Inflação, Juro Real e Salário Real: Rendimento do Capital (r) > Rendimento do Trabalho (g)

IPCA 2003-2017Salário Real 2003-2017Taxas de Juros Nominal e Real 2003-2017Selic Média X Swap de 2 anos 2011-2015O argumento convencional é que a inflação corrói o poder aquisitivo dos salários, provocando queda do salário real, portanto, de acordo com o Regime de Meta Inflacionária, tem de ser combatida com elevação do juro nominal (Selic-meta). No entanto, o crescimento da taxa de inflação diminui o juro real, “obrigando” o COPOM a dar uma overdose de juro nominal benéfica ao rendimento do capital e prejudicial ao emprego do trabalho.

Vale a pena perder o emprego em nome de baixar a inflação para o centro da meta (4,5% aa)?! Vale para o capital…

Diferentemente do diagnóstico monetarista de Milton Friedman para economias inflacionárias, a brasileira não é viciada em “dinheiro farto e barato”. Aqui é “farto, porém caro”!

O “excesso de liquidez” é retido em operações compromissadas, que elevam a dívida pública bruta, com elevadíssima taxa de juros, seja nominal, seja real. Ou ainda, seja este ex-ante, seja ex-post

O juro real ex-ante (Swap futura que configura a expectativa de O Mercado) é relevante para a tomada de decisões financeiras com exame do cenário futuro. O juro real ex-post (média da Taxa Selic nominal deflacionada pelo IPCA) é relevante para a análise da evolução do potencial poder aquisitivo do capital ocorrido no período passado.

Angela Bittencourt (Valor, 14/07/15) alerta que engana-se quem vê na taxa básica de 14,5% ao ano, projetada hoje como Selic para o encerramento de 2015, referência de custo de dinheiro inibidor de um processo de recuperação da atividade. Se for examinado o que houve com a inflação e os juros nos primeiros seis meses do ano, possivelmente o juro real instantâneo está “muito baixo” no Brasil.

O crescimento envolve também fatores não relacionados a juro. O juro é negativo na Europa, mas ainda assim o crédito continua caindo por lá. Este é um argumento empírico. O teórico é kaleckiano: a equação de decisões de investimento refere-se ao grau de endividamento das empresas, expectativas de lucro, grau de ociosidade da capacidade produtiva e fatores de crescimento em longo prazo tais como bônus demográfico, inovação tecnológica como extração de petróleo do pré-sal, disponibilidade de infraestrutura logística e energética, etc.

De fato, se a inflação de 2015 for confirmada em 9,12% e a Selic estimada para o fim de dezembro também ficar em 14,5% — projeções medianas de O Mercado apresentadas na pesquisa Focus do dia 13/07/15 -, o juro real ex-post deste ano será de 3,9%.

A Selic deve encerrar julho de 2015 acumulada em 7,14% nominais no ano, lembrando que o Copom não abriu o ano com essa taxa a 14,5%. Aliás, ela sequer chegou a esse patamar. Até o final de julho, estaava em 13,75%. Mas considerando a hipótese que ela subirá a 14,5%, até o fim do ano, a Selic média efetiva de 2015 será pouco inferior a 13,5%.

Aplicando a projeção mediana da Focus para julho, de 0,45%, o IPCA acumulado de janeiro a julho sobe a 6,65%. Descontado do juro nominal de 7,14%, nesse período de sete meses, o custo real do dinheiro (ou o rendimento efetivo do capital) é de apenas 0,46%.

Porém, a conta que realmente importa para as decisões financeiras, que levam em conta o cenário futuro, refere-se às projeções para inflação e Selic em 2017, 2018 e 2019. As taxas de juro real ex-ante, de acordo com essas projeções hipotéticas, serão de, respectivamente, 6,45%, 6% e 5,26%. Considerando o swap 360, que está em 13,96% e descontando o IPCA esperado para os próximos 12 meses, de 5,85%, a taxa de juros real ex-ante, hoje, é de nada desprezíveis 7,66% ao ano.

Para refrescar a memória, esse juro real ex-ante já foi a 1,39% aa em meados de 2012. Quando o BCB começou a subir a Selic em abril de 2013 rondava os 2,4% aa. Naquele momento, influentes economistas do mercado financeiro consideraram que o BCB havia recuperado a razão, ainda que não o prestígio com a “chefia” — referência à presidente Dilma Rousseff, a patrocinadora da redução do juro nominal até 7,25% que proporcionou o juro real abaixo de 2%, mais próximo do padrão internacional. A reação do Capital contra essa “Cruzada da Dilma” manipulou manifestantes de rua, mídia oposicionista, e tenta agora um golpe de Estado via parlamentar.

Em outras palavras, naquela ocasião, O Mercado voltou a pautar o BCB em defesa do altíssimo rendimento do capital aqui nesta Pátria amada, paraíso tropical para se ganhar “renda passiva”, isto é, ganhar sem trabalhar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s