JBS Hedgeada (“Protegida”) Sem Temer Risco PMDB

Preparando aula de hoje sobre Mercado de Futuros e/ou Derivativos, reli um artigo de Michael M. Phillips, publicado no The Wall Street Journal, em 15/07/2010. Achei engraçado observar o conluio/confronto entre “profissionais do PMDB“, que consideravam os petistas amadores, e profissionais da JBS, que atuam no Mercado de Futuros nos States. Quem “jantou” quem?

Esses caipiras deram um banho em Marcelo Odebrecht”, disse um auditor do TCU à repórter da piauí Consuelo Dieguez. Na reportagem Um golpe de mestre, a jornalista conta como os donos da JBS prepararam uma delação que os deixou de mãos livres e bolsos cheios. Em fevereiro de 2015, Consuelo escreveu o perfil dos irmãos Wesley e Joesley Bastista e explicou como o BNDES ajudou a transformar a Friboi na maior empresa de carnes do mundo. O texto está aberto para não-assinantes aqui.

“O produtor agrícola Jim Kreutz usa derivativos para amortecer o impacto no caso de os preços de milho para ração animal caírem antes da colheita. Seu cunhado, o criador de gado Jon Reeson, também recorre aos derivativos para fazer o hedge do preço de seus bois. A cooperativa de produtores locais usa os derivativos para financiar um preço fixo para o diesel dos caminhões que levam o gado para o matadouro. E a unidade de processamento da JBS usa os derivativos para estabilizar os custos, do gás natural às moedas estrangeiras.

(…)

Os derivativos são instrumentos financeiros cujos valores “derivam” de uma outra coisa, tais como taxas de juros ou óleo para aquecimento. Os primeