Pensamento Positivo

leis-e-teorias

O Estado Positivo caracteriza-se, segundo Auguste Comte, interpretado por José Arthur Giannotti, pela subordinação da imaginação e da argumentação à observação.

Cada proposição enunciada de maneira positiva deve corresponder a um fato, seja particular, seja universal. Isso não significa, porém, que Comte defenda um empirismo puro, ou seja, a redução de todo conhecimento à apreensão exclusiva de fatos isolados.

A visão positiva dos fatos abandona a consideração das causas dos fenômenos (procedimento teológico ou metafísico) e torna-se pesquisa de suas leis, entendidos como relações constantes entre fenômenos observáveis. Quando procura conhecer fenômenos psicológicos, o espírito positivo deve visar às relações imutáveis presentes neles — como quando trata de fenômenos físicos, como o movimento ou a massa; só assim conseguiria realmente explicá-los.

Segundo Comte, a procura de leis imutáveis ocorreu pela primeira vez na história quando os antigos gregos criaram a Astronomia Matemática. Na época moderna, o mesmo procedimento reaparece em Bacon (1561-1626), Galileu (1564-1642) e René Descartes (1596-1650), os fundadores da Filosofia Positiva, para Comte.

A Filosofia Positiva, ao contrário dos Estados Teológico e Metafísico, considera impossível a redução dos fenômenos naturais a um só princípio: Deus, natureza ou outro equivalente. Segundo Comte, a experiência nunca mostra mais do que uma limitada interconexão entre determinados fenômenos.

Cada Ciência ocupa-se apenas com certo grupo de fenômenos, irredutíveis uns aos outros. A unidade que o conhecimento pode alcançar seria, assim, inteiramente subjetiva, radicando no fato de empregar-se um mesmo método, seja qual for o campo em questão: uma idêntica metodologia produz convergência e homogeneidade de teorias.

Essa unidade do conhecimento não é apenas individual, mas também coletiva. Isso faz da Filosofia Positiva o fundamento intelectual da fraternidade entre os homens, possibilitando a vida prática em comum.

A união entre a teoria e a prática seria muito mais íntima no Estado Positivo do que nos anteriores, pois o conhecimento das relações constantes entre os fenômenos torna possível determinar seu futuro desenvolvimento. [FNC: nasceria aí o “determinismo histórico”?]

O conhecimento positivo caracteriza-se pela previsibilidade: “ver para prever” é o lema da Ciência Positiva. A previsibilidade científica permite o desenvolvimento da técnica. Assim, o Estado Positivo corresponde à indústria, no sentido de exploração da natureza pelo homem.

Em suma, o espírito positivo, segundo Comte, instaura as ciências como investigação:

  1. do real,
  2. do certo e indubitável,
  3. do precisamente determinado e
  4. do útil.

Nos domínios do social e do político, O Estágio Positivo do Espírito Humano marcaria a passagem:

  1. do poder espiritual para as orientações dos sábios e cientistas e
  2. do poder material para o controle dos industriais [exploradores da natureza].

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s