Prática da Classe Ociosa: Consumo Conspícuo X Investimento Produtivo

Em sua obra mais conhecida, publicada em 1899, Teoria da Classe Ociosa, Veblen alerta que o termo “ócio” não implica em indolência. Significa, simplesmente, tempo gasto em atividade não produtiva. Gasta-se o tempo de modo não produtivo, primeiramente, por um sentimento da indignidade do trabalho produtivo e, em segundo lugar, para demonstrar a capacidade pecuniária de viver uma vida inativa.

O motivo usual e ostensivo da classe ociosa não é, evidentemente, aumentar a riqueza por esforço produtivo. “A desnecessidade de trabalhar não é só algo honorífico e meritório; muito cedo torna-se um requisito de decência. Durante os primeiros tempos da acumulação de riqueza, a insistência na propriedade, como base de respeitabilidade, é extremamente ingênua e imperiosa. Esta desnecessidade de trabalhar é a prova convencional de riqueza, sendo portanto a marca convencional de posição social; e essa insistência sobre o mérito da riqueza leva a uma insistência sobre o ócio” (Veblen, 1899/1983: 25).

Em um cenário econômico global difícil, os produtos não convencionais de consumo de luxo ganham destaque entre investidores endinheirados. Relatório de 2012 sobre a riqueza mundial produzido pelo RBC Wealth Management em parceria com o grupo francês Capgemini afirma que a crise econômica e financeira levou muitos investidores de alta renda – indivíduos com mais de US$ 1 milhão disponíveis para aplicação – a considerar obras arte, joias e afins como um componente importante de sua estratégia geral de investimento. O relatório ressalta, no entanto, que esses produtos não podem ser considerados exatamente alternativas de aplicação aos ativos financeiros tradicionais.

O documento, um panorama sobre o comportamento de investidores de alta renda de todo o mundo, reconhece que a dificuldade em avaliar o retorno de joias, obras de arte e outros artigos com essas características, ocorre em parte porque os interessados são fortemente motivados por aspectos intangíveis, como o prazer estético. Por isso, é difícil dizer quanto do patrimônio disponível para investimentos tem realmente sido canalizado para artes e joias. A expectativa, contudo, é que o interesse de compra continue forte em diversas categorias, conforme os investidores busquem diversificar suas aplicações, sobretudo quando é difícil conseguir bons retornos em produtos financeiros tradicionais.

Os números desses mercados “alternativos” não apontam, entretanto, em uma única direção. De acordo com o relatório, em novembro de 2011, o leilão de vendas de arte impressionista e moderna da Christie’s, em Nova York, rendeu US$ 140 milhões. Esse valor ficou muito aquém das estimativas dos especialistas, que variavam de US$ 210 milhões a US$ 300 milhões. Além disso, 38% dos lotes oferecidos durante o leilão não encontraram comprador.

Entre os artigos com grande apelo entre investidores milionários e colecionadores, o relatório indica que o mercado de vinhos finos foi o que sofreu maior pressão de venda em 2011. O índice Live-Ex Fine Wine 50, que acompanha as últimas dez safras dos vinhos franceses da região de Bordeaux, caiu 10,1% no ano passado.

Flavia Lima (Valor, 24/07/12) escreveu matéria esclarecedora sobre esse “consumo conspícuo“, diferenciando-o de investimento financeiro. Produtos não financeiros, embalados (ou não) por promessas de uma boa rentabilidade, fazem brilhar os olhos de muita gente que muitas vezes faz questão de se justificar, afirmando: “é um investimento”.

Uma dessas pessoas, S.F., economista aposentado, acaba de comemorar a boa notícia recebida dia desses: o dono de uma loja de tapetes antigos estimou que as cinco peças persas compradas em meados da década de 1990 por R$ 10 mil hoje valeriam “por alto” R$ 70 mil. Nada mau. A compra, feita em 1997, teria rendido, nesta hipótese, 13,9% ao ano desde então (600% no total), antes de impostos, nas contas de Marcelo d’Agosto, autor do blog “O Consultor Financeiro”, no portal Valor.

 S.F. já pode comemorar? Para especialistas, não exatamente. Se o aposentado tivesse colocado esses mesmos recursos em uma aplicação atrelada ao Certificado de Depósito Interbancário (CDI), o retorno teria sido de 16,8% ao ano – ou 933% no período. O mesmo valor na bolsa, contudo, teria rendido menos: 10,3% ao ano ou 333% no total.

Muitos podem argumentar que daqui para frente, diante de juros historicamente em níveis mais baixos, vai ser difícil encontrar algo tão rentável. Porém, ainda que a suposta valorização de produtos como tapetes se mostre imbatível, especialistas afirmam que há mais com que se preocupar. O produto tem liquidez? Ou seja, há como negociar o ativo no mercado, caso seja necessário? O comprador vai querer pagar o preço considerado justo pelo aposentado? Os preços de compra e venda são amplamente conhecidos?

São as respostas a essas questões que fazem com que as apostas em tapetes, joias, obras de arte ou animais se situem em uma zona cinzenta entre o que é considerado investimento e o puro prazer. Se a intenção for “investir” em carros, roupas ou até mesmo em alguns produtos financeiros como títulos de capitalização, aí o recado é ainda mais claro: esqueça o termo “investir” e assuma que você está adquirindo algo para o seu prazer pessoal.

