Locaute Golpista: Industriais “pagam o pato”

lideres-mundiais-em-vti-2005-2015participacoes-no-pib-mundial-2005-2015

Estimativas recentes da UNIDO permitem analisar o desempenho da indústria de transformação mundial em 2015. Percebe-se, nitidamente, que o Brasil ficou “fora-da-curva”, ou seja, destoou do restante do mundo de forma abrupta. Tal paralisia não foi devido apenas a fatores econômicos. Para explicar, é necessário considerar os fatores políticos que levaram à essa “parada-súbita”.

Dados dessa nova revisão das informações industriais realizada pela UNIDO (Organização de Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas) colocam em evidência a perigosa desindustrialização que vem ocorrendo no Brasil. Contudo, são também reveladores de que a posição brasileira no contexto mundial ainda conserva certa relevância. Em outras palavras, o fenômeno tem dimensão mundial e a Carta IEDI N. 749 destaca a especificidade brasileira.

comparacoes-do-vti-brasil-x-renda-media-alta-x-mundoNo início da atual década, por exemplo, a participação do país na manufatura mundial, em torno de 3%, aproximava-se à de um país que é referência para processos de industrialização bem-sucedidos, a Coréia do Sul. Naquela época, o Brasil detinha a 6ª maior indústria do mundo. Em 2015, ano em que a indústria nacional declinou quase 10% e o país passou a representar apenas 2,3% do PIB manufatureiro global, caímos para a 9ª posição.

Ainda assim, mesmo diante de tantos reveses e de efeitos tão adversos de políticas executadas nas últimas décadas, a exemplo da política cambial, o fato é que o Brasil ainda tem presença no mapa industrial mundial, figurando entre as maiores indústrias do planeta.

Em seu relatório mais recente, a UNIDO também mostra que, de 2014 para 2015, não houve mudança na relação dos países entre os 15 maiores produtores industriais, embora se destaque a queda de posição do Brasil. Este foi sobrepujado pela Índia, pela Itália e pela França, caindo da 6ª para a 9ª colocação.

[Efeito do locaute empresarial pregado pela FIESP GOLPISTA com a campanha para os ricos empresários industriais “não pagarem o pato”, isto é, não ser revogada a Lei nº 9.249 de 1996, na Era Neoliberal, quando os lucros ou dividendos passaram a ser isentos.] 

variacao-do-vti-e-no-pib-por-regioes-mundiais-2005-2015A China, que desde 2010 tem sido a maior produtora mundial, responde atualmente por quase um quarto do total de valor adicionado pela indústria de transformação mundial. Em seguida, estão EUA (16,5%), Japão (8,9%), Alemanha (6,4%) e Coreia do Sul (3,1%).

Em 2015, as economias industrializadas representavam 56,4% do valor adicionado mundial e as economias industriais emergentes, 39,1% (sendo que a China acumula 23,8% nesse grupo). Em 2005 essa relação era de 69% para economias industrializadas e 27% para economias industriais emergentes.

Em termos de valor adicionado da indústria de transformação per capita, o total mundial passou de US$ 1.493 em 2005 para US$ 1.630 em 2015, um crescimento de 9,2% (em dólares constantes de 2010). Nesse mesmo período, contudo, o valor adicionado da indústria de transformação per capita no Brasil caiu de US$ 1.524 para US$ 1.322, tornando-se, assim, inferior à média mundial no ano passado. [2015: Ano da Volta da Velha Matriz Neoliberal.]

Outro resultado relevante diz respeito à parcela do valor adicionado da indústria de transformação no PIB, que no Brasil foi e continua sendo inferior à do mundo e à dos países de renda média alta. Além disso, enquanto houve aumento dessa relação em termos mundiais entre 2005 e 2015, de 15,8% para 16,1%, ela regressou de 13,9% para 12,2% no Brasil. Mas vale atentar para o fato de que o recuo desse indicador também se fez sentir, ainda que em menor magnitude, no grupo de países de renda média alta, ao qual o Brasil pertence.

O crescimento do valor adicionado da indústria mundial foi de 2,8% e o das economias emergentes industriais foi 4,5% em 2015. O Brasil, como consequência da grave recessão que o país atravessa, teve variação negativa de 9,0%, em dólares contantes de 2010.

Aliás, as indústrias de transformação dos países industriais emergentes tiveram taxas de variação mais expressivas, menos voláteis e mais resistentes à crise. Mesmo assim, seu crescimento desacelerou em 2015 relativamente a 2014. Já a evolução do setor manufatureiro das economias industrializadas ficou praticamente estável, sendo que sua taxa de crescimento passou de 1,4% para 1,5% de 2014 a 2015.

