Mesadas do PMDB: Onde estão os Moralistas Golpistas?

Mesadas do PMDB

Somando as mesadas do PMDB, suas lideranças receberam da Transpetro R$ 104.450.000,00! Compare com os demais: PSDB, R$ 2.000.000,00 (R$ 1.000.000 per capita); PSB: R$ 1.000.000 per capita; DEM, R$ 275.00 per capita; PP, R$ 250.000 per capita; PT, R$ 1.742.400,00 (R$ 348.400 per capita); PCdoB, R$ 100.000 per capita.

Ex-presidente da Transpetro e delator da Operação Lava-Jato, Sergio Machado disse que acertou com o presidente golpista Michel Temer doação de R$ 1,5 milhão para a campanha de Gabriel Chalita (PDT) à prefeitura de São Paulo em 2012, então pelo PMDB. Segundo ele, o “contexto da conversa deixava claro que Temer estava ajustando pedido de “recursos ilícitos das empresas que tinham contratos com a Transpetro na forma de doação oficial para a campanha de Chalita”.

Machado disse que, enquanto esteve à frente da Transpetro, entre 2003 e 2011, repassou ao PMDB pouco mais de R$ 100 milhões originados de “comissões pagas ilicitamente por empresas contratadas”. Foi, segundo ele, deste valor que saiu o R$ 1,5 milhão para Temer e outros R$ 32 milhões para o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL) e R$ 24 milhões para o senador Edison Lobão (MA). No total, ele citou 10 políticos do PMDB e 12 de seis partidos, como envolvidos em negociações por propina. Mas não se igualam os “pés-de-chinelo”, que financiaram suas campanhas eleitorais, com os “donos do Poder Oligárquico e Dinástico” que enriqueceram-se ainda mais: Temer e os clãs de Renan, Sarney, Lobão, Barbalho, Alves, Jucá, etc. Até quando essa gente provinciana comandará o País?!

Machado contou que montou um esquema de “mesada” com a cúpula do PMDB e seus padrinhos políticos na Transpetro: Renan Calheiros, Romero Jucá Edison Lobão e José Sarney. Os pagamentos começaram em fevereiro de 2008, quando Lobão assumiu o Ministério de Minas e Energia.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado afirmou que participou da captação de recursos ilícitos para bancar a eleição do hoje senador Aécio Neves (PSDB-MG) à presidência da Câmara dos Deputados, no ano de 2001. Segundo a delação de Machado na Operação Lava-Jato, ele, Aécio e Teotônio Vilela, à época presidente nacional do PSDB, levantaram recursos financeiros para ajudar cerca de 50 deputados a se elegerem três anos antes, o que teria viabilizado o apoio à eleição de Aécio ao comando da Casa.

Na época, Machado era do PSDB e solicitou os recursos à campanha nacional de Fernando Henrique Cardoso, que se reelegeu presidente em 1998. Parte dos recursos teria vindo da campanha de FHC, por intermédio de Luiz Carlos Mendonça de Barros, então ministro das Comunicações de FHC.

Machado também confirmou outros depoimentos de delatores da Lava-Jato em relação ao recebimento de propina de Furnas, objeto de outro inquérito que tramita no Supremo, e disse que “parte do dinheiro para a eleição de Aécio para a presidência da Câmara veio de Furnas “, comandada à época por Dimas Toledo.

“Todos do PSDB sabiam que Furnas prestava grande apoio ao deputado Aécio Neves por meio do diretor Dimas Toledo, que era apadrinhado por ele durante o governo Fernando Henrique Cardoso, e Dimas Toledo contribuiu com parte dos recursos para a eleição da bancada da Câmara à época. Aécio Neves também incorria na prática de receber propinas tanto na forma de doações oficiais quanto por dinheiro em espécie”, disse Machado.

