Planejamento da Vida Financeira

Aposentados 02

Ana Paula Ragazzi (Valor, 11/12/13) informa que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) estuda criar um comitê com cientistas, médicos, profissionais de educação e psicólogos para discutir questões de educação financeira. A ideia é ouvir essas pessoas para saber como o investidor toma as suas decisões e, a partir daí, traçar uma plano de ação. A CVM participou de seminário sobre Finanças Comportamentais, na véspera, no Rio.

Uma melhor compreensão do que influencia o comportamento do investidor se mostra fundamental para os reguladores do mercado de capitais. Passada a crise, a fase atual é de entender a importância do mercado de capitais para o desenvolvimento da economia, mas para tanto é preciso segurança nos mercados, que só virá com educação. A CVM assumiu o compromisso de colocar esse tema na agenda do planejamento estratégico para os próximos dez anos.

A CVM e o Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) anunciaram um convênio para promoção da Educação dos Investidores, por meio de palestras, cursos e oficinas, com foco no planejamento financeiro. O diretor da Anbima e presidente do IBCPF destacou a importância de trabalhar a educação não só do investidor, mas do agente que o auxilia no processo de investimento.

Ele destacou ainda que, no âmbito da Iosco, entidade que reúne reguladores de mercado de diversos países, discute-se uma política global de educação, que deverá ser aplicada pelos participantes segundo a realidade de cada país.

Em apresentação no seminário, Mary Condon, vice-presidente da Ontario Security Commission (OSC), disse que nos mercados existem múltiplos comportamentos e faz parte dos estudos descobrir com qual deles é preciso se preocupar. Ela ressaltou que as pessoas de classe média estão cada vez com mais dinheiro para investir e, portanto, com maior acesso ao mercado. Por essa razão, também é sempre bom avaliar quem é o investidor que se deve proteger.

Só com investimentos contínuos em educação financeira e proteção ao investidor é possível ter um resultado efetivo, independentemente de o mercado estar bom ou ruim. Os reguladores não devem olhar somente para casos isolados. Em todos os mercados, há episódios bons e ruins. Os casos ruins existem para que se possa refletir, mas não desanimar.

A CVM deverá iniciar discussões mais profundas sobre mudanças na Instrução 409, que regula os fundos. Entre os debates com a Anbima está a criação de fundos de baixo custo. Está em discussão a ampliação do acesso aos produtos, reduzindo burocracias. Outra pauta envolve alterações nos critérios para definição de investidores qualificados e superqualificados.

Aquiles Mosca é estrategista de investimentos pessoais e superintendente executivo comercial do Santander Asset Management. É autor dos livros “Investimento sob medida” e “Finanças Comportamentais“. Em artigo (Valor, 11/12/13), ele alerta que uma pesquisa da consultoria Nielsen chamou a atenção ao revelar que, na América Latina, o Brasil é o único país onde primordialmente as pessoas gastam o dinheiro que sobra ao invés de poupá-lo. Lazer, roupas novas e bens de consumo aparecem como destinos prioritários para os recursos que não são gastos ao longo do mês. Em contrapartida, em países como Chile, México e Argentina, a prioridade é dada para a poupança, isso é, para a conquista de liberdade financeira no futuro.

Em uma enquete que Mosca realizou para uma revista financeira em 2010, e novamente no início de 2013, perguntou para uma amostra representativa da nova classe média a razão de se poupar tão pouco no Brasil. A resposta número 1 foi: “eu não ganho o suficiente para poupar“. Se isso fosse verdade, todo país com baixa renda per capita deveria ter baixas taxas de poupança. No entanto, não é isso que os dados revelam. [Mosca confundi conceitos ao agregar “poupanças financeiras individuais” e achar que a “poupança da Contabilidade Nacional a reflete.] Uma série de países emergentes com rendas iguais ou inferiores à brasileira apresentam taxas de poupança bem superiores à nossa, tanto na Ásia como na América Latina.

Colocar algo que está fora de nosso controle direto (o quanto ganhamos) como motivo para não poupar soa razoável, mas embute a raiz do verdadeiro problema: ser incapaz de controlar as despesas para que sejam compatíveis com a conquista de independência financeira. Decidir gastar ou não em lazer, roupas novas e bens de consumo diversos está 100% sob nosso controle, embora não seja visto como a principal razão para não poupar e investir. Esse impulso pelo consumo tem razões diversas. Boa parte da nova classe média, foco da pesquisa mencionada, por muito tempo não teve acesso à bancarização, ao crédito e, consequentemente, a um patamar de consumo que agora está acessível.

