Abordagem Fundamentalista versus Abordagem Austríaca

vendas-nas-capitais

Mário Jorge Mendonça e Adolfo Sachsida (Brasília; Texto para Discussão do IPEA 1767; agosto de 2012) apontam diversas as dificuldades que surgem quanto ao emprego da abordagem descrita no post anterior para tratar a questão da bolha especulativa.

Primeiro, em relação à abordagem empírica, muitas questões são levantadas quanto à dificuldade do emprego de técnicas econométricas para detectar bolhas no preço dos ativos.

Segundo, neste estudo, existe ainda um complicador adicional referente à insuficiência de dados sobre preço de imóveis no Brasil.

Terceiro, a ocorrência de bolha deve-se justificar mais em mercados propensos a problemas de informação, o que não parece ser o caso do mercado imobiliário.

Quarto, a própria definição de bolha suscita controvérsia.

Analisando-se três casos famosos usados como exemplos de bolha na literatura, encontrou-se fortes indícios de que tal apelo para a existência de bolhas está longe de ser uma resposta convincente a estes três eventos. Em todos estes casos foi possível encontrar alterações nos fundamentos de mercado que justificaram as mudanças observadas no preço dos ativos, ou no estado da economia.

Por fim, admitir a ideia de bolha dentro da corrente principal [mainstream] é aceitar que, em certas situações diferentes das já previstas pela teoria econômica, o mecanismo de preço falha em promover a sinalização correta para a alocação eficiente de recursos. Em situações denominadas de “falhas de mercado”, a literatura ortodoxa mostra que o mecanismo de preços resultante do mercado não conduz a uma alocação eficiente de recursos para a sociedade.

Como se pode notar, o estudo sobre bolhas especulativas é permeado de dificuldades técnicas. Além disso, tais dificuldades se tornam maiores quando se levam em consideração os problemas estatísticos relacionados a pequenas amostras. Sendo assim, analisar a existência de uma bolha no mercado imobiliário brasileiro está longe de se constituir uma tarefa trivial.

Para direcionar esta pesquisa dos técnicos do IPEA de maneira a ser possível contornar os problemas explicitados anteriormente, a análise será realizada partindo-se de uma ideia simples: se os preços em determinado mercado se alteram, isto acontece por basicamente dois motivos.

Primeiro, ocorreu uma mudança nos fundamentos deste mercado – ou em mercados correlatos – que estariam levando a tal situação. Nesse sentido, as próprias forças de mercado conduziriam a um equilíbrio compatível com a nova ordenação.

Segundo, uma mudança de preço pode decorrer também devido à interferência do governo. Em uma situação específica, em que o preço de um ativo parece se elevar indefinidamente sem base nos fundamentos de mercado, tal como se verifica no caso da bolha especulativa, parte-se do pressuposto de que algum sinal, ou incentivo, estaria induzindo os agentes a entrar naquela empreitada.

Assim, o estouro da bolha evidencia, por definição, que erros de avaliação sistemáticos foram cometidos de modo generalizado.

Tendo-se em mente que o mercado oferece um treino para que os agentes econômicos possam aprimorar suas habilidades quanto à gerência dos seus próprios negócios, e que boa parte dos mercados não apresenta problemas significativos de informação, pergunta-se: como erros de previsão sistemáticos foram cometidos por tão longo tempo e de forma generalizada? De outro modo, como explicar que indivíduos bem treinados se deixem iludir acerca das reais oportunidades de negócios?

De acordo com a Escola Austríaca de economia, a priori, o responsável por tais erros de julgamento são as políticas governamentais de interferência – a manipulação da taxa de juros ou do direcionamento do crédito pelo governo é um exemplo de tais políticas.

Para a Escola Austríaca, as políticas governamentais fazem com que os agentes sejam levados a direcionar seus investimentos de modo a cometer erros sistemáticos de avaliação.

Ora, o credo ultraliberal chega à essa conclusão antes da análise dos fatos! Para que Ciência se acham que tudo é uma questão de Fé?!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s