Na comparação entre os períodos de 2006 a 2010 e de 2011 a 2015, o valor adicionado da indústria de transformação mundial cresceu 3,5% e 2,9%, respectivamente. Estes percentuais foram superiores à evolução do PIB, que ficou estável em 2,6% nos dois períodos. Isso mostra que a indústria ainda constitui um motor de crescimento econômico. Cabe notar que a desaceleração das manufaturas deveu-se principalmene ao menor ritmo de evolução da produção chinesa.

Quanto aos blocos econômicos, estes assinalaram movimento similar ao de suas regiões, destacando-se a desaceleração da ASEAN e do MERCOSUL de 2006-2010 para 2011-2015, tanto da indústria de transformação como do PIB total. Entretanto, o MERCOSUL teve uma média de variação anual de -0,7% da indústria de transformação entre 2011 e 2015, tendo sido de +2,7% no quinquenio anterior em dólares constantes de 2010. Isso se deu sob forte influência do desempenho brasileiro: média anual de +2,2% entre 2006 e 2010 contra -1,9% ao ano entre 2011 e 2015.

Não por acaso, a desaceleração do crescimento do PIB no Brasil foi impiedosa: a taxa média anual desabou de 4,5% em 2006-2010 para 0,7% em 2011-2015, enquanto a do Mercosul caiu bem menos, de 4,6% para 1,6%.

vti-no-brasil-2005-x-2015

Desde 2010, a China é a maior produtora mundial, mas em 2015 sua relevância sobre o total de valor adicionado pela indústria de transformação mundial se elevou para cerca de um quarto do total, passando de 22,9% em 2014 para 23,8%, em dólares constantes de 2010.

A hierarquia entre os 5 líderes da produção industrial mundial vem se mantendo estável, com EUA em segundo lugar (16,5%), seguido por Japão (8,9%), Alemanha (6,4%) e Coreia do Sul (3,1%) em 2015. De 2014 para 2015 não houve mudança na lista dos países entre os 15 maiores produtores, porém se destaca uma única e expressiva troca de posições: aquela entre o Brasil e a Índia.

O Brasil caiu da 6ª para a 9ª posição. Desde 2005 a parcela brasileira no valor adicionado da indústria de transformação mundial vem caindo, mas a variação entre 2014 e 2015 foi a mais significativa, de 2,6% para 2,3% em dólares constantes 2010.

Em suma, os últimos tempos foram de retrocesso para a indústria brasileira perante o mundo, fruto de tantos reveses e de efeitos tão adversos de algumas políticas executadas nas últimas décadas, a exemplo da política cambial. Contudo, cabe também lembrar que, mesmo assim, o Brasil ainda preserva certa presença no mapa industrial mundial, figurando entre as maiores indústrias do planeta.

O ranking mundial da indústria de transformação apresenta algumas diferenças importantes em relação às respectivas colocações e parcelas dos países no Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Os EUA permaneceram sendo a maior economia, com participação estável de 22,5% em 2014 e 2015, quase o dobro da China, que ocupou o segundo lugar com 11,7% em 2015. Japão, Alemanha e França posicionaram-se em seguida, sendo que a Coreia do Sul – quinta maior produtora de manufaturas, foi a 14ª maior economia em 2015.

O Brasil ficou em 8º lugar, com uma parcela de 3,0% do total, uma posição abaixo de 2014, quando sua fatia foi de 3,2%. A única alteração no ranking do PIB foi novamente a inversão de lugares entre Brasil e Índia.

Tomando-se os grupos de países de acordo com desenvolvimento industrial, em 2015 as economias industrializadas representavam 56,4% do VTI (valor adicionado da indústria de transformação) mundial em dólares constantes de 2010, e as economias industriais emergentes, 39,1%, sendo que somente a China correspondeu por 23,8% do total. Em 2005, essa relação era de 69% para economias industrializadas e 27% para economias industriais emergentes.

Economias industrializadas” compreendem aquelas em que a renda per capita era superior a US$ 20 mil PPP (Paridade do Poder de Compra, na sigla em inglês) ou que o VIT per capita era superior a US$ 2.500 PPP em 2005.

Economias industriais emergentes” são aquelas em que o VIT per capita estava entre US$ 1.000 e US$ 2.500 PPP em 2005, ou que a parcela no VIT mundial era superior a 0,5%.

Por fim, “outras economias em desenvolvimento” e “países menos desenvolvidos” incluem todos os demais casos – que responderam por cerca de 4,5% do VTI mundial em 2015.

Vale lembrar que os países da categoria “outros em desenvolvimento” e “menos desenvolvidos” possuíam 30% da população mundial em 2014, enquanto os países emergentes tinham 53% e os países desenvolvidos 17%.

São Paulo - Manifestação na Avenida Paulista, região central da capital, contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Rovena Rosa/Agência Brasil)

patocongresso

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s