FIES: Financiamento Estudantil

Beth Koike (Valor, 22/06/12) diz que o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do Ministério da Educação está mais acessível. Por exemplo, a mensalidade do curso de Direito é de R$ 800, valor maior do que o da a faculdade de Administração, mas alunos com Fies abandonam este para estudar aquele. Este é um dos reflexos do aumento expressivo do Fies neste ano. Muitas pessoas faziam o curso que cabe no bolso e não o curso que realmente têm vontade ou vocação. Com o Fies está se percebendo uma migração de cursos. O tíquete médio dos alunos com Fies é R$ 797 contra R$ 575 dos estudantes sem o financiamento. Uma demonstração de que aqueles que optam pelo Fies estudam em cursos mais caros.

Desde que foi criado em 1999, cerca de 1 milhão de alunos conseguiram o financiamento do governo que paga entre 50% e 100% da mensalidade de cursos de graduação. Mas o boom do Fies vem sendo verificado de janeiro para cá, quando 208,2 mil contratos foram fechados. Para efeito de comparação: no ano passado inteiro foram 152 mil, segundo dados do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), órgão do Ministério da Educação responsável pelo Fies. Esse crescimento acelerado é resultado da flexibilização das regras do programa, feita em meados do ano passado, quando foi dispensada a exigência de fiador para estudantes com renda familiar per capita de até R$ 933. Os juros de 3,4% foram estendidos para todos os cursos de graduação (em alguns, a taxa chegava a 6,5%), entre outras modificações.

Nas faculdades privadas, a participação do Fies vem aumentando significativamente e contribuído para o crescimento no número de matrículas. “Tivemos um aumento de 18% no último processo seletivo e a mola propulsora foi o Fies”, disse o presidente do Grupo Anima, dono de três centros universitários em Belo Horizonte e em Santos (SP), que há dois meses recebeu aporte de R$ 100 milhões da gestora de fundos BR Investimentos. Hoje, 24% dos alunos dos centros do Anima têm Fies. Há dois anos, essa parcela era de 3,4%.

Na Kroton, esses percentuais são ainda mais representativos. O grupo mineiro, que tem o fundo americano de “private equity” Advent como sócio, conta atualmente com 40 mil alunos estudando com Fies, o que representa 36% da carteira total, contra 4,4% de dois anos atrás. Entre os calouros, 52% fizeram suas matrículas com o crédito estudantil do governo. Outro ponto favorável do Fies é a redução no volume de alunos que desistem da faculdade. Cerca de 75% dos estudantes que largam os cursos o fazem por problemas financeiros. Com o financiamento, a taxa de evasão é 70% menor na Kroton.

Na Anhanguera e Estácio, 10% dos alunos têm crédito estudantil. “Hoje, temos 28 mil estudantes com o financiamento. Deste volume, cerca de 80% entraram no último vestibular”, explicou Virgílio Gibbon, diretor-executivo de finanças da Estácio. “Estamos divulgando mais o Fies. Ainda existe uma barreira cultural dos brasileiros para obter o financiamento estudantil”, disse Roberto Valério, vice-presidente de marketing da Anhanguera. Ele se refere à falta de hábito do brasileiro de financiar educação, um ativo não palpável como celular, carros e outros bens.

A provisão para débitos duvidosos para alunos com Fies também é inferior: de 2,25%, contra 5% para quem não tem o Fies.

Pelas novas regras, as faculdades se responsabilizam por 15% do risco do financiamento e outros 85% são arcados pelo governo em caso de inadimplência. Os alunos com renda familiar per capita de até 10 salários mínimos podem obter financiamento de até 100% e não precisam mais apresentar fiador para conseguir os recursos do MEC. A maior parte dos solicitantes se enquadra nesse perfil de renda. Por exemplo, dos 136 mil contratos fechados nos três primeiros meses deste ano, 68 mil conseguiram financiamento de 100%.

O governo e as faculdades criaram um fundo garantidor que arca com a inadimplência. Entre 1999 e 2009, quando ainda vigoravam as regras antigas, a taxa de inadimplência média nacional era de 12%. Ainda não é possível mensurar o calote dos alunos que fecharam o contrato nessa nova etapa do Fies porque eles ainda não se formaram. O estudante pode pagar o empréstimo, cujos juros anuais são de 3,4%, em até 14 anos e meio para um curso de quatro anos. Durante a vigência da faculdade, o aluno paga R$ 50 por trimestre.

O Fies é válido para famílias com renda de até 20 salários mínimos, sendo que a parcela do financiamento pode variar de 50% a 100% do valor da mensalidade. As faculdades inscritas no Fies recebem como pagamento do governo títulos públicos que podem ser trocados pelo valor de face em leilões realizados todo mês.

1 thought on “FIES: Financiamento Estudantil

  1. Muito boa a iniciativa do governo. Mas e quem não se enquadra no perfil do Fies? As instituições particulares não vão entrar nesse mercado?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s