Oferta de Moeda Endógena por Forças do Mercado: Multiplicação Monetária no Sistema Bancário

Meu colega, Miguel Bacic, enviou-me gentilmente um artigo que pode ser do interesse dos seguidores deste modesto blog pessoal:

Bancos privados é que criam 97% de todo o dinheiro – não os governos ou os bancos centrais

por George Washington

Quem cria a moeda?

A maior parte das pessoas supõe que a moeda é criada por governos… ou talvez pelos bancos centrais.

Na realidade – como foi observado pelo Banco da Inglaterra, o banco central britânico – 97% de toda a moeda em circulação é criada pelos bancos privados.

Empréstimos bancários = Criação de moeda a partir do ar [FNC: na verdade, da alavancagem do capital próprio pelo banco que recebeu autorização da Autoridade Monetária.]

Mas como é que os bancos privados criam moeda?

Fomos ensinados que os bancos primeiro captam depósitos e a seguir eles emprestam esses depósitos às pessoas que querem contrair empréstimos.

Mas isto é um mito… O Banco da Inglaterra e o banco central alemão já explicaram que os empréstimos são concedidos antes de os depósitos existirem… e que os empréstimos criam depósitos.

A afirmação acima é de um vídeo oficial divulgado pelo Banco da Inglaterra. O Banco da Inglaterra explica :

Continue reading “Oferta de Moeda Endógena por Forças do Mercado: Multiplicação Monetária no Sistema Bancário”

Ernani Torres: a Casta dos Sábios-Tecnocratas e as Privatizações

ernani

Outro ponto polêmico na vida do BNDES foi ter feito as privatizações, sendo um banco de desenvolvimento. Ernani Torres avalia a atuação do BNDES nas privatizações na entrevista concedida aos pesquisadores Gloria Maria Moraes da Costa (coordenadora), Hildete Pereira de Melo e Victor Leonardo de Araújo, no livro “BNDES: Entre o Desenvolvimentismo e o Neoliberalismo (1982-2004)” (Rio de Janeiro: CICEF, 2016).

Depõe: “Em toda a sua existência, o BNDES teve momentos de altos e baixos que vão junto com a economia brasileira. E aí, mesmo quando a economia segue em baixa, se o Estado elege o BNDES como seu instrumento de atuação, como foi no caso da privatização, o Banco vai fazer. O Banco tinha uma burocracia mais confiável, por isso foi escolhido para fazer a privatização. Isso foi bom para a instituição? Foi excelente. A gente pegou um monte de crédito podre, limpou o balanço do Banco.

Quando a crise bancária após 1994 veio, o Banco do Brasil teve de ser resgatado, a Caixa teve de ser resgatada, mas o Banco não precisou ser resgatado. A privatização teve o significado de uma reestruturação de ativos e passivos nessa República que mais tarde seria um dos motivos que fez com que a economia começasse a se recuperar depois de 2004. Continue reading “Ernani Torres: a Casta dos Sábios-Tecnocratas e as Privatizações”