As pessoas tendem a comprar algo geralmente de que gostam e pensar naquilo como investimento porque é um negócio tangível. Cuidado, porque pode ser difícil ‘precificar’ o ativo e, principalmente, se desfazer dele, muitas vezes no momento em que você mais precisa.

No caso de joias, quadros, tapetes ou vinhos, os especialistas reconhecem que alguns indivíduos podem ter sucesso na empreitada, especialmente se forem conhecedores do assunto. Mas se quero um terno bonito, no lugar de dizer que estou investindo no meu bem-estar, na minha aparência, é melhor admitir estou gastando com roupa.

Devemos tentar escapar das armadilhas colocadas pelo nosso próprio cérebro. Ele nos engana de forma fantástica. Se o sujeito gosta de carros antigos ele vai dizer que pode ter lucro com eles, esquecendo-se muitas vezes de contabilizar o tempo e os materiais gastos.

Há gente que já foi seduzida pelo “canto da sereia” de produtos pouco convencionais. Por exemplo, na década de 1980, comprou seis éguas inglesas convencido por um amigo, que assegurou que ele conseguiria vender cada filhote dela por algo hoje equivalente a cerca de R$ 50 mil. Tempos depois, com cinco potros e nenhuma oferta à vista, conheceu um sujeito que daria R$ 2 mil em cada um deles ou R$ 10 mil por tudo. Foi aí que vendeu as onze cabeças por um quinto do preço que achava que ganharia com cada potro. Se você quer especular e não sabe, o melhor é ir embora do mercado.

O interesse em proteger o dinheiro comprando carros ou joias no Brasil é herança direta do período inflacionário. Com o valor do dinheiro corroído diariamente pela alta dos preços, as pessoas corriam para comprar tudo o que pudessem e se ver livre do papel-moeda o quanto antes. “Nesse ambiente, o carro usado, por exemplo, se desvalorizava menos do que a moeda”, lembra Macedo.

Com a inflação baixa, a perda fica muito mais clara. O preço do carro novo aumenta aos poucos e a depreciação se mantém. Ao tirar um carro da concessionária se perde 15% a 20% do seu valor, mais 10% ao ano nos anos seguintes. Ou seja, em quatro ou cinco anos você tem metade do valor do carro. Parece óbvio, mas muita gente não se dá conta disso.

Carro é investimento para taxista. Para todos os outros é gasto. Nem é preciso ser um especialista para chegar a essa conclusão. Questionada sobre algum arrependimento financeiro, ninguém deve titubear ao responder “carro”. Você já sai da concessionária perdendo, ainda mais nos dias de hoje, quando é preciso blindar. Por esse motivo, não se deve trocar de veículo com frequência. Ele tem maior valor de uso do que valor de troca!

Com relação às joias, a questão aqui é que o comprador paga um prêmio sobre a manufatura da peça e geralmente quem a compra quer pagar apenas pelo material – seja ouro, prata ou diamante. Não é uma commodity e o comprador acaba perdendo por ter um produto específico. Fora o gosto pessoal. Outro ponto apontado por especialistas é que vender no momento em que mais se precisa pode se tornar um tormento. “No caso de uma joia, quem compra vai querer pagar menos para, por exemplo, cobrir seus custos na feitura de uma nova joia com o antigo material.

Muitas vezes oferecidos como uma aplicação tradicional, os populares títulos de capitalização também são sempre lembrados pelos especialistas quando o assunto é o que não pode ser considerado um investimento. De acordo com as regras do produto, parte do valor pago pelo título destina-se à constituição de um capital para resgate e parte aos sorteios, dentro de prazos pré-determinados. Eles têm em uma taxa de retorno menor do que todas as outras aplicações e um componente lúdico, que são os sorteios. É jogo e não investimento.

Ao alocar recursos para um produto como esse geralmente falta informação ao investidor. Tem também a questão de buscar informação no lugar errado, no local onde há conflito de interesse. Gerente recebe prêmio se ultrapassar a meta de venda de produtos financeiros.

O consumidor parece não se importar com as críticas. Dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) fornecidos pela Federação Nacional de Capitalização (FenaCap) indicam que, apenas em 2012, a receita de um grupo de instituições que oferece o produto subiu 22,4% até abril, para um total de R$ 5,060 bilhões. Desde 2007, a evolução da receita é constante. Pesquisa conduzida pelo Instituto Fractal em abril corrobora os bons números: as aplicações preferidas dos brasileiros são a caderneta de poupança e os títulos de capitalização.

Para o indivíduo comum, disposto a acumular uma renda ou se proteger da inflação, o discurso é mais ou menos um só: o conselho é que ele fique com os mercados tradicionais, ou seja, renda fixa, ações, imóveis e todos os seus derivados. Os amantes de “investimentos” digamos, exóticos, têm que ter em mente que o principal objetivo deve ser o prazer. Assim, ganhar dinheiro deve ser tomado como algo secundário.

A Teoria da Classe Ociosa de Veblen não se mantém atualizada mais de um século após sua publicação?

1 thought on “Prática da Classe Ociosa: Consumo Conspícuo X Investimento Produtivo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s