Importação de Mão de Obra Qualificada

Denise Neumann, Arícia Martins e Marta Watanabe (Valor, 01/09/11) focam em setor muito relevante para a economia brasileira, mas praticamente desconhecido da mídia e dos economistas em geral. O setor de serviços emprega 16,8 milhões de pessoas só nas seis principais regiões metropolitanas do país, segundo dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Continue reading “Importação de Mão de Obra Qualificada”

Pesquisa Anual de Serviços (PAS) 2009

 

 

Como foi dito em outro post (Servindústria Brasileira), os economistas, em geral, desconhecem o Setor de Serviços. Vamos, então, divulgar algumas informações quantitativas recentes que revelam sua heterogeneidade. Em 2009, as 918 mil empresas de serviços não financeiros no país geraram receita operacional líquida (diferença entre a receita bruta e o pagamento de impostos, abatimentos, descontos e vendas canceladas) de R$ 745,4 bilhões e valor adicionado (o valor bruto da produção menos o consumo intermediário) de R$ 418,1 bilhões. Elas ocupavam 9,7 milhões de pessoas e pagaram R$ 143,5 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações. As informações são da Pesquisa Anual de Serviços (PAS) 2009, divulgada pelo IBGE em 26 de agosto de 2011. 

A publicação completa da Pesquisa Anual de Serviços 2009 pode ser acessada na página www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/comercioeservico/pas/pas2009/default.shtm

Continue reading “Pesquisa Anual de Serviços (PAS) 2009”

Servindústria Brasileira

 

Sergio Lamucci (Valor, 05/09/11) escreveu sobre assunto que acho da maior importância: os economistas necessitam pesquisar, pois pouco sabem a respeito, o que é chamado por alguns de “Setor Terciário” – o que já demonstraria o pouco caso sobre o Setor de Serviços, como ele fosse composto apenas por “atividades residuais” em relação às agrícolas e industriais. Talvez essa postura seja devido a prolongamento do pensamento econômico do século XVIII, quando o Quadro Econômico dos Fisiocratas, elaborado por Quesnay, colocava o setor primário como o único produtivo. O mundo rodou, o pensamento econômico girou, para ficar anacrônico com o mesmo raciocínio de que produção, de fato, é apenas a de bens materiais?! Por que não se pode falar em “servindústria” assim como existe “agroindústria”?

Continue reading “Servindústria Brasileira”

Agroindústria Brasileira

  

Urbanoides“, como eu, conhecem pouco a Agroindustria Brasileira. Vamos nos informar a respeito de quais atividades industriais elas se relacionam, pois a agropecuária, isoladamente, participa com apenas 6% do PIB brasileiro. Curiosamente, os dados dos primeiros semestres, desde 2003, mostram taxas de crescimento (ou de queda) da indústria geral mais pronunciadas do que as da agroindústria. Por que? Defasagem entre o período de entressafra (investimento e/ou plantação) e o de safra (colheita)? Não sei… Quem souber, favor me dizer.

Continue reading “Agroindústria Brasileira”