Intolerância contra os Não Religiosos, Ateístas ou Agnósticos

ateusImportante reportagem sobre a intolerância dos religiosos contra os não religiosos e os ateus foi realizada por André Bernardo para a BBC Brasil em 6 novembro 2016. Reproduzo-a abaixo.

Antes saliento os significados das seguintes palavras:

Ateu: quem não crê em Deus ou nos deuses; ateísta. Antônimo de crente ou supersticioso.

Agnosticismo: doutrina que reputa inacessível ou incognoscível ao entendimento humano a compreensão dos problemas propostos pela metafísica ou religião (a existência de Deus, o sentido da vida e do universo etc.), na medida em que ultrapassam o método empírico de comprovação científica.

Religião: crença na existência de um poder ou princípio superior, sobrenatural, do qual depende o destino do ser humano e ao qual se deve respeito e obediência.

Sobrenatural: que ultrapassa o natural, fora das leis naturais, fora do comum, sobre-humano. Portanto, não-científico, pois não sujeito à observação e/ou experimentação.

ateismo2

“Passava das 22h30 do último dia 2 de outubro quando o então candidato a vereador por São Paulo Edmar Luz (PPS-SP) publicou em seu perfil no Facebook uma nota de agradecimento aos 709 eleitores que votaram nele. Minutos depois, começaram a surgir as primeiras mensagens em sua timeline: algumas de apoio, outras de zombaria.

Dos mais de 480 mil candidatos a vereador, Edmar era o único declaradamente ateu do Brasil. “Enquanto uns demonstram curiosidade em saber como um ateu lida com as questões cruciais da vida, como morte e doença, outros, mais exaltados, reagem com desprezo e agressividade”, relata o candidato.

Durante a campanha, Edmar perdeu a conta das vezes em que foi insultado nas ruas. A cena era sempre a mesma: ele distribuía o “santinho” com a propaganda política, o eleitor dava uma rápida lida no papel e, dali a pouco, vociferava algum palavrão, indignado.

“Demônio” e “Satanás” eram os mais recorrentes. Não bastasse, ele sofreu ataques nas redes sociais e, o mais curioso, recebeu críticas até de quem também se diz ateu.

Mas Edmar diz não se intimidar: afirma que continuará a defender, nas próximas eleições, um Estado laico de fato e o fim do preconceito contra ateus.

Uma pesquisa de 2007 encomendada ao CNT/Sensus revelou que apenas 13% dos eleitores brasileiros votariam em um candidato ateu para presidente da República. Para efeito de comparação: 84% votariam em um negro, 57% em uma mulher e 32% em um homossexual.

Até hoje, há quem diga que Fernando Henrique Cardoso só não ganhou de Jânio Quadros na disputa pela prefeitura de São Paulo, em 1985, porque titubeou diante de uma pergunta do jornalista Boris Casoy, no último debate na TV, sobre sua crença em Deus.

“É difícil ser ateu no Brasil porque negar a existência de Deus contraria o modo de viver da maioria da população”, analisa Geraldo José de Paiva, coordenador do Laboratório de Psicologia Social da Religião, do Instituto de Psicologia da USP. “Mexer com Deus é como mexer com a mãe”, compara.

Religião não define caráter

No Brasil, a rejeição aos ateus não se limita aos que pleiteiam cargos políticos. Levantamento da Fundação Perseu Abramo, de 2008, mostra que 42% dos brasileiros admitem sentir aversão aos descrentes. Desses, 17% declararam sentir ódio ou repulsa e 25%, antipatia.

“Já fui até ameaçado de morte”, afirma Daniel Sottomayor, um engenheiro civil que ajudou a fundar, em 2008, a Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) ─ entidade que reúne 17 mil membros e mais de 592 mil seguidores no Facebook.

Inspirada em uma campanha britânica, a Atea tentou estampar anúncios em ônibus de quatro capitais brasileiras, em 2010. Não conseguiu. A propaganda foi considerada ofensiva e rejeitada pelas empresas. Um ano depois, nova investida. Dessa vez, a associação conseguiu espalhar alguns poucos outdoors pelas ruas de Porto Alegre (RS), com slogans do tipo “Religião não define caráter” ou “Somos todos ateus com os deuses dos outros”.

“Enquanto as notas de Real louvarem a Deus, as escolas públicas tiverem ensino religioso e as repartições do governo ostentarem crucifixos, os ateus continuarão ser tratados como cidadãos de segunda classe”, protesta Sottomayor.

Na opinião do biólogo Eli Vieira Araújo, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, campanhas ateístas não são efetivas porque se valem de slogans que, como qualquer frase de efeito, estão “cheios de furos”.

É o caso de “A fé não dá respostas. Só impede perguntas”. “Sabe quem refutaria essa frase? Isaac Newton. Ele fez ciência só até por volta dos 30 anos. Depois disso, dedicou-se à teologia”, diz Araújo.

Um dos fundadores da Liga Humanista Secular do Brasil (LiHS), Eli afirma que, quando o assunto é não ter vergonha de se assumir publicamente, ateus e agnósticos ainda têm muito a aprender com a experiência de gays e lésbicas.

