Ações de Robin Hood da Caixa: Inseparáveis

 

Resultado e Composição do PL da CaixaA reportagem, entre as que eu li, que mais “coloca-o-dedo-na-ferida” em relação à hipótese de abertura de capital da Caixa, lançando ações no mercado primário e/ou vendendo parte de 100% das ações hoje detidas pelo Tesouro Nacional (ainda não foi definido), é a de Fernando Torres (Valor, 05/01/15).

A questão-chave, seja vista como ideológica, seja vista como jurídica, a meu ver é: cabe extrair lucro privado, diretamente, de dinheiro público?

Torres argumenta que, “antes de a União pensar na abertura de capital da Caixa Econômica Federal, precisa separar:

  1. a atividade bancária propriamente comercial, e
  2. as ações de governo promovidas por meio da instituição.

Mas o risco real nesse caso é descobrir que, com as taxas reduzidas que cobra em empréstimos e serviços, a Caixa não dá lucro como banco. Só quando age no papel de agente do governo.”

FNC: É muito difícil separar, precisamente, as “ações de Robin Hood” da Caixa: transferir ganhos com “os ricos” (ações comerciais) para subsidiar os pobres (ações sociais). Na realidade, muito do que ela ganha, aplicando dinheiro que é patrimônio dos trabalhadores (FGTS) ou dos que reividicam justiça (depósitos judiciais), é revertido para os necessitados de subsídios sociais para aquisição de Habitações de Interesse Social. Em outros termos, os ganhos em Tesouraria permitem o oferecimento de “produtos sociais” no ponto-de-equilíbrio, pagando todas as despesas e remunerando o controlador, porém sem a maximização do lucro como buscam sempre os bancos comerciais privados.

Contribuições das RPS para Resultados dos Bancos

Obs.: observem,  no gráfico acima, que um grande diferencial entre bancos públicos e privados está na compensação por Rendas de Administração de Fundos Sociais (FGTS, FAT, FCO, FNE, FINOR, etc.), Programas Sociais e Loterias (barra roxa: R$ 6,4 bilhões em junho de 2013) e Rendas de Serviços de Arrecadações e Convênios (barra verde escuro: R$ 3,1 bilhões em junho de 2013), para os bancos públicos, suas menores Rendas de Tarifas Bancárias, Rendas de Cartão de Crédito e Rendas de Administração de Fundos de Investimentos. Continue reading “Ações de Robin Hood da Caixa: Inseparáveis”

Abertura do Capital da Caixa: Nova Privatização a la Brasileira?

Principais Números da CaixaIndicadores Bancários Comparados

Capital Próprio e Índice de Basiléia set 2014Pediram-me para eu opinar sobre tema que ainda está na fase de “colocar o bode na sala”. Se seu cheiro estiver desagradável, retira-o… E todos viverão felizes prá sempre!

Portanto, não emitirei minha opinião agora, quando ainda não há informações fidedignas. Prefiro aguardar mais para verificar a veracidade da intenção. A escolha do Conselho Diretor da Caixa será um indicador mais veraz sobre a venda de parte de suas ações. Por ora, compartilho informações publicadas a respeito, mapeando alguns incentivos e empecilhos.

Alex Ribeiro (Valor, 23/12/14) informa que os estudos no governo para a abertura do capital da Caixa Econômica Federal apontam para a venda de uma fatia entre 20% e 25% do banco federal, com uma possibilidade de levantar algo na faixa dos R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões até 2016, de acordo com fontes [?] com conhecimento das discussões.

O projeto da abertura do capital da Caixa surgiu originalmente quando Antônio Palocci era ministro da Fazenda e, nos últimos anos, ficou “em banho maria”. [FNC: Informação provavelmente falsa, pois nunca chegou ao Conselho Diretor da Caixa na época.] A ideia voltou a ganhar força há alguns meses, quando o governo passou a procurar alternativas para reforçar o caixa do Tesouro Nacional diante do quadro fiscal mais desafiador.

A nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff recebeu a proposta com ceticismo. A reação inicial dos ministros é que será preciso colocar recursos do Tesouro para sanear as contas da Caixa. Dependendo do valor, a venda pode não ser tão vantajosa quanto parece agora.

A operação poderá ser também mais um indutor para aprimorar a governança da Caixa. [Leia-se: criar barreira para a nomeação de apadrinhados políticos.] O grande exemplo é o Banco do Brasil, que criou sua tradição de prestar contas aos acionistas minoritários, sobretudo desde 1996, quando recebeu um socorro do Tesouro de R$ 8 bilhões e passou por uma reformulação interna. Continue reading “Abertura do Capital da Caixa: Nova Privatização a la Brasileira?”

Guia para Comprar Smartphone

Smartphone

Joanna Stern (WSJ, 02/01/15) publicou um guia para comprar o melhor smartphone. Pode ser útil para muitos internautas. Compartilho-o.

Agora é a melhor época do ano para comprar um smartphone. Todos os fabricantes lançaram seus melhores produtos para as compras de fim de ano e alguns podem ser encontrados em preços realmente baixos. E nenhuma novidade deve surgir antes de abril.

Depois de testar 25 smartphones novos, e avaliar tudo desde vida da bateria a qualidade da chamada ao desempenho da câmera, eu fiz minha lista dos melhores. Esses são os únicos que você deve considerar na hora da compra. Continue reading “Guia para Comprar Smartphone”

Uso Inteligente de Celular Inteligente?

Uso de celular inteligente

O estudo mostra que a maioria dos usuários prefere conteúdo gratuito e costuma usar até dez aplicativos diariamente, mesmo que tenha mais arquivos instalados no celular. É mais comum um aplicativo ser desinstalado porque apresenta travamento e problemas técnicos do que por dificuldades de uso, por ser inferior a um concorrente ou porque o usuário cansou dele.

As redes sociais eram acessadas por 81% dos 1,8 mil entrevistados pela Nielsen Ibope em outubro. Em setembro de 2013, representavam 77% da amostra. Serviços de e-mail, vídeos, notícias, músicas e portais também conquistaram boa audiência.

Continue reading “Uso Inteligente de Celular Inteligente?”