BNDES: Entre o Desenvolvimentismo e o Neoliberalismo (1982-2004)

BNDES - EntradaRecebi a seguinte mensagem de uma querida amiga, cuja obra recomendo fortemente a leitura:

Caríssimos amigos,

Talvez para vocês não tenha a importância que tem para mim, mas não posso deixar de compartilhar a alegria que sinto por mais um trabalho de fôlego que realizei.

Nos últimos dois anos, vivi enrolada e envolvida com essa pesquisa, me afastando de amigos, trabalhando nos finais de semana, virando noite … Hoje, recebi a notícia de que meu trabalho estava pronto e impresso. Este, sinceramente, é o terceiro trabalho importante que fiz. Tenho várias outras publicações, mas nada relevante…

Em 2004, ter escrito um artigo sobre O Poder das Telecomunicações dos EUA, publicado em O Poder Americano, do Prof. J. L. Fiori, me valeu o elogio do Paulo Arantes, professor da USP. Recentemente, com as denúncias do Snowden, percebi a importância do que havia escrito, mesmo que não soubesse muito bem a dimensão sistêmica quando escrevi o artigo.

Em 2010, o Centro Celso Furtado publicou uma pesquisa, coordenada pela Conceição Tavares, da qual participei. Escrevemos sobre o BNDES – 1952 a 1982, ou seja, escrevemos sobre a história do Banco desde a sua criação até a guinada que sofreu em meio à crise da dívida externa. Esta publicação é considerada de referência sobre o Banco, já esgotada.

Agora, em 2016, sob a minha coordenação, depois de muito lutar para que o Centro Celso Furtado financiasse a pesquisa, Memórias do Desenvolvimento nº 5 | BNDES: Entre o desenvolvimentismo e o neoliberalismo (1982-2004). Escrevemos sobre o período das privatizações, analisando o BNDES de 1982 a 2004. É um trabalho relevante, tenho certeza!

Analisamos o processo de evolução das privatizações dentro do BNDES. Entrevistamos vários divergentes, como o Persio Arida, o Mendonça de Barros, a Elena Landau, o Fernando Perrone, enfim, entrevistamos aqueles que comandaram e estruturaram as privatizações no Brasil. Creiam-me, é uma pesquisa importante e por nos termos, mesmo que aos trancos e barrancos, ter dado conta dela…

Beijo a todos,

Mando o link, pois vá lá que alguém queira dar uma olhadinha ….
  
http://www.centrocelsofurtado.org.br/arquivos/image/201612091725190.Mem%C3%B3rias%20do%20desenvolvimento%205.pdf  
 
Gloria Moraes

DSc. Engenharia de Produção
Professora de Economia da Universidade Mackenzie – Rio

Memórias do Desenvolvimento nº 5 | BNDES: Entre o desenvolvimentismo e o neoliberalismo (1982-2004)

 

A pesquisa “BNDES: Entre o desenvolvimentismo e o neoliberalismo (1982-2004)”, publicada pelo Centro Celso Furtado no número 5 da coleção Memórias do Desenvolvimento, é a continuação de “O papel do BNDE na industrialização do Brasil: Os anos dourados do desenvolvimentismo (1952-1982)”, publicado em 2010, no volume 4.
Desta vez, o trabalho de investigação tem como ponto de partida o ano de 1982, quando o Banco sofreu diversas e importantes modificações institucionais, inclusive o acréscimo do “S” em sua sigla. A década foi intensa em transformações na economia brasileira, abarcando a crise da dívida externa e a aceleração inflacionária, bem como as primeiras medidas de abertura externa, além das privatizações, cruciais para, na década seguinte, caracterizar com mais clareza o novo modelo econômico brasileiro, que definitivamente deixava para trás o período desenvolvimentista.

Nesse ínterim, o Banco diversificou sua atuação, assumindo o agronegócio em sua carteira, financiando o comércio exterior e desenvolvendo expertise para tocar o programa de privatizações. Se para uns o Banco modernizou seu padrão de atuação, adaptando-se aos novos tempos, para outros houve subversão das funções típicas de um banco de desenvolvimento em um contexto no qual o desenvolvimento já não figurava mais entre os principais objetivos dos formuladores da estratégia econômica nacional, pelo menos nos padrões historicamente vigentes.

Seja qual for a interpretação, os 22 anos pesquisados foram cruciais para a trajetória da instituição, que chega ao fim da primeira década do novo século figurando entre os maiores bancos de desenvolvimento do mundo. Este trabalho procura contribuir para o entendimento desse período.

A equipe da pesquisa BNDES: Entre o desenvolvimentismo e o neoliberalismo (1982-2004), amparada pelo Centro Celso Furtado, consultou os documentos oficiais do BNDES – notadamente os relatórios anuais de atividade e os relatórios de privatização – e procura oferecer ao leitor uma ampla gama de dados para caracterizar a atuação do Banco.
A pesquisa, é óbvio, não se encerra nas informações estatísticas, recorrendo também a um trabalho de história oral, colhendo 13 depoimentos de ex-funcionários e quadros que atuaram no Banco entre 1982 e 2004. O leitor poderá conhecer um pouco da atuação de Elena Landau, Carlos Lessa, Darc Costa, Ernani Torres, Fernando Perrone, Licínio Velasco Jr., Luiz Carlos Mendonça de Barros, Márcio Fortes, Marco Antônio Araújo Lima, Paulo Faveret, Pio Borges, Persio Arida e Regis Bonelli.
Os depoimentos transbordam a atuação do Banco, permitindo ao leitor interessado na reconstituição da história econômica recente do Brasil uma importante fonte primária para compreender esse período sob o olhar de quem participou de decisões fundamentais para definir os rumos de nossa trajetória econômica.
Este volume e todos os outros de Memórias do Desenvolvimento podem ser acessados na íntegra no site do Centro Celso Furtado: www.centrocelsofurtado.org.br

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s