Nova Série do Sistema de Contas Nacionais do IBGE

Nova série do Sistema de Contas Nacionais do IBGE adota 2010 como ano de referência e incorpora recomendações da mais recente revisão do manual de Contas Nacionais organizado por ONU, FMI, OCDE e Banco Mundial. Além de atualizações metodológicas, a nova série apresenta uma classificação mais detalhada de produtos e atividades, integrada à CNAE 2.0, e incorpora dados do Censo Agropecuário de 2006 e da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008/09. Mais detalhes em:

http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&busca=1&idnoticia=2841

O Sistema de Contas Nacionais (SCN 2010) permanece fundamentado nas Tabelas de Recursos e Usos (TRU) e nas Contas Econômicas Integradas (CEI). Também foi feita uma retropolação dos dados até 2000, estimando-se nova série de TRU. A nova série das Contas Nacionais Trimestrais (até 2014) será divulgada em 27/03/2015 e os resultados anuais definitivos de 2012 e 2013 serão conhecidos em novembro de 2015. As notas técnicas sobre as atualizações metodológicas e conceituais da nova série do SCN 2010 estão disponíveis em:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/contasnacionais/2009/default_SCN_2010.shtm.

Na nova série, o PIB chegou a R$ 3,887 trilhões, em 2010, e a R$ 4,375 trilhões em 2011 e as variações em volume foram 7,6% e 3,9%, respectivamente. Em média, os valores correntes do PIB de 2000 a 2011, na nova série, ficaram 2,1% acima dos valores da série antiga. Nesse período, a taxa média anual de crescimento foi revisada de 3,5% na série anterior para 3,7% no SCN 2010. Veja a comparação entre as duas séries na tabela 1, acima.

Os resultados entre 2000 e 2009 correspondem à nova série retropolada. A comparação para os anos de 2010 e 2011 é feita entre a série referência 2010 e os valores obtidos pelo Sistema de Contas Trimestrais – SCT.

A seguir, a tabela 2 apresenta os valores do PIB per capita entre 2000 e 2011, nas séries nova e antiga. Como a estimativa de população não foi alterada, as variações são consequência apenas da revisão nos valores correntes e constantes do PIB. A série revisada do deflator do PIB também é apresentada nesta tabela.

Estrutura produtiva e composição do PIB pela ótica da despesa

Pela ótica da produção, nota-se que a revisão da série não impactou significativamente a estrutura econômica quando desagregada nos três grandes grupos de atividades. Houve uma pequena redução da participação da Agropecuária e da Indústria e o consequente aumento dos Serviços. A tabela 3 apresenta a participação das atividades econômicas no valor adicionado a preços correntes (ótica da produção) e os componentes do PIB pela ótica da despesa.

VA dos Setores na Nova SCN 11.03.15

A abertura dos grupos de atividades para 2010 (Tabela 3.1) evidencia o impacto da inclusão de mudanças na classificação de atividades (CNAE 2.0). Por exemplo, por causa da transferência da atividade de edição de livros, jornais e revistas da indústria para os serviços, estes ganham peso na nova série do SCN.

Pela ótica da despesa, com a revisão metodológica do SCN 2010, cresceu a taxa de investimento (participação da Formação Bruta de Capital Fixo no PIB): de 19,5% para 20,6%, em 2010 e de 19,3 para 20,6% em 2011, como mostra o gráfico 1, abaixo. O conceito de (FBCF) foi ampliado e passou a incorporar os gastos com os produtos de propriedade intelectual – P&D, software e exploração mineral – antes tratados como consumo intermediário.

Composição do PIB pela ótica da renda

A divulgação das Contas Nacionais, a partir de 2010, foi feita com base no Sistema de Contas Trimestrais que disponibiliza, somente, a composição do PIB pela ótica da produção e da despesa e sem o recorte por setores institucionais. Desta forma, os componentes do PIB pela ótica da renda e as CEI por setores institucionais são divulgados pela primeira vez para os anos 2010 e 2011.

A participação das remunerações dos empregados cresceu de 41,6% para 42,2% do PIB no biênio, enquanto houve leve redução participação do rendimento misto bruto e do excedente operacional bruto, que registraram 8,3% e 33,4%, respectivamente, em 2011 (tabela 4).

