire, na poesia de Morrison. Nos últimos discos, em especial L.A. Woman, as letras de Morrison tornaram-se mais simples e imediatas, evoluindo assim com o som da banda em direção ao blues.

Em 2007, Manzarek descreveu o som da banda como: “Música Bauhaus. É limpa, é pura. De um lado, há o piano, do outro, uma guitarra, a bateria no meio, um tom de baixo no fundo, e o vocalista à frente, e você consegue ouvir as letras! Essa é uma das razões porque o som dos The Doors continua ser importante hoje em dia. É claramente moderno. E era isso o que pretendíamos”.

Muitas das canções originais dos Doors eram compostas pelo grupo, com Morrison ou Krieger contribuindo com a letra e a melodia inicial, e os restantes com as sugestões rítmicas e harmônicas ou até secções inteiras. Por exemplo, a introdução de Manzarek em “Light My Fire“. Esta música foi o segundo single; tornou-se grande sucesso no verão de 1967, e colocou o grupo, juntamente com Jefferson Airplane e The Grateful Dead, como uma das principais bandas contracultura da América. Para a rádio AM, os solos de órgão e piano foram retirados da canção. Esta se tornou um clássico e, em sua versão completa, não podia deixar de estar entre as minhas “10 mais do rock” apresentadas na Confraria Etílico Musical (CEM).

Escute a versão studio:

Leia a letra:

Acenda Meu Fogo

Você sabe que seria falso

Você sabe que eu seria um mentiroso

Se eu fosse te dizer:

Garota, não podíamos estar mais chapados

Venha, baby, acenda meu fogo

Venha, baby, acenda meu fogo

Tente incendiar a noite

O momento de hesitar acabou,

Não há tempo para chafurdar na lama.

Tente agora e nós só podemos perder

E nosso amor se torna uma pira funerária

Venha, baby, acenda meu fogo

Venha, baby, acenda meu fogo

Tente incendiar a noite

Você sabe que seria falso

Você sabe que eu seria um mentiroso

Se eu fosse te dizer:

Garota, não podíamos estar mais chapados

Venha, baby, acenda meu fogo

Venha, baby, acenda meu fogo

Tente incendiar a noite

Tente incendiar a noite

Tente incendiar a noite

Tente incendiar a noite

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s