Microcrédito para Microempreendedores

Felipe Marques (Valor, 30/06/2011) informa que o novo perfil de clientes que os bancos buscam para expandir o microcrédito é o de empreendedores da região Sudeste do país. Aumentar a rentabilidade da operação também é desejo dos bancos. No Brasil, as iniciativas de microcrédito produtivo começaram a se disseminar há cerca de uma década, especialmente no meio rural e nas regiões mais pobres do Norte e Nordeste. Mas os valores aplicados ainda são incipientes em termos agregados: em abril de 2011, essas carteiras somavam R$ 1,1 bilhão, porém 45% mais do que o saldo de um ano antes, segundo os dados mais recentes do Banco Central.

Para que as operações ganhem escala, agora são as periferias dos Estados mais ricos, do Sul e Sudeste, que passaram a ser alvo dos programas desenvolvidos pelos bancos, que têm de aplicar 2% dos depósitos à vista no microcrédito ou recolher os recursos compulsoriamente no BC, sem remuneração. Com o avanço pelos centros urbanos, as instituições tentam, em alguma medida, repetir o sucesso do Crediamigo, do Banco do Nordeste, o maior programa de microcrédito do país.

Só que, para dar esse passo, o desafio é encontrar nova forma de abordagem. Isso porque no Norte e Nordeste as experiências mais bem sucedidas replicam o modelo internacional, com a figura do agente de crédito, que, atuando próximo às comunidades, estimula a formação de grupos de crédito solidário, de 3 a 30 pessoas. Os tomadores não só recebem os recursos conjuntamente, como também dão aval solidário à operação, espécie de garantia mútua. Mas as instituições enfrentam resistência para adotar esse esquema nos centros urbanos.

O Santander percebeu isso e vem fazendo adaptações. Na carteira, o banco tem cerca de 96 mil microempreendedores ativos, a maioria concentrada no Nordeste. Tradicionalmente, o banco requer a formação de um grupo de três ou mais pessoas para conceder linha de crédito. Já no Sudeste, houve relaxamento dessa exigência e o empréstimo pode ser feito para uma dupla.

No Sudeste há uma lentidão na formação dos grupos. Mas se a quantidade de pessoas diminuiu, o rigor na análise da operação aumentou. Em grupo solidário, pode haver participantes com alguma restrição de crédito, mas na dupla, não.

O Banco do Brasil, depois de se firmar no financiamento a pequenos produtores rurais no Nordeste, instalou agências no Complexo do Alemão, no Rio, e em Paraisópolis, em São Paulo, como espécie de laboratório para ofertar microcrédito produtivo fora do meio rural. O Sudeste tem imagem de desenvolvido, mas precisa de ajuda. É com essa demanda que o Banco do Brasil quer trabalhar.

Para prospectar o microempreendedor, o banco tem se aproximado das associações ligadas às comunidades carentes e do Sebrae, a agência de apoio do empreendedor e pequeno empresário. Em Paraisópolis, zona Sul de São Paulo, o tradicional letreiro “Banco do Brasil” foi substituído por “Banco de Paraisópolis”. A instituição faz barulho com carro de som para atrair os pequenos empreendedores locais. No ano, até 22 de junho, o BB tinha direcionado R$ 69 milhões ao microcrédito produtivo, beneficiando 26,8 mil empreendedores.

O Itaú, que “ainda não subiu no mapa e só atua no Sudeste”, também encontrou dificuldade de formar grupos solidários na região. A estratégia, ao assumir as operações da antiga Microinvest, que veio no pacote da fusão com o Unibanco, foi abolir completamente a necessidade de algum parceiro. Nos centros urbanos, há maior dificuldade de formar laços. As pessoas mudam muito de residência e os vizinhos, às vezes, nem se conhecem.

Segundo o diretor de microcrédito do Itaú, a operação não é rentável e apenas se paga. Mas a meta é mais do que dobrar sua base de clientes ativos até o fim de 2011, chegando a 10 mil microempreendedores. Para atingir esse objetivo, uma das armas do banco são parcerias com redes de varejo, como o Magazine Luiza. Ao mesmo tempo em que o Itaú financia os consumidores, há o compromisso do lojista de encaminhar para o banco empreendedores em potencial.

O Santander tem, desde abril, parceria semelhante com a Natura, e toca projeto piloto no Rio de Janeiro, com intenção de expandir para o restante do país. Pelo acordo, o banco oferece crédito para pessoas que querem se tornar vendedoras da marca, mas têm “nome sujo”.

3 thoughts on “Microcrédito para Microempreendedores

  1. Olá Professor Fernando
    Me perdoe pelo incômodo, mas o Sr poderia recomendar bibliografia acerca desta temática? Tenho feito algumas leituras sobre o tema e despertou-me atenção especialmente o microcrédito direcionado à mulher (nos mesmos moldes do Banco Grameen). Há uma linha específica às famílias monoporentais? O Banco Grameen já iniciou suas operações no Brasil em parceria com o Banco do Brasil? (“acordo” realizado no fim de maio deste ano). Muito obrigada pela atenção.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s