Implosão Demográfica

Fabiano Maisonnave (Folha de S. Paulo, 08/03/11) anuncia que, após 30 anos de vigência, a China estuda o fim da controvertida Política do Filho Único devido a pressões demográficas como o rápido envelhecimento, informou o Comitê de Recursos Populacionais. O tema está na pauta da reunião anual do Congresso Nacional do Povo, atualmente em sessão. Entre os principais problemas da atual política chinesa de controle de natalidade estariam a crescente falta de mão de obra, a desproporção entre homens e mulheres e o envelhecimento populacional.

“Deveríamos encorajar uma criança, permitir duas crianças e proibir três crianças”, disse Ji Baocheng, membro do Congresso e presidente da Universidade Renmin da China. “A força de trabalho populacional entre as idades de 28 e 40 anos cairá pela metade em dez anos”, afirmou Ji.

Segundo Wang Yuqing, vice-diretor do Comitê de Recursos Populacionais do Congresso, o alto custo para criar um filho em cidades como Xangai e Pequim ajudará o controle de natalidade. Atualmente, a Política do Filho Único só é aplicada nas cidades. A população rural já pode ter uma segunda criança se a primeira for do sexo feminino. Minorias, como os tibetanos, estão isentas.

Segundo números oficiais, foram realizados cerca de 265 milhões de abortos em três décadas. Muitos deles são feitos tardiamente e de forma arriscada, já que a preferência por bebês do sexo masculino leva os pais a esperar até o segundo trimestre, quando o sexo já está definido. Há também infanticídio feminino.

A política do regime totalitário também provocou milhões de casos de punições. Em várias partes do país, aplicavam-se os “cinco procedimentos” contra famílias transgressoras: toma da colheita, dos animais e dos móveis, demolição de casas e prisão. A conquista da liberdade ainda é tema explosivo na China.

A China é o país mais populoso do mundo, com 1,35 bilhão de habitantes, ou 20% da população mundial. Embora tenha se tornado potência econômica, boa parte de sua população é pobre.

O premiê chinês, Wen Jiabao, estabeleceu como meta a erradicação da pobreza no país dentro de dez anos, relata a agência oficial Xinhua. O governo planeja ainda aumentar a parcela da população que recebe ajuda oficial, especialmente em áreas com maior índice de pobreza, como o oeste chinês. Segundo os critérios da ONU (pessoas com menos de US$ 1 por dia), cerca de 150 milhões estão abaixo da linha da pobreza no país.

Para comparar com a perspectiva populacional brasileira, leiaBonus Demográfico

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s