“Embora ainda seja difícil para muita gente lidar com LGBTs fazendo carícias públicas, até quem tem ojeriza a eles reconhece que estão dentro de sua liberdade num país laico”, analisa.

O preconceito que ateus e agnósticos sofrem ao redor do mundo encorajou o cineasta Micael Langer a abordar o tema em Godless – The Truth Beyond Belief (Sem Deus – a verdade além da crença, em tradução livre) que deve chegar aos cinemas no segundo semestre de 2017.

Em alguns países, negar a existência de uma entidade divina pode significar a perda do emprego. Em outros, uma sentença de morte. “Muitas vezes, os ateus preferem se trancar no armário a passar por situações constrangedoras”, diz.

Até o momento, Langer já entrevistou dois dos incrédulos mais famosos do planeta: o biólogo evolucionista britânico Richard Dawkins, autor de Deus, Um Delírio, e o sociólogo americano Phil Zuckerman, de A Sociedade Sem Deus.

“O público-alvo do meu filme não são os ateus. Meu objetivo é trazer um pouco de luz a um debate que, apesar de ser importante e afetar a vida de milhões de pessoas, costuma ser varrido para debaixo do tapete.”

Deus prefere os ateus

Originalmente, um dos entrevistados de Godless seria Drauzio Varella. Quando ele diz às pessoas que não segue uma religião ou acredita em Deus, quase sempre ouve a mesma resposta: “Mas, o senhor? Uma pessoa tão boa…”. ”

Muita gente enxerga os ateus por um viés religioso, como se fôssemos anticristos a serviço do demônio”, ironiza o músico e escritor Tony Bellotto, que diz ter “saído do armário” por influência de Christopher Hitchens, jornalista e escritor britânico que morreu em 2011.

“Não compreendem que alguém pode ser ético, solidário e feliz seguindo princípios humanistas e não preceitos religiosos”, completa Bellotto, que tem em seu escritório uma placa onde se lê: “Deus prefere os ateus”.

Desde que assumiu publicamente sua não-crença, o guitarrista dos Titãs já passou por situações, no mínimo, inusitadas. Certa vez, uma senhora no avião tirou da bolsa um folheto evangélico do tipo “Jesus te ama” e ofereceu a ele, com a seguinte recomendação: “Leia isso, vai te fazer bem”. Quando Tony avisou que não acreditava em Deus, foi obrigado a ouvir: “Mas, você tem que acreditar em alguma coisa!”.

“Volta e meia, alguns me provocam dizendo que, na hora da morte, apelarei para Deus. A esses, recomendo a leitura de Últimas Palavras”, rebate Bellotto, citando o livro póstumo de seu ateu favorito, Hitchens.

A neurocientista Suzana Herculano-Houzel, da Universidade de Vanderbilt, nos EUA, também demorou a se declarar ateia. Por recomendação da mãe, sempre relutou em dizer em cadeia nacional que não acreditava em Deus.

Em 2010, porém, ela rompeu o silêncio. Na crônica “Sou ateia e sinto-me discriminada”. Na época, recebeu dezenas de e-mails, a maioria deles em tom condescendente, lamentando sua posição.

“Proselitismo é um saco: pró ou contra religião. Ser vítima de pregação é sempre desagradável. É uma pena que alguns ateus não entendam que as pessoas religiosas têm tanto direito à sua religião quanto nós ao ateísmo”, afirma.

Mas, afinal, o que pode ser feito para combater a intolerância? Para Tony Bellotto, não se deve misturar educação com religião. “A doutrinação religiosa tem que estar fora das escolas”, enfatiza o músico.

Daniel Sottomayor, da Atea, defende leis mais duras contra quem discrimina ateus e agnósticos. Já Suzana Herculano-Houzel propõe incentivar as pessoas a pensar por si mesmas, a ter espírito crítico e a exigir evidências antes de aceitar a palavra alheia. “Mas a convicção tanto de que Deus existe quanto de que ele não existe deve ser sempre respeitada”, sublinha a cientista.

