Envelhecimento da População Brasileira 1992-2011

Pedro Soares (FSP, 13/10/12) entrevista especialistas sobre os resultados apontados na PNAD 2011. Em cenário de envelhecimento acelerado da população do país, os idosos foram responsáveis por quase um quinto da renda (19,4%) das famílias brasileiras em 2011, uma proporção maior do que a que ocupam na distribuição da população. Saíram de suas carteiras uma injeção mensal de R$ 28,5 bilhões na economia brasileira. Os dados são de estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, órgão ligado à Presidência da República), com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE.

Nos lares onde viviam, as pessoas com 60 anos ou mais respondiam por uma parcela ainda maior do rendimento total: 64,5%. E a principal fonte era a seguridade social, segundo o Ipea.

Graças à correção do salário mínimo acima da inflação nos últimos anos, as aposentadorias e pensões correspondiam a 69,5% do rendimento dos idosos -15 milhões eram beneficiários, de um total de 23 milhões de pessoas com ao menos 60 anos no país.

Para Ana Amélia Camarano, demógrafa do Ipea, esses números mostram que o Brasil “conseguiu enfrentar o problema da falta de uma renda garantida e da pobreza na velhice”, diferentemente de outros países.

Professor de economia da UFRJ, João Sabóia lembra que a Previdência no Brasil assegurou um rendimento a famílias mais pobres com as aposentadoria rural universal e o benefício de um salário mínimo a todos os idosos de baixa renda acima de 65 anos. “Ter um idoso na família, que antes era um peso, passou a ser fonte de renda.”

Entre os homens (mais voltados ao mercado de trabalho sobretudo nas gerações anteriores), apenas 3,7% não tinham rendimento próprio. Para as mulheres, o percentual era de 13,4% – mais alto em razão da menor ocupação feminina, problema atenuado pelo pagamento de pensões às viúvas, diz o Ipea.

Atualmente já com uma taxa de fecundidade similar à França e ao Reino Unido, o Brasil viverá uma estagnação da população a partir de 2030. Dez anos mais tarde, diz o estudo, só crescerá a faixa acima de 60 anos.

Um problema da estrutura etária envelhecida é o recuo da força de trabalho, diminuindo a capacidade produtiva. Mas não é o único: “A grande questão é como prover saúde e condições de autonomia [com custos para o Estado] a uma população mais velha“, disse Camarano. Ela, porém, crê em aumento dos idosos em atividade – 35,1% dos homens e 12,4% das mulheres nessa faixa trabalhavam em 2011.

3 thoughts on “Envelhecimento da População Brasileira 1992-2011

  1. Com o aumento da população idosa,o Estado brasileiro, que financia e administra sistemas publicos de saúde e de previdência social,deverá se preparar,além das aposentadorias,investimentos em asilos e casa de repous.Idosos Não CUIDADOS POR FAMILIARES VAI TRIPLICAR,infelizmente.

    1. Prezada Izanete,
      vivo isso na minha vida cotidiana. Porém, tenho dúvidas a respeito da possibilidade de O Estado virar também Cuidador de Idosos e resolver todos os problemas pessoais, familiares e empresariais. Acho que O Mercado que atenderá essa demanda de algumas famílias. Há algumas iniciativas particulares para explorar esse mercado potencial, porém as Casas de Repouso de boa qualidade são caríssimas. Outras mais baratas são de péssima qualidade. Faltam ainda incentivos, concorrência e regulação.
      att.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s