Contas Econômicas Integradas

No SCN 2010, as CEI apresentam os resultados para os mesmos setores institucionais já divulgados na série antiga até o ano de 2009 (Empresas não financeiras, Empresas financeiras, Governo, Famílias, Instituições privadas sem fim de lucros ao serviço das famílias e para o total da economia nacional). Assim, a Renda Nacional Bruta (PIB mais os rendimentos dos fatores de produção enviados ao resto do mundo ou recebidos do resto do mundo) foi de R$ 3,82 trilhões em 2010 e de R$ 4,30 trilhões no ano de 2011. O pagamento líquido de rendas de propriedades ao resto do mundo cresceu 14,6%, passando de R$ 65,4 bilhões em 2010 para R$ 74,9 bilhões em 2011.

O crescimento da despesa de consumo final (12,2%) num patamar um pouco abaixo da Renda Nacional Bruta (12,5%) fez com que a poupança aumentasse 13,9%, passando de R$ 746,9 bilhões em 2010 para R$ 850,8 bilhões em 2011. O crescimento de 12,6% da formação bruta de capital, que passou de R$ 847,2 bilhões em 2010 para R$ 954,1 bilhões em 2011 e o aumento das transferências de capital líquidas recebidas (R$ 2,0 bilhões em 2010 e 2,6 bilhões em 2011) fizeram com que a necessidade de financiamento do país passasse de R$ 98,3 bilhões em 2010 para R$ 100,6 bilhões nem 2011.

O setor interno teve participação importante no crescimento do PIB nesse período. Em 2011 a elevação do total das ocupações e do rendimento médio nominal foi de 1,5% e 9,4%, respectivamente. O consumo das famílias cresceu 12,8% e a FBCF, 12,8%. A despeito dos saldos externos de bens e serviços negativos (R$ 40,5 bilhões em 2010 e R$ 33,7 bilhões em 2011), esses fatores permitiram que o setor institucional “empresas não financeiras” participasse com 55,6% da renda gerada no país no ano de 2010 e com 56,5% em 2011.

Mesmo com a elevada participação na renda gerada, as empresas não financeiras apresentaram necessidade de financiamento de R$ 101,9 bilhões em 2010 e de R$ 124,4 bilhões em 2011. A principal razão foi o aumento da FBCF, que passou de R$ 432,7 bilhões em 2010 para R$ 502,6 bilhões em 2011 (+16,2%). O mercado interno e a expansão da oferta do crédito (45,2% do PIB em 2010 e 49,2% do PIB em 2011) favoreceram o setor empresas financeiras, que apresentaram capacidade de financiamento de R$ 94,6 bilhões em 2010 e R$ 103,3 bilhões em 2011. Em 2011, tanto o aumento da taxa SELIC de 2,2 p.p. (para 11,7% a.a.) como o do spread bancário de 3,4 p.p, contribuíram para o aumento da capacidade de financiamento. Na tabela 5, o valor adicionado e a capacidade/necessidade de financiamento por setor institucional na nova série para 2010 e 2011.

O setor governo apresentou redução da necessidade de financiamento em 2011 em comparação com 2010, explicada em parte pela evolução positiva dos impostos sobre a renda e patrimônio (+19,9%) em contraste com uma variação menos expressiva de componentes dos usos, em particular do consumo final (+10,6%) e redução da formação bruta de capital fixo (-1,9%) no período.

A capacidade de financiamento do setor das famílias ficou estável de 2010 a 2011 (R$ 17,6 bilhões). A despeito do aumento do consumo final e da FBCF (ambos em 12,8%, no biênio), o forte aumento das remunerações das famílias e do rendimento da propriedade (juros recebidos e dividendos), foram responsáveis pela capacidade de financiamento do setor.

Indicadores macroeconômicos

Um conjunto de indicadores selecionados das contas nacionais é apresentado na Tabela 6 permitindo análise da revisão dos resultados.

O gráfico 2, abaixo, compara os valores correntes do PIB, de 2000 a 2011, antes e depois da revisão metodológica.

Por fim, no gráfico 3, abaixo, as variações em volume do valor adicionado bruto para as atividades econômicas, em 2011:

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s