Ele relatou aos investigadores da Lava-Jato que foram arrecadados cerca de R$ 7 milhões, em valores da época. “Cerca de R$ 4 milhões viriam da campanha nacional; que parte desses recursos ilícitos era proveniente do exterior, que esses recursos ilícitos foram entregues em várias parcelas em espécie, por pessoas indicadas por Luiz Carlos Mendonça de Barros; que os recursos foram entregues aos próprios candidatos ou a seus interlocutores”, diz a delação. “A maior parcela dos cerca de R$ 7 milhões arrecadados à época foi destinada ao então deputado Aécio Neves, que recebeu R$ 1 milhão em dinheiro”, disse Machado.

Confira acima os valores diversos e tire suas conclusões. O golpe foi para acobertar que partido? Por que a discriminação do Poder Dinástico, notadamente dos donos da mídia, contra o PT? Por que sua propina era “coisa-de-pobre”?!

Os golpistas verde-e-amarelos batedores-de-panela reconhecem sua consideração moral inconsistente:

  • por estar separada do sentimento moral,
  • por ser baseada em preceitos tradicionais irrefletidos ou
  • por ignorar a particularidade e a complexidade da situação julgada?

Falso moralismo é o comportamento ou a atitude que denota falsas adesão e defesa de um valor moral qualquer. Cinismo é a atitude ou caráter de pessoa que revela descaso pelas convenções sociais e pela moral vigente.

9 thoughts on “Mesadas do PMDB: Onde estão os Moralistas Golpistas?

  1. Fernando! Um off-topic…
    Você achou melhor colocar o blog numa formatação menor?
    É que as letras pequeninhas forçam mais às vistas… Eu sei que tenho como alterar – aumentando o zoom… Mais saio meio que no embalo pulando de uma aba para outra…

    1. Prezada Lella,
      mudei o tema da apresentação (design) quando tive de passar a pagar por mais memória e evitar publicidade no WordPress.

      Esta nova memória e tema propiciam colocar músicas no lado esquerdo. Mas pelo que vejo, o tamanho continua o mesmo. No entanto, eu também dou zoom: no iMac é command+.

      Tentarei rever o layout. Gosto dele clean, com poucas cores, inclusive para destacar as imagens, e não há muitas opções assim.

      Grato pela observação.
      abs

  2. Ainda aproveitando o off topic… Um outro…

    No início da investigação sobre Pasadena… Houve alguém que falou que a compra era mais para um comércio no futuro… Como ter um ponto lá dentro dos Estados Unidos e com isso vencer entraves da legislação interna no setor comercial… Algo como ocorria com o suco de laranja…

    Na época, para mim foi a melhor explicação para a compra da Refinaria! Mas não foi levado adiante principalmente para os que defendiam a compra…

    Lembra dessa argumentação? Dentro das leis de lá, teria cabimento? Se sim, por que não levaram adiante?

    Ah sim! Não precisa ter pressa em dar um retorno🙂

    1. Prezada Lella,
      em princípio, faz sentido, pois todas as multinacionais têm cadeias produtivas integradas internacionalmente, inclusive para superar restrições legislativas e/ou protecionismo de mercado. Vide as marcas de automóveis estrangeiras que se instalaram no Brasil para fazer a montagem deles aqui e poder usufruir do mercado interno. Foi exigência da política industrial do governo Dilma, quando Fernando Pimentel estava no MIDC.

      Quero crer que, se os neoliberais não a destruírem, a Petrobras ainda dará muitas alegrias, pois o Brasil se tornará o sexto maior produtor e exportador de petróleo com a extração de águas profundas, na década dos anos 30 do século corrente.
      abs

  3. Professor, para frear os neoliberais, somente com o povaõzão nas ruas (incluindo a ralé do Jessé), o lulopetismo cometeu um erro crucial ao não democratizar a mídia e desarmar os oligopólios de comunicações, o famigerado PIG. Segundo a língua ferina do PH Amorim, JD dizia que o Brasil não precisava de uma TV pública, pois já tínhamos as Org.Globo.

    1. Prezado Muchacho,
      o PT nunca teve base de apoio congressual e popular para essa ação: democratizar a mídia. Se tentasse isso, o golpe na democracia provavelmente teria sido dado antes!

      Política é realizada dentro dos “limites do possível” e não com base em voluntarismo.
      att.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s