Preparação Financeira para Aposentadoria

Nova realidade da Previdência Complementar

Antonio Perez e Karla Spotorno (Valor, 19/03/13) avaliam que “a queda da taxa de juros para o menor nível da história abalou os alicerces do mundo dos investimentos no Brasil. Ainda meio atordoado pela redução aguda da rentabilidade das aplicações financeiras simples e de alta liquidez – como fundos DI e Certificados de Depósito Bancário (CDBs) de grandes instituições -, o investidor precisa refazer as contas e ajustar a rota se quiser alcançar o rendimento a que estava habituado. O desafio é maior para quem já está na reta final para a aposentadoria e tem que alterar planos traçados há 10 ou 15 anos. Quem já passou da casa dos 50 anos e se imaginava muito próximo de viver confortavelmente com o dinheiro acumulado durante décadas de trabalho experimenta uma espécie de tensão pré-aposentadoria“.

Muita gente está angustiada, porque fez o planejamento para a aposentadoria contando com juros altos. As pessoas estão se dando conta de que, se não mudarem seus investimentos, não vão conseguir se aposentar com a renda que desejam.

Imagine, por exemplo, um indivíduo de 50 anos que possui reservas de R$ 500 mil, poupa mensalmente R$ 1.500 e quer se aposentar aos 65 anos com renda mensal de R$ 10 mil. Com taxa de juros real (descontada a inflação) de 2% ao ano, terá, daqui a 15 anos, R$ 984,4 mil. Parece muito, mas não é. Remuneradas também a uma taxa real de 2% ao ano, essas reservas vão se exaurir em nove anos, ou seja, aos 74 anos, o indivíduo não terá mais dinheiro para se sustentar. E a expectativa de vida dos homens, segundo o mercado segurador, é de 86,4 anos. As mulheres chegam, em média, aos 89,7 anos, pela tábua atuarial BR-EMS de 2010. No mundo dos juros altos, com a Selic rondando os 12% e taxa real por volta de 6%, o quadro era confortável. Após 15 anos, os R$ 500 mil iniciais teriam se transformado em R$ 1,621 milhão. As reservas terminariam quando a pessoa completasse 91 anos.

Mesmo que o Banco Central (BC) inicie este ano um processo de alta da Selic (hoje em 7,25%), como esperado por parte dos analistas, a taxa não voltará ao patamar de 12%. Mais: a inflação deve permanecer acima do centro da meta (4,5%), o que manterá os juros reais comprimidos. Em um cenário de alta da Selic, o investidor poderá contar com um juro real de, no máximo, 4% ao ano nas aplicações mais conservadoras. E isso se fizer retiradas anuais, em vez de saques todos os meses. No curtíssimo prazo, a renda fixa tende a perder da inflação.

No caso do candidato à aposentadoria descrito no exemplo, com taxa de 4% ao ano, o dinheiro terminaria quando ele completasse 78,6 anos, bem antes dos 86,4 anos da expectativa de vida estimada pelas seguradoras. Mas o investidor não deve contar com juro real de 4%. O Brasil está em um caminho sem volta para a convergência para níveis próximos aos vistos em países desenvolvidos.

Diante do novo cenário, o investidor precisa se mexer. Para os conservadores, o primeiro passo é diversificar na própria renda fixa. Entram no cardápio fundos deste tipo com crédito privado (debêntures), Fundos Imobiliários e papéis como Letras de Crédito Imobiliário (LCI), os dois últimos com isenção de Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos. Os mais arrojados podem destinar uma parcela maior para Fundos de Ações com foco no longo prazo. As pessoas vão ter que se acostumar com a oscilação da renda variável no curto prazo para alcançar o objetivo lá na frente. Quem estava no fundo DI ou no CDB pode começar a diversificação migrando para Fundos Imobiliários.

Esses conselhos valem, contudo, para quem está há 15 ou 10 anos da data programada para a aposentadoria. Para quem vai se aposentar em cinco anos ou menos, aumentar o risco do portfólio com a renda variável é muito perigoso. Pode faltar tempo para recuperar uma eventual perda. A alternativa mais segura é elevar a poupança mensal. Vários estudos já mostraram que poupar mais tem um impacto maior no resultado que um ganho de 1 ou 2 pontos percentuais a mais na rentabilidade.

Também é possível adiar a aposentadoria e continuar contando com a remuneração regular. Essa foi a opção de logo depois de se aposentar, percebe que será muito difícil depender apenas da aposentadoria pública e da renda dos planos de previdência PGBL e VGBL com os quais contribuiu. É então que decide voltar ao mercado de trabalho até conseguir uma recolocação. Trabalha em período integral e não tem planos de voltar a se aposentar tão brevemente. O motivo é o orçamento doméstico. Ele descobre que os gastos não ficam muito menores nessa fase da vida, quando, por exemplo, os filhos estão adultos e o financiamento habitacional, quitado. Os que sempre gostaram de viajar, ir ao teatro, ao cinema, de comprar livros, quer aproveitar, porque não tem mais idade para ficar adiando meus planos. Seu futuro é agora. E, trabalhando, consegue manter seu padrão de vida.

Para quem não quer adiar a data de aposentadoria, a caminhada ideal rumo a um futuro confortável deve reunir um esforço conjunto de diversificação das aplicações financeiras e aumento do esforço mensal de poupança. Não há uma solução única. É preciso combinar as variáveis para conseguir a renda esperada sem correr muitos riscos.

Isso fica evidente no exemplo do investidor de 50 anos, com reserva de R$ 500 mil, poupança mensal de R$ 1.500 e renda de R$ 10 mil na aposentadoria. Com taxa real de 2%, o dinheiro acaba em nove anos. Se elevar a contribuição mensal para R$ 2.500 e conseguir juro real de 4%, terá recursos por mais 17 anos.

Essas simulações não levam em conta a aposentadoria pública. Se o indivíduo receber o teto do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), de R$ 4.157,05, teria de conseguir complementar, no exemplo acima, com retiradas mensais R$ 5.843 para atingir a renda mensal de R$ 10 mil. No caso da taxa de juros reais de 2% ao ano, as reservas se esgotariam quando a pessoa tivesse 81,5 anos. A partir daí, contaria apenas com o valor do INSS. Caso consiga um juro real de 4%, esse investidor teria renda mensal de R$ 10 mil até os 97 anos.

Mas nem todos conseguirão se aposentar pelo teto do INSS. E há sempre a ameaça de uma reforma da Previdência Social, embora esta provavelmente não atingirá direitos adquiridos. Estamos mudando de um modelo em que o Estado era responsável pela aposentadoria para um em que o indivíduo responde. Portanto, é recomendável ter três fontes de renda. Além do INSS e da previdência complementar, uma reserva financeira própria (ou imóvel para alugar), capaz de gerar rendimentos periódicos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s