Aposentadoria: Conceito Ultrapassado por Pós-Carreira Profissional

Pós-Carreira Profissional

Em um modelo criado e patenteado pelo Itaú, para ajudar o investidor a decidir quanto precisava poupar para a aposentadoria, batizado de 1, 3, 6, 9, a regra de bolso ensina que, para uma velhice tranquila, é preciso ter acumulado um ano de renda até os 35 anos de idade, três anos até os 45, seis anos até os 55 e nove anos até os 65. Por exemplo, quem ganha R$ 300.000 / ano (ou R$ 25.000 / mês), teria então de ter patrimônio de R$ 2.700.000 aos 65 anos. Como, no Private Banking (saldo acima de R$ 3 milhões), em março de 2014, havia apenas 55.104 investidores, é provável que, nessa regra de bolso, considera-se também o patrimônio imobiliário, além do financeiro, lembrando-se que a liquidez da casa própria reduz-se à troca de uma maior para casal e filhos por um apartamento para casal ou viúvo(a).

Karla Spotorno (Valor, 03/09/14) informa que a falta de um projeto para a aposentadoria é comum entre os brasileiros por fatores culturais. As pessoas ainda são educadas a seguir roteiros preestabelecidos e a buscar um emprego em vez de empreender, aponta Renato Bernhoeft, da consultoria höft. Ele observa que as famílias estimulam os filhos a conquistar uma carreira numa empresa grande ou mesmo a fazer um concurso público.

Para Denise Mazzaferro, sócia da consultoria Angatu IDH e mestre em gerontologia pela PUC-SP, “a grande questão é que quem deve construir a história da sua vida é você“. Apesar disso, considera ela, alguns pais ainda dizem o que o filho deve fazer, e as empresas continuam sendo vistas como responsáveis pela carreira do profissional.

Essa passividade foi o que motivou o especialista em Finanças Pessoais Gustavo Cerbasi a escrever seu 12º livro. “Adeus, Aposentadoria” foi lançado mês passado, depois de uma lenta gestação de quase sete anos. Ao longo de todo esse tempo, Cerbasi observou uma repetição no comportamento das pessoas que o procuravam depois de palestras ou quando ainda prestava consultoria. “Muitos poupavam para a aposentadoria, mas estavam descontentes, porque sabiam que economizavam menos do que poderiam, não gostavam de poupar e entendiam que a poupança não era o suficiente“, conta.

Talvez por conta desses relatos, Cerbasi decidiu começar seu livro de forma apocalíptica. Ele escreve: “Esqueça tudo o que você já ouviu falar sobre aposentadoria. Aliás, esqueça a ideia de se aposentar. Aposentadoria, no sentido que o senso comum dá a essa palavra, é um conceito ultrapassado“.

O conceito nasceu, realmente, no século retrasado. Foi na década de 1880, quando o chanceler alemão Otto von Bismarck criou o primeiro sistema de pagamento de pensão a trabalhadores. “O modelo bismarckiano foi criado em uma época em que as pessoas trabalhavam até poucos anos antes de morrerem”, conta Kylza Estrella, geriatra e diretora técnica do Grupo Santa Celina. Nem é preciso voltar tanto tempo para entender que as pessoas vivem muito mais hoje. Em 1980, os brasileiros tinham uma esperança de vida ao nascer de 62,6 anos, segundo o IBGE. Em 2013, esse número subiu para 74,23 anos.

Se considerarmos a expectativa de vida que serve de referência no mercado nacional de seguros de vida e previdência, o homem brasileiro, que faz seguro de vida, vive em média até os 86,4 anos e a mulher, até os 89,7 anos — obviamente, não porque fez seguro… Considerando que um trabalhador se aposenta aos 65 anos, somam-se aí 21 anos. É um bocado de tempo. É suficiente para o indivíduo, na primeira fase da vida, crescer, se desenvolver, cursar toda a escola e, eventualmente, até se formar na faculdade.

No caso da mulher que se aposenta aos 60 anos, são quase 30 anos. É muito tempo para ficar sem nenhum interesse ou agenda mais assertiva. “Sem fazer nada, o declínio das capacidades vitais [entre elas, as intelectuais, como memória e agilidade no raciocínio] acontece muito rapidamente”, afirma Kylza, doutora em planejamento de saúde com foco na terceira idade.

A mulher, contudo, tem mais facilidade para viver essa etapa, na avaliação de Bernhoeft e de Denise, da consultoria Angatu IDH. Eles explicam o porquê. “Geralmente, elas não dedicam 100% do seu tempo ao trabalho, como ocorre com muitos homens. Cuidam da casa, da família, dos filhos”, diz. Relacionam-se com os vizinhos, com a sogra, com as professoras da escola, com as mães dos amigos dos filhos. Já quem não tem outra atribuição tende a perder a sua identidade social quando para de trabalhar. É o sujeito que fica em casa sem se reconhecer naquele ambiente doméstico em que passava poucas horas do dia, a maioria delas dormindo. Há quem perca até o círculo de amizades, caso todas estejam atreladas ao trabalho.

