Revolta contra a Censura à Liberdade de Expressão

torcedores-protestam-contra-michel-temer-no-mineirao-1470530177045_v2_750x421 Fora Temer 1

Quando há uma manifestação coletiva como a vaia ao presidente golpista na abertura da Olimpíadas fica inviável a censura pela grande quantidade de pessoas vaiando, embora seja um ato político. Senão, teriam que esvaziar a maior parte do estádio

Fora Temer 2temeroutVaza véi Fica querida

Tocha X CasseteteEstá na Constituição, mas o comitê organizador da Rio 2016, com anuência do Ministério da Justiça, decidiu ignorar o direito à liberdade de expressão e proibiu cartaz, camiseta, faixa ou qualquer outro item usado em manifestações políticas, tudo para proteger o presidente usurpador. Está de volta a censura!

PS:

Como era esperado em complemento ao Golpe de Estado, arquitetado por conspiradores do PMDB e da oposição tucana, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, membro-honorário deles, pediu a cassação do registro do Partido dos Trabalhadores!

Em artigo divulgado nesta segunda-feira, o presidente nacional da legenda, Rui Falcão, afirmou que assim “como na ditadura, golpistas tentam cassar o PT”. A bancada do PT na Câmara divulgou uma nota também com críticas ao magistrado e chamou Gilmar Mendes de “tucano de toga”.

“São notórios o destempero verbal e a parcialidade de Gilmar Mendes contra o PT. Ele não está à altura do cargo que ocupa. Suas ações, no âmbito da Suprema Corte, como a de juízes de primeira instância, têm maculado a imagem do Judiciário brasileiro. Ao pedir agora a cassação do registro do PT, o ministro faz jus aos que o chamam de ‘tucano de toga’ do STF. O nosso Judiciário precisa de magistrados, não de militantes políticos”, afirmou a bancada do PT, em nota assinada pelo líder da bancada, deputado Afonso Florence (BA), e divulgada no domingo.

Gilmar Mendes, que foi advogado-geral da União na gestão do tucano Fernando Henrique Cardoso, determinou no fim da semana passada a abertura de processo pedindo a cassação do registro do PT. Segundo o ministro, haveria indicativos de que o PT teria recebido recursos ilícitos da Petrobras, em prática proibida pela legislação eleitoral.

O PT negou irregularidades e criticou o presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Ao pedir a cassação do registro do Partido dos Trabalhadores, Mendes tira de vez a toga e assume o papel de militante da direita brasileira”, afirmou a bancada na nota. “A atitude autoritária do presidente do TSE só encontra paralelo no regime autoritário encerrado em 1985. A última vez em que um partido político foi cassado no Brasil foi mediante ato institucional de uma ditadura militar.”

O líder da bancada afirmou ainda que a decisão de Gilmar Mendes contra o PT “coincide com um momento em que se tenta cassar o mandato” da presidente afastada Dilma Rousseff, “sem que tenha cometido crime de responsabilidade, configurando-se um golpe e a instituição de um ambiente político e jurídico de exceção no país”.

O presidente do PT criticou também o juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato e acusou o magistrado de ser parcial. Falcão disse que há uma perseguição contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é acusado “sem qualquer prova” de “comandar um esquema de corrupção e pagamento de propina”.

“Trata-se, como já se viu, de mais uma represália (a anterior foi a transformação de Lula em réu por um juiz de má-fama) ao fato dos advogados de Lula terem recorrido ao Conselho de Direitos Humanos da ONU contra os abusos de setores do Judiciário e do Ministério Público”, afirmou o dirigente petista no texto divulgado hoje.

Para Falcão, a ação de Moro e de Gilmar têm como objetivo impedir Lula de concorrer à Presidência em 2018.

Ao ser questionado se outros partidos ou políticos podem ser sancionados por abusos, o ministro-golpista afirmou que “essa questão terá que ser colocada a outros partidos se for o caso”. “Certamente, essas pessoas vão ser provocadas. Por enquanto, o que nós temos são declarações iniciais. Certamente, isso materializado vai ter reflexo também no âmbito da Justiça Eleitoral”, afirmou Gilmar Mendes, em referência a citações dos nomes do presidente interino Michel Temer e do ministro das Relações Exteriores, José Serra, por delatores na Lava-Jato.

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, teria recebido R$ 23 milhões da Odebrecht via caixa dois em 2010, na sua campanha à Presidência da República, disseram executivos da empreiteira aos investigações da Operação Lava-Jato, de acordo com o jornal “Folha de S. Paulo”. Segundo a reportagem, corrigido pela inflação do período, o valor equivale a R$ 34,5 milhões.

A afirmação foi feita a procuradores da força-tarefa da Lava-Jato e da Procuradoria-Geral da República (PGR) na semana passada por funcionários da empresa que tentam um acordo de delação premiada.

Uma semana após Marcelo Odebrecht delatar o repasse de R$ 23 milhões de caixa dois à campanha de José Serra (PSDB-SP), à Presidência em 2010, e de R$ 10 milhões em dinheiro vivo para o PMDB, a pedido de Michel Temer, um dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato disse que o acordo com o executivo “ainda não está fechado”: “Ainda temos um longo caminho à frente”. Um peso, duas medidas?!

Leia mais:

http://jornalggn.com.br/noticia/gilmar-ultrapassou-todos-os-limites-basta-por-jeferson-miola

http://jornalggn.com.br/noticia/a-midia-brasileira-so-da-destaque-para-o-que-lhe-convem

Remet Arof

One thought on “Revolta contra a Censura à Liberdade de Expressão

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s