Max Weber e os Tipos Ideais

Max_Weber_1894

Em sua obra inacabada, Economia e Sociedade, Max Weber (1864-1920) fez uma tentativa de descrever o funcionamento da sociedade, bem como um método pelo qual uma nova disciplina, a Sociologia, poderia avançar. Um dos métodos de estudo de Weber era o uso de noções abstratas como os “tipos ideais”.

Semelhante a uma caricatura, um tipo ideal exagerava as principais características e reduzia as menos importantes, visando esboçar a verdade subjacente. Essa abordagem era chave para o método de Weber, permitindo-lhe entender as partes complexas da sociedade por uma versão simplificada.

O papel do sociólogo, em seu entendimento, seria construir e analisar os tipos ideais baseado na observação da realidade. Isso contrastava com Karl Marx, que tentava deduzir o funcionamento da sociedade capitalista em sua lógica interna, ou “lei de movimento”, em vez da observação direta.

A sociedade, argumentava Weber, somente poderia ser entendida baseando-se em suas partes constitutivas, em primeira instância, os indivíduos. Estes agiam, coletivamente, de maneira complexa, mas poderiam ser entendidos pelo sociólogo.

Os indivíduos possuíam uma capacidade de agir, e suas ações seriam definidas por sua visão de mundo. Tais visões emergiriam de um entendimento coletivo, tal como o religioso ou o político.

Em Economia e Sociedade (1910-1921), Weber desenvolveu a ideia do “espírito capitalista do protestantismo individualista”, lançada em obra anterior – A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1904) –, distinguindo entre tipos de crença religiosa e analisando as maneiras como os indivíduos conseguem desempenhar ações sociais. Eles usam uma ampla variedade de estruturas de crenças.

Uma vez criadas as estruturas coletivas, disse Weber, elas talvez não funcionassem como facilitadoras, ao expandir a liberdade humana, mas como obstáculos. É por isso que ele falou das pessoas como engrenagens em uma máquina.

As estruturas de crenças que as pessoas criam também restringem suas ações, produzindo outros efeitos: os protestantes eram induzidos a trabalhar, mas também a evitar o consumo, e sua poupança teria criado o capitalismo. Esta proposição foi criticada em: Poupança: Economia Normativa Religiosa.

Em síntese, para fins sociológicos, não há uma personalidade coletiva que age. Os indivíduos agem coletivamente de maneira complexa, mas inteligível, porque suas ações são moldadas por suas visões de mundo. Pontos de vistas individuais se juntam e formam entendimentos coletivos, como no caso da religião. Mas as estruturas sociais, criadas por esses entendimentos coletivos, podem limitar as liberdades individuais. Concluindo, o indivíduo é uma simples engrenagem em um mecanismo social em movimento.

As principais análises de Weber sobre o campo econômico podem ser encontradas no segundo capítulo de Economia e Sociedade, tópico em que ele discute a ordem social e econômica. Ali, ele destaca que o processo de racionalização da atividade econômica também envolve a passagem de uma racionalidade material – na qual a vida econômica está submetida a valores de ordem ética ou política – para uma racionalidade formal, ou seja, na qual a lógica impessoal das atividades econômicas e e lucrativas se torna predominante.

Por estas razões, Max Weber é considerado, atualmente, um dos precursores da Sociologia Econômica, conjunto de autores que se recusa a entender a vida econômica como relacionada apenas com o mercado, concebido de forma abstrata, separado de suas condições históricas, culturais e sociais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s