Pauta para Debate entre “Desenvolvimentistas de Esquerda”

Eliminando, sumariamente, a possibilidade que a crítica do professor da UFRJ, José Luís Fiori e “O Desenvolvimentismo de Esquerda”, publicada no Valor (29/02/12), tenha sido mera “querelle des écoles”, ou seja, reação intempestiva diante de suposto receio de “retomada da hegemonia” por parte de “economistas menores” da UNICAMP, e examinando-a de maneira construtiva, ela remete a pauta de debate interessante:

1.    O que é ser “desenvolvimentista”? Mudou sua caracterização ao longo da história brasileira?

2.    O que é ser “de esquerda”? Adotar, simplesmente, o rótulo de marxista ou socialista, ou buscar a proteção social contra a competição baseada em exacerbação da desigualdade?

3.    Cabe determinada Universidade ou Instituição de Ensino adotar algum critério seletivo ideológico de seu corpo docente?

4.    Qual é o papel do intelectual hoje: é o mesmo do intelectual orgânico classista a la Grasmci?

5.    Os professores universitários, assim como outros trabalhadores intelectuais, são intelectuais produtores de nova moral ou cultura?

6.    É possível, fisicamente, além de fazer pesquisa inédita, dar conta de todas as tarefas dedicadas à docência em universidades massificadas: aulas em todos os dias, orientações, bancas julgadoras, pareceres, etc.?

7.    Dada essa maior demanda social por Docência do que por Pesquisa, a formação de quadros profissionais qualificados, naturalmente, não ganhou maior peso na atividade acadêmica?

8.    Ensaio marxista com visão sistêmica sobre o capitalismo não foi superado em importância por pesquisas teóricas ou setoriais especializadas em busca de conhecimento novo?

9.    O debate entre “a esquerda” e “os desenvolvimentistas” não ficou prejudicado por ocorrer entre generalistas e especialistas?

10. A criação da RedeD, rede virtual entre desenvolvimentistas de diversas Escolas e Países, não possibilitará, senão “mobilização social”, pelo menos acesso universal ao debate não-presencial?

11. Quanto à crítica de “nenhuma capacidade de mobilização social”, é de se desprezar, por exemplo, as milhares de visitas recebidas em sites e blogs?

12. Rede virtual não tem potencial de atingir público-alvo com maior abrangência geográfica e produzir maior reflexão do que ocorria nas reuniões de poucos militantes de vanguarda no passado?

13. Para reuniões e/ou seminários presenciais, seria melhor investir logo em instituição com estrutura permanente, em determinado local, espécie da “Casa das Garças” desenvolvimentista?

14. Quanto ao “horizonte utópico“, que o professor José Luís Fiori cobra dos que querem se assumir como “desenvolvimentistas de esquerda”, o humor, o caráter assistemático e o estilo telegráfico utilizados Oswald de Andrade para dar forma a seu ideário antropofágico, coerente com sua aversão ao discurso lógico-linear herdado da colonização europeia, adotados no Manifesto da Tropicalização Antropofágica Miscigenada, não contém Sonho (real), Alternativa (possível) e Utopia (necessária)?

2 thoughts on “Pauta para Debate entre “Desenvolvimentistas de Esquerda”

  1. Caro Fernando
    onde poderíamos ter informações sobre a rede D? Comecei a orientar uma aluna de mestrado sobre o tema desenvolvimentismo e teríamos interesse em ler o documento de que fala. Sobre esquerda e direita, dada a atual situação de forças mundial, esquerda é qualquer um, a meu ver, que defenda a eutanásia dos rentistas
    abraço
    Inês

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s