China: Consequências do Fim da Política de Filho Único

piramide-demografica-na-china

The Economist (24/02/2017) informa que a China é o país mais populoso do mundo, mas também é um dos mais rápidos em envelhecimento de sua população.

Assim, foi com alguma fanfarra que a Comissão Nacional de Saúde e Planejamento Familiar anunciou, em 22 de janeiro de 2017, que a taxa de natalidade do país subiu em 2016. Quase 18,5 milhões de bebês nasceram no ano passado, um salto anual de 11,5%.

O Escritório Nacional de Estatísticas também anunciou seus próprios números ao mesmo tempo: ele disse que o número de nascimentos subiu 8% para quase 18 milhões, o maior número desde 2000, e o maior aumento anual em três décadas.

Esses números são baseados em um levantamento por amostra da população e não dos registros hospitalares, daí a diferença. Ambas são metodologias válidas, e confirmam a mesma tendência.

O pico vem na esteira do país que supera sua antiga política de filho único, embora o número de nascimentos já estivesse subindo após um relaxamento das regras em 2013. A mudança na política parece ter tido um impacto na percentagem: cerca de 45% dos recém-nascidos no ano passado foi o segundo filho, em comparação com 30% antes de 2013.

A comissão calcula que haverá entre 17 e 20 milhões de nascimentos por ano até 2020. Os funcionários do governo agora projetam ansiosamente que a taxa de natalidade aumentaria 30 milhões de pessoas para a força de trabalho de 2050.

À primeira vista, esta soma soa enorme: é aproximadamente toda a população do Peru. No entanto, no contexto chinês, ainda é provavelmente insuficiente para curar os problemas demográficos do país.

Quando a política de filho único foi introduzida em 1979, um terço da população tinha menos de 15 anos. O número de pessoas em idade ativa aumentou rapidamente à medida que ingressavam no mercado de trabalho. Mas atingiu o pico em 2013, e hoje o país está grisalho.

Um em cada dez chineses tem 65 anos ou mais. Em 2050, os pensionistas terão cerca de 370 milhões de habitantes e representam mais de um quarto da população. Isso coloca um fardo financeiro maior sobre os ativos, quando há a diminuição da participação dos trabalhadores que devem apoiar os inativos.

Embora os últimos números sejam lisonjeados em comparação com o passado recente, eles parecem muito menos impressionantes em um contexto histórico mais amplo. A taxa de natalidade da China foi praticamente a mesma nos anos 90, e significativamente maior em torno de seu pico de 1980.

Infelizmente, levará mais tempo do que simplesmente acabar com as restrições legais para o país acelerar a recente melhora. Uma pesquisa realizada em 2015 constatou que três quartos dos chineses disseram que não queriam um segundo filho, principalmente por causa da despesa e falta de apoio.

A comissão sugere que o governo introduza medidas amigas da infância como incentivos fiscais e licença de maternidade prolongada para famílias com dois filhos. Se tais iniciativas persuadir os chineses que foram criados para ter um filho a considerar outro ainda está para ser visto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s