A falta de uma rede de apoio e de atribuições fica ainda mais preocupante quando se percebe a transformação socioeconômica que o Brasil vive. O modelo tradicional ao qual o brasileiro está acostumado – em que os idosos contam com a ajuda financeira ou moram com os filhos – está ruindo.

Denise ilustra bem essa situação citando a foto da família brasileira de antigamente e a de hoje. Há algumas décadas, o retrato mostrava dois ou três idosos, o triplo de adultos e uma dúzia de crianças. Hoje, o modelo de núcleo familiar é 4-3-1, segundo a especialista. São quatro avós, três pais, dados os divórcios seguidos de novos casamentos, e apenas um filho. Nem é preciso perguntar se esse um vai conseguir sustentar ou abrigar em sua casa tanta gente. Esse novo arranjo pode ser visto nas estatísticas do IBGE como uma tendência. Segundo o instituto, a taxa de fecundidade (quantos filhos uma mulher tem) cai ano a ano no Brasil. Era 2,39 em 2000 e 1,64 em 2013.

Mas não é só a mudança na estrutura familiar que impacta o arranjo para cuidar dos idosos. Nas cidades grandes, os imóveis novos são, na média, menores do que antigamente. Em muitas casas, não há uma pessoa disponível para ser o cuidador. As mulheres, que geralmente exercem essa tarefa, vêm ganhando maior importância no mercado de trabalho.

Em relatório do fim do ano passado, os pesquisadores do IBGE afirmam que “as estatísticas mais recentes sobre as mulheres brasileiras mostram que, cada vez mais, elas estão presentes no mercado de trabalho”. O resultado dessa emigração feminina é que 38% dos domicílios no Brasil dependem principalmente da renda feminina. Em 1991, essa fatia era de apenas 18%.

A preocupação com o cuidado dos mais velhos é essencial quando se observa um número clássico da geriatria, mencionado pela médica Kylza. Cerca de 60% dos idosos têm entre três e quatro doenças crônicas. “No envelhecimento, saúde tem um conceito muito maior do que ter ou não uma doença. Falamos em preservação da autonomia e da independência“, afirma a geriatra.

O primeiro passo para viver bem as últimas décadas de vida, na avaliação de Cerbasi, é não entender essa fase como o “grand finale” de uma longa jornada. Aposentar-se não é o fim. É o começo de um novo ciclo, ele diz em tom de autoajuda. “A aposentadoria não pode mais ser vista como a grande conquista da carreira e de uma vida inteira. É o momento para começar algo. Pode ser tanto trabalhar em cima do patrimônio conquistado ao longo dos anos como empreender em uma nova frente”, afirma.

No livro, Cerbasi propõe que as pessoas empreendam. Isso não significa dizer que todo aposentado precisa montar um negócio. Quem não está preparado nem deve, diz o autor.

Walter Tommasi, o aposentado de 63 anos do início da reportagem que, como ele mesmo destacou, construiu uma vida além da carreira profissional, tentou. Depois de três anos publicando uma revista denominada “Free Time” sobre gastronomia, cultura, lazer, o aposentado e empreendedor decidiu fechar as portas. Ele conta que a revista não dava prejuízo. O problema é que não dava lucro e ainda gerava incômodos. Assim, optou por continuar fazendo apenas o que gosta. Regularmente, escreve sobre vinhos para outras publicações e organiza degustações, atividades pela quais é remunerado. “O que eu digo é que a pessoa deve ter uma atitude empreendedora. Só para dar um exemplo, pode dedicar mais tempo para cuidar dos imóveis que tem alugados“, diz Cerbasi.

A bandeira levantada por Cerbasi e as discussões propostas por Bernhoeft e Denise vêm, gradualmente, ganhado novos interlocutores e audiências. No cinema, alguns filmes discutem a situação do idoso, como é o caso de “E se vivêssemos todos juntos” de 2010. No ano passado, a antropóloga Mirian Goldenberg lançou o livro “A Bela Velhice“, em que mostra um envelhecimento com liberdade e beleza. “É um novo imaginário despontando e que começa a deixar para trás a representação sombria da velhice”, diz Fátima Belo, empresária de pesquisa de comportamento e curadora do curso “Top Agers – A Alta Maturidade e suas Descobertas“, programado para outubro na Casa do Saber. São novas representações, como se refere Fátima, que podem servir de inspiração para quem começa a refletir sobre o seu próprio amadurecimento.

Aí vem a segunda boa conclusão citada no início da reportagem. É possível fazer isso agora. Quem fez essa reflexão, caso do aposentado feliz na foto da primeira página do caderno, garante: “Pode até parecer meio arrogante. Mas a vida que eu levo hoje é fantástica. Se eu soubesse [que iria ser assim], teria me aposentado antes“.

 

2 thoughts on “Aposentadoria: Conceito Ultrapassado por Pós-Carreira Profissional

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s