3 thoughts on “Intolerância contra os Não Religiosos, Ateístas ou Agnósticos

  1. Ateus ou antiteístas: vitimas de intolerância ou a busca da relêvancia social?
    1. Se Deus não existe por que lutar contra Ele? Há um dom Quixote dentro da alma de cada ateu!
    2. Se a fé (ou convicção religiosa) é uma ILUSÃO, por certo a REALIDADE – enquanto fatuidade e não como CONCEITO ( conceptus = real concebido) a diluirá na concretude adversa da materialidade a fomentar a penúria e a angústia de um modo de vida econômica e socialmente excludente.
    3. Os “sábios” ateus seriam mais inteligentes se, de antes de dispender suas energias cognitivas na pretensão de demonstrar a não-existência de Deus…, seriam mais ouvidos, se na senda de Marx (não dos “marxistas”) se desnudasse as diversas CRENÇAS em Deus enquanto aparatos Ideológicos.
    4. Se tomassem como desafio intelectual a premissa joanéica “conheceis a verdade e verdade vos libertará”. Para tanto deveriam ler com honestidade cognitiva (=”epismete”; deixando em suspenso as “questões” do campo hermenêutico…) tanto Tomás de Aquino, Anselmo de Aosta, Hume, Kierkegaard, Husserl, Camus e Hawking… à luz das evidências empíricas e históricas da destruição da natureza humana (geofísica) levada a termo pela máquina capitalista.
    5. Também tomassem como “programa cientifico” refutar os incômodos questionadores dos desvãos do “agir humano” que permeia as personagens de Tolstói.
    6. Se não “creio” na existência de Deus.. me ocupar em combater e refutar a Religião é atitude quixotesca.
    7. Se a “regra de ouro” prevalente nas sociedades humanas indica que a “vontade” de maioria “pre-domina”. É intolerância da “minoria” DIZER que a maioria é errada! A realidade (real concebido) é uma construção social… eivada de todas as espécies de condicionantes históricas, pulsionais, passionais, de poder politico. É sabido os descaminhos a que levou o pretenso projeto humanista da Razão iluminista (e suas mitificações = (des)razões). Nas perversidades do poder… Vide os Napoleões (tio e sobrinho), Bismarck, Hitler, Stálin, Pol Pot. Bush (pai e filho).Freud não explica, “creio” que Marcuse, Foucault e outros, sim.
    8. Ao ser “minoria” por que se transvestir de vitimas no deserto do niilismo da dessocialização ôntica decorrente do individualismo possessivo reinante na contemporaneidade? É a busca de um lugar ao sol no espraiar da indiferença de valores e crenças, religiosas e políticas? Vide a derrocada do tal projeto “socialista” (nem um pouco democrático e popular) do lulopetismo. Seria a descrença que levaram “ministros” então poderosos pelos descaminhos das tais propinas (são acusações)… e por fim a cadeira “morisca”?
    9. Camus – O Mito de Sísifo – certamente é “grande” reportagem para está inquieto e incomodado com as crenças em Deus.
    10. Por fim tenha a “crença” que Cruzeiro não será rebaixado. Principalmente depois que o goleiro Fábio “mão molenga” saiu do time. Obra de deus! Espero que sim. Rsrsrs

    1. Prezado Cesar,
      confesso que não li tudo, mas compartilho da última crença. Embora o Fábio louve Deus em três de cada duas palavras que pronuncia, prefiro o Rafael. Não é o arcanjo Gabriel, mas como voa!🙂

      PS: quando vejo a expressão “lulopetismo” lembro-me da Veja e não vejo o restante, pois deduzo que é reaça e costumo jogar no lixo…

  2. Prezado Fernando,

    vejo os religiosos como miseráveis caminhando pelo deserto do real, carregando suas cruzes para vivenciar um sofrimento imposto a eles por eles mesmos (são os verdadeiros niilistas), não há melhor definição para pessoas que estão profundamente arraigadas em pseudocrenças, pseudociência, acreditam em coisas inexistentes que tornam nosso país extremante atrasado, culpa de mentes dominadas pela metafísica, doentias e retrógradas.

    Segue as afirmações do cosmólogo Ateu Sean Carroll (Mit/Harvard): “Caso adentrarmos aos departamentos de cosmologia, astrobiologia, biologia, neurociência ou filosofia; pessoas cujos trabalhos é estudar os fenômenos do mundo para montar um quadro explicativo que concorde com o que nós vemos (a natureza), ninguém menciona Deus. Nunca há o apelo a um reino sobrenatural (metafísico) por pessoas cujo trabalho é explicar o que acontece no mundo. Sabemos que as explicações naturais são as que funcionam.

    Sob o aspecto moral, o universo não está preocupado conosco (como afirmado pelas religiões), nossa existência é apenas acidental e tudo segue a trajetória das possibilidades. O cosmos é formado em sua maior parte por espaço/tempo vazios, partículas elementares que não têm inteligência, não faz julgamentos e não tem senso de certo e errado. E o medo que há, a ansiedade existencial que há, é: se propósito e sentido não são dados para mim pelo Universo, portanto não existem.

    Mas o medo também é um equívoco em virtude de: propósito e sentido em relação ao mundo, ser apenas uma criação puramente humana e natural.”

    Cada Ateu do planeta deseja que as pessoas parem de dizer que a comunicação que deu origem às nossas palavras seja usada pelas religiões que inventaram uma Bíblia (um livro como qualquer outro), e ousam afirmar (abusando da inteligência da humanidade), que foi ditada por um Deus – uma pseudo definição de sentido que hoje não serve para mais nada e precisa urgente ser eliminado: Deus=Null. Isso é um completo absurdo, tão grande, que todas as crianças do planeta já sabem se tratar de um conto de fadas.

    É mérito de Dewey ter explicado que “só atingiremos a maturidade política no momento em que conseguirmos dispensar qualquer cultura metafísica, qualquer cultura que creia em poderes e forças não-humanas”. Abs.

    Para novas reflexões sobre o Universo recomendo este livro: The Big Picture – Sean Carroll Epub: https://drive.google.com/open?id=0B-IzSwsM47necmMzR29GMmxfMGM

    Segue a explicação de Leandro Karnal sobre seu ateísmo:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s