Pós-carwash, o carsharing: Programa de Compartilhamento de Automóveis

Carros Elétricos

Eduardo Laguna (Valor, 08/07/16) informa que um programa inédito de compartilhamento de automóveis lançado no início deste mês em Fortaleza (CE) abriu as portas do país a carros elétricos de origem chinesa. Dois modelos importados da China – o pequenino Zhi Dou, do pouco conhecido Xindayang Group, e o crossover E6, um hatch com características de perua produzido pela BYD – foram escolhidos para compor a frota do serviço, que começa com cinco veículos, mas que, conforme o cronograma do projeto, já terá 20 unidades rodando na capital cearense a partir de setembro de 2016.

Responsável pela iniciativa, a Hapvida, maior operadora de saúde no Nordeste, investe R$ 7 milhões no que é o primeiro serviço público de carros compartilhados na América Latina, reproduzindo no Brasil um modelo implementado em Londres e Paris. A intenção do grupo não é fazer do “carsharing” – como o serviço é conhecido em inglês – um novo negócio, mas sim divulgar e vincular seu nome a uma alternativa de mobilidade sustentável, estampando sua logomarca em veículos de emissão zero.

A operação, ainda em fase de demonstração, começou no dia 4 de julho de 2016. A ideia é alcançar 50 mil usuários no primeiro ano. O projeto prevê 12 estações onde eles poderão retirar e entregar os carros. A distância média entre as estações, que também servem de postos de recarga das baterias, é de sete quilômetros.

Para gerenciar a operação, a Hapvida contratou a Serttel, a mesma empresa responsável por administrar o compartilhamento de bicicletas em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro.

Interessados no serviço precisam se cadastrar no sistema e, após habilitado, baixar o aplicativo por onde conseguem reservar e obter uma “chave virtual” para destravar e travar os veículos. É cobrada uma taxa de adesão mensal de R$ 40,00, que pode ser revertida em crédito para aluguel dos automóveis. O usuário paga R$ 20,00 para utilizar o carro por até meia hora. No que passar disso, são cobradas taxas, descontadas do cartão de crédito, que variam de R$ 0,40 a R$ 0,80 por minuto de uso. A receita gerada pelo serviço fica com a Serttel.

Há pouco mais de três meses, a General Motors (GM) começou a testar o modelo de compartilhamento de carros com funcionários de sua fábrica no ABC paulista. A ideia da montadora é, até o fim deste ano, levar o serviço a um condomínio residencial de São Paulo. Sete carros do modelo Cruze foram colocados à disposição dos trabalhadores da fábrica da GM em São Caetano do Sul. Via desconto na folha de pagamento, eles pagam R$ 35,00 por hora de uso do veículo ou R$ 210,00 por um aluguel do carro por 24 horas.

Segundo um estudo da consultoria Boston Consulting Group (BCG), o número de adeptos do “De” vai saltar de 5,8 milhões para 35 milhões de pessoas em todo o mundo até 2021. O impacto nas vendas de veículos novos, no entanto, deve ser inexpressivo, na avaliação da casa, já que a maioria dos motoristas não deve abdicar totalmente de ter o carro próprio. Ao mesmo tempo, cerca de um terço das vendas perdidas será compensada pela própria demanda vinda das frotas de automóveis compartilhados em grandes centros urbanos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s