Investidor-Anjo

Investidor-Anjo

Marcel Gugoni (FSP, 21/07/13) informa que o investimento-anjo, aquele feito por pessoas físicas em empresas iniciantes, atrai executivos interessados em fazer apostas financeiras mais arriscadas dos que as da Bolsa de Valores, mas com retornos maiores se o negócio der certo. Mas essa atividade vai além do dinheiro.

A associação Anjos do Brasil, que reúne pessoas que fazem aportes nessas companhias, estima que existam 6.300 anjos no Brasil. A expectativa é que esse número cresça 20% neste ano.

É preciso ter em mente que esse tipo de investimento é diferente de aplicações como a renda fixa ou a Bolsa, porque não é só o dinheiro que conta. O papel do anjo é mais apoiar a empresa a partir da sua própria experiência profissional. Hoje, esses investidores brasileiros dedicam, em média, 25% do seu tempo à atividade.

Esse tipo de aporte “não deve ser algo para ganhar dinheiro”. A satisfação estaria em ajudar a criar novos negócios, fazer contatos e abrir as portas.

O montante inicial para uma empresa nascente pode variar entre R$ 100 mil e R$ 300 mil. A fatia do investidor na companhia acaba sendo minoritária, de 20% a 30% de participação.

Para quem faz o aporte, o importante é que o recurso não tenha destinação de curto prazo. O risco de a empreitada dar errado é grande.

E, em uma empresa iniciante, nem sempre o prejuízo é sinônimo de que os negócios estão indo mal. Como é preciso crescer rápido, a preocupação com o lucro fica em segundo plano.

Uma das métricas usadas para avaliar se a companhia está crescendo é a relação de quanto um cliente gera de receita para a empresa diante de quanto custou para conquistá-lo.

Isso serve para verificar se o resultado gerado é maior do que o dinheiro investido, ou seja, se o negócio tem futuro.

A primeira orientação é saber escolher um negócio. Para os especialistas, o Brasil tem potencial de crescimento porque há mercados abertos para negócios inovadores. Entre as áreas atraentes aparecem tecnologia da informação, aplicativos móveis, saúde e e-commerce.

Associações como Anjos do Brasil Endeavor e Gávea Anjos promovem encontros para que empreendedores mostrem aos investidores suas ideias.

O investidor Sylvio Mode, 47, que se tornou anjo após uma carreira em empresas de tecnologia, diz que o mais indicado é buscar setores em que já se tenha conhecimento. “Isso permite avaliar o risco e o potencial daquele negócio e contribuir de forma mais efetiva para o sucesso da empresa, com conselhos ou contatos.”

Mode diz que o anjo tem três perguntas básicas para avaliar qualquer negócio.

  1. qual problema o novo negócio busca resolver?
  2. o que faria os clientes trocarem os atuais serviços e produtos por causa da novidade?
  3. como ganhar dinheiro com a empresa?

“Vale analisar a equipe que oferece o projeto, porque ela tem de estar preparada para isso, ter experiência no mercado em que quer atuar.”

Também é preciso buscar assessoria jurídica antes de fechar o contrato.

Uma cláusula bastante usada é a possibilidade de o investidor vender toda a participação ao empreendedor por R$ 1. Com isso, perde-se o capital, mas o anjo não fica preso ao negócio se ele der errado.

Isso pode evitar a cobrança de passivos trabalhistas, como salários de funcionários e outras dívidas, que afetam o patrimônio do anjo.

“O investidor precisa ter cuidado com relação à sua pessoa física”, diz Marcelo Nakagawa, do Centro de Empreendedorismo do instituto de ensino Insper. “Muitas vezes, seus bens pessoais podem ser bloqueados para honrar dívidas.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s