Avanços dos Deveres da Cidadania X Atraso Econômico

COMPERJ em Itaboraí

André Ramalho, Francisco Góes e Rodrigo Polito (Valor, 02/01/15) informam que a decisão da Petrobras de afastar temporariamente de suas licitações as empresas dos 23 grupos econômicos citados na Operação Lava-Jato poderá impactar de forma negativa não só futuras concorrências, mas também representar dificuldades extras para a conclusão de obras importantes em andamento, como as refinarias Abreu e Lima (Rnest) e o Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj), previsto para entrar em operação em 2016.

Tratam-se de dois investimentos de peso da estatal. A Rnest, para processar 230 mil barris ao dia, tem investimento total da ordem de US$ 20 bilhões. Já a obra do Comperj (foto), que produzirá 165 mil barris no primeiro trem de refino, está orçada em US$ 13,5 bilhões.

O bloqueio cautelar anunciado na última semana de 2014 contra os 23 grupos empreiteiros apontados como participantes de um “cartel” na operação Lava-Jato, da Polícia Federal, não só reduz as opções de fornecedores no mercado, como ainda deve render recursos por parte das empresas envolvidas. E pode tornar ainda mais morosa, na avaliação de fontes do mercado, a missão de concluir ao menos quatro projetos a curto prazo. Continue reading “Avanços dos Deveres da Cidadania X Atraso Econômico”

Ondas Anticorrupção: Aqui e na China!

Onda Anticorrupção

Verificar as (boas e más) experiências alheias é uma maneira de evitar erros já cometidos por outros. É o direito de cometer os próprios erros!

Como equilibrar as decisões entre não deixar impunes os corruptos e os corruptores e não atrasar os cronogramas de obras públicas de infraestrutura necessárias para o crescimento sustentado do País? Há um dilema entre a evolução civilizatória e a evolução econômica? O ritmo é desigual e combinado, mas ambas não podem parar…

Brian Spegele (WSJ, 26/12/14) informa que a maior petrolífera da China está cortando tudo, de negócios multibilionários a bolos de aniversário para empregados. Uma empresa que fornecia álcool para fabricantes de bebidas destiladas de luxo está agora produzindo químicos industriais, enquanto uma rede de restaurantes que antes servia peixes apimentados para altas autoridades passou a investir na área de análise de dados.

A economia da China está lutando para continuar vivendo sem a corrupção generalizada e os gastos extravagantes de autoridades, que sustentavam tantas empresas. O impacto está se propagando para os nichos mais variados da economia, prejudicando tanto grandes estatais quanto pequenas empresas privadas.

A campanha anticorrupção que o presidente Xi Jinping vem empreendendo desde que se tornou o líder da China, no fim de 2012, deixou alguns temerosos de que um escrutínio intenso do governo paralisaria partes da economia, criando desafios ainda maiores para o futuro.

O empenho em direção à austeridade e contra a corrupção é uma das razões porque a China pode não atingir a meta de 7,5% de crescimento econômico neste ano. Lu Ting, economista do Bank of America para a China, estima que a campanha esteja reduzindo em torno de 0,6 a 1,5 ponto percentual do crescimento do Produto Interno Bruto do país. Continue reading “Ondas Anticorrupção: Aqui e na China!”