60 Anos da União Europeia

Valentina Pop (Valor, 25/03/17) informa que, para os líderes da União Europeia (UE), o encontro, em Roma, para comemorar o 60o aniversário do tratado de fundação do bloco, pretendia ser uma celebração genuína de um experimento bem-sucedido visando a reconstrução de um continente marcado pelas cicatrizes de duas guerras mundiais. Mas o Brexit, o mal-estar econômico, a imigração, a hostilidade russa, a indiferença dos Estados Unidos e o crescente ânimo nacionalista em toda a Europa estragaram a festa de aniversário.

Essa nuvem de problemas, claramente reforçada pela ausência da primeira-ministra britânica Theresa May na comemoração, revela profundas divisões entre as nações mais ricas e mais pobres do bloco, entre os falcões fiscais no norte e as nações devedoras no sul, e entre países ex-comunistas do leste e países membros do oeste.

Manter sintonizadas as seis nações que originalmente assinaram o Tratado de Roma em 1957 — que dirá as 22 que aderiram posteriormente — parece agora um grande desafio.

A crise econômica na zona euro, que atingiu seu auge em 2012, prejudicou gravemente o crescimento em toda a Europa, aumentou o desemprego e expôs uma falta de competitividade entre os 19 membros da UE que usam o euro e constituem a união monetária.

A crise migratória, três anos mais tarde, expôs as divisões do bloco, enquanto os governos discutiam publicamente sobre quem era o culpado, e os países da Europa Central e Oriental recusaram-se a permitir que Bruxelas estabelecesse cotas para admissão de refugiados.

Agora, o bloco observa nervosamente o avanço de Marine Le Pen, de extrema-direita e anti-UE, para a liderança nas pesquisas para o primeiro turno das eleições presidenciais francesas no próximo mês, e de um partido populista anti-islâmico e antieuro na Alemanha progredir nas eleições parlamentares que serão realizadas em setembro.

Para alguns membros da UE, a cura para os males do bloco é outra ideia galvanizadora que, de alguma forma, poderia ser codificada na declaração que deverá culminar a comemoração neste fim de semana.

Mas propostas arrojadas, como um Exército Comum ou um sistema europeu de aposentadoria, não receberam apoio dos líderes da UE. Antes da cúpula, a ideia de graus mais frouxos de integração na UE também não recebeu apoio suficiente.

Os signatários originais do tratado – França, Alemanha, Itália e os Estados do Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo) – reconfiguraram como “Europa de multivelocidades” a antiga ideia de fazer a zona euro avançar com maior integração econômica e política. Ao mesmo tempo, os oito membros restantes do bloco após o Brexit manteriam vínculos mais frouxos.

O ex-premiê italiano Enrico Letta diz que “a Europa de várias velocidades” é “a única maneira de manter os 27 unidos, e permitir que os países centrais, fundadores da zona do euro, avancem mais além, caso queiram”.

O bloco tornou-se demasiado heterogêneo e as divisões sobre o equilíbrio de poder demasiado profundas para que a união funcione eficientemente.

Mas os países da Europa Central e Oriental continuam a se opor à “a Europa de várias velocidades”, e têm rejeitado os esforços para consagrá-la em documento.

Embora o grau de integração entre os membros do bloco europeu hoje varie amplamente – por exemplo, nem todos os países da UE compartilham o euro e viagens sem fronteiras -, esses países temem há muito tempo que tal esquema venha a significar menos subsídios.

Mais recentemente, eles também passaram a ver isso como uma punição por sua relutância ou recusa em acolher refugiados de países muçulmanos.

Radoslaw Sikorski, ex-ministro das Relações Exteriores da Polônia, diz que “a Europa de várias velocidades” é hoje uma realidade em muitos aspectos, e alguns políticos de sua região o equiparam a uma “Europa em duas velocidades”, onde a periferia não teria voz sobre as decisões tomadas pelo centro.

“Duas velocidades é algo que os países centrais veem como necessário para preservar a zona do euro e algo que a periferia considera ser uma apropriação de poder”, diz ele.

Sikorski diz que a divisão econômica entre o leste e o oeste do bloco está se estreitando e não perdurará. Em poucos anos, alguns países da Europa Central, como a República Tcheca, deixarão de ter direito a subsídios da UE destinados a regiões mais pobres, disse ele.

Citando a vitória do primeiro-ministro Mark Rutte sobre o candidato anti-UE Geert Wilders nas eleições holandesas no início deste mês, Sikorski acredita que os ventos nacionalistas que impactam a UE vão se abrandar.

“Espero que Brexit e [o presidente americano Donald] Trump, Marine Le Pen e a ciberguerra russa tenham nos assustado o suficiente para considerarmos o que estamos prestes a perder”, disse ele.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s