Volta da Velha Matriz Neoliberal: Reconcentração da Renda do Trabalho

distribuicao-da-renda-real-do-trabalho

Enquanto economistas midiáticos se lamentam por o arrocho no salário médio real ainda não estar “como nos bons tempos neoliberais” — leia Gente, perdoai, os economistas não sabem o que dizem… –, Camilla Veras Mota (Valor, 21/09/16) informa que o rendimento médio real dos trabalhadores mais bem pagos continuou crescendo durante a recessão.

Levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mostra que a renda daqueles que estão entre os 10% mais bem remunerados no país aumentou 2,4% em termos reais no segundo trimestre deste ano, na comparação com o mesmo intervalo do ano passado. Ao lado dos trabalhadores que recebem exatamente um salário mínimo, esse foi o único grupo em que o rendimento cresceu nos últimos 12 meses.

A divisão por decis mostra que as maiores perdas foram registrados entre os mais vulneráveis, que recebem menos que o mínimo, e entre o penúltimo decil, com rendimento médio de R$ 2 mil. Nos três grupos, a queda média no intervalo de 12 meses foi de 8,8%. Os dados fazem parte da nova edição da Carta de Conjuntura do Ipea.

Diante do desempenho, o Índice de Gini da renda do trabalho daqueles que continuam empregados caiu de 0,492 no último trimestre de 2014, pouco antes do início da recessão do mercado de trabalho, para 0,487 no segundo trimestre de 2016.

Para o coordenador Grupo de Estudos de Conjuntura (Gecon) do Ipea, José Ronaldo de Souza, a retração, pouco significativa, ainda não indica que tenha havido aumento da desigualdade entre os ocupados. Quando se aumenta o escopo, contudo, a avaliação é diferente.

“Como muita gente perdeu o emprego, é provável que a queda do Gini tenha sido maior levando em conta a população como um todo”, pondera o economista.

O nível maior de qualificação dos trabalhadores com salários mais elevados e seu custo alto de demissão poderiam explicar o ganho real na renda mesmo diante do cenário adverso, pondera Souza. Para ele, as perdas nos salários intermediários é, em parte, reflexo do volume expressivo de demissões na indústria e na construção civil, setores entre os que mais sentiram a recessão.

A avaliação dos dados da Pnad Contínua mostrou que os grupos tradicionalmente mais suscetíveis ao desemprego foram aqueles que viram maior deterioração dos indicadores – jovens, mulheres, a região Nordeste, trabalhadores com ensino médio incompleto e de regiões metropolitanas.

Entre o quarto trimestre de 2014, ponto mínimo de desemprego na maioria dos grupos, e o segundo trimestre de 2016, a taxa avançou expressivos 11,5 pontos percentuais entre aqueles com até 24 anos, de 15,25% para 26,76%.

A principal surpresa, ele completa, foi o aumento de 132% do desemprego entre os trabalhadores com mais de 59 anos, de 2,05% para 4,75%. “Isso mostra que nenhum grupo conseguiu escapar da crise“, destacou.

Em apenas oito Estados a taxa de desemprego se encontra ainda abaixo dos 10% – nos três do Sul, Rondônia, Roraima, Piauí, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. As maiores taxas foram observadas no Amapá (15,8%) e na Bahia (15,4%), seguidos de Pernambuco (13,9%) e Alagoas (13,9%).

Os números já conhecidos deste segundo semestre sinalizam que o fim do ano também será de deterioração dos indicadores. Com dados dos acordos e convenções coletivas com início de vigência em agosto, o boletim Salariômetro de setembro de 2016 mostra que cresceu no período o volume de reajustes com perda real de salários. O boletim é uma publicação da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe)

Os dados, extraídos do Sistema Mediador do Ministério do Trabalho, mostram que 51,8% das correções negociadas no país não atingiram o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado em 12 meses, proporção que chegou a 36,2% em julho e 22% no mês anterior. Em agosto, o INPC acelerou de 9,55% e 9,62%.

Apesar da piora, a mediana dos ajuste negociados no a mediana dos ajuste negociados nos últimos 12 meses empatou com a inflação, assim como em julho. Em junho de 2016, houve ganho real marginal de 0,2%.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s