DIEESE: Reforma Tributária para a Justiça Social

Proporção do Imposto de Renda Total sobre o Total dos rendimentos, Brasil (2013)

No Boletim de Política Social (Ano 3 – nº 242 – 16 de novembro de 2015), divulgado pela FPA, a economista Ana Luíza Matos de Oliveira analisa a Nota Técnica recentemente lançada pelo DIEESE sobre as injustiças tributárias brasileiras.

Segundo a publicação, mais da metade (51,3% em 2013) do total da arrecadação provém de impostos indiretos sobre o consumo, enquanto somente 22% do total da arrecadação decorrem de impostos que incidem sobre a renda (18,1%) e a propriedade (3,9%): os tributos que poderiam aumentar a carga tributária das pessoas que possuem melhores condições econômicas têm pouca participação no total arrecadado. Por isso, o sistema tributário brasileiro é considerado regressivo.

Quanto ao imposto de renda, o estudo mostra que a alíquota real paga pelos brasileiros é decrescente a partir de um rendimento de 40 salários mínimos por mês, como mostra o gráfico acima. Proporcionalmente, são os brasileiros com rendimento de 20 a 40 salários mínimos (ou renda entre R$ 13.560 e R$ 27.1202) os que mais pagam imposto de renda (10,2% sobre o total de seus rendimentos).

Estes dados estão relacionados com os apresentados pelo gráfico seguinte, que mostra que a proporção de rendimentos isentos de imposto de renda aumenta muito com o aumento do rendimento dos cidadãos, gerando uma distorção: no Brasil, até mesmo o imposto que deveria ser mais justo é regressivo. É importante dizer que, segundo a publicação, o grupo de declarantes com mais de 160 Salários Mínimos correspondeu a apenas 71,4 mil pessoas (0,3% do total em 2013), com rendimentos totais de mais de R$ 298 bilhões (14% do total de rendimentos declarados em 2013), ou seja, uma renda média per capita de R$ 4,17 milhões anuais.

Proporção dos rendimentos tributáveis, rendimentos sujeitos a tributação exclusiva e rendimentos isentos em relação ao total de rendimentos, Brasil (2013)

A publicação propõe uma série de mudanças na estrutura tributária atual: no imposto sobre a renda, sobre heranças, sobre a propriedade rural, sobre os lucros e dividendos e sobre as grandes fortunas. Propõe ainda medidas para combater a elisão, evasão e sonegação fiscal. Sem estas medidas, o país perde instrumentos no combate à pobreza, desigualdade e para o fortalecimento da cidadania social.

Para ler mais sobre a NT “Reforma e Justiça Tributária” clique em leia mais:

http://www.dieese.org.br/notatecnica/2015/notaTec150ReformaJusticaTributaria.pdf

One thought on “DIEESE: Reforma Tributária para a Justiça Social

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s