Estudos recentes de Neuroeconomia, cadeira que estuda como nosso cérebro processa informações e toma decisões, sugerem que precisamos trabalhar no esforço de Educação Financeira com base nas funções desempenhadas pelas diferentes regiões do cérebro para obter resultados eficazes. Em linhas gerais, questões urgentes e de curto prazo são tratadas pelo sistema límbico. Essa região do cérebro lida com emoções primitivas como fome, frio, medo, desejo sexual, dentre outras, e está diretamente ligada à tomada de atitudes, como fugir ou brigar. Por outro lado, o neocórtex, trabalha temas que exigem raciocínio abstrato mais complexo, como operações matemáticas de divisão, planejamento de longo prazo etc. A questão é que há pouca ou fraca ligação entre essa região e o sistema límbico, no qual as decisões e atitudes são efetivamente levadas à prática. Dito isso, para que consigamos mobilizar uma pessoa para priorizar a poupança e os benefícios que trará no futuro, precisamos trazer uma noção de urgência concreta, de tal forma que esse tema seja tratado pelo sistema límbico e uma atitude seja realmente tomada.

Alguns fatos podem ser valiosos para ajudar a criar essa noção de urgência e trazer o tema para a região do cérebro que nos fará agir. Em primeiro lugar, há um grande erro de estimação por parte da maioria das pessoas quanto à renda que precisarão ter no momento da aposentadoria. A maioria imagina que, se for capaz de cobrir 70% a 80% dos seus gastos atuais, terá uma aposentadoria segura e tranquila. Contudo, os dados apontam que o padrão de despesas após a aposentadoria aumenta para 110% a 115% daqueles observados no final da vida ativa. Isso ocorre principalmente pelos gastos com saúde (medicamentos, tratamentos, planos de saúde etc) e, de forma secundária, pela subestimação dos gastos com lazer e tempo livre. Ou seja, prepare-se. Gastaremos mais aposentado do que na vida ativa.

Em segundo lugar, estamos vivendo por mais tempo. A expectativa de vida média do brasileiro vem crescendo com consistência ao longo das últimas década e o risco aqui é viver mais do que nossos recursos financeiros. E, em terceiro lugar, os filhos, que geralmente atuaram como a “previdência” dos pais nas últimas gerações, são cada vez menos numerosos. Se 30 anos atrás cada casal tinha, em média, 4 filhos, esse número hoje é de 1,7 filho por casal. O que quer dizer que o peso financeiro dos pais que não conseguem se sustentar após a aposentadoria recai hoje sobre um número menor de filhos, dificultando a conquista de independência financeira por esses. Uma verdadeira bola de neve que propagará esse ciclo vicioso para outras gerações. Não me parece um legado interessante para se deixar a filhos e netos.

Por fim, não custa mencionar que o benefício médio pago pela previdência oficial, o INSS, não cobre os custos fixos de uma família de classe média, conforme demonstrado pelo padrão de gastos da última pesquisa de orçamento familiar do IBGE. Não se mobilizar para tomar uma atitude que construa sua liberdade financeira por meio da poupança disciplinada e estruturada ao longo do tempo tem quatro consequências bem concretas para você e sua família:

1) Você terá que continuar trabalhando após a idade ideal de aposentadoria (diversos estudos mostram que isso impacta negativamente sua expectativa de vida);

2) Você será obrigado a rebaixar seu padrão de consumo e de vida, distanciando-se dos hábitos e prazeres que desfrutava durante a vida ativa;

3) Você será um peso financeiro para seus filhos e tornará ainda mais difícil o processo de conquista de liberdade financeira por eles;

4) Você viverá uma combinação dos três pontos acima, que é o mais comum no Brasil de hoje (continuará trabalhando, terá rebaixado o padrão de vida de toda a família e será um peso financeiro para as gerações seguintes). Os pontos mencionados deveriam ativar o sistema límbico de qualquer um com um mínimo de consciência e responsabilidade, se não consigo, pelo menos, para com filhos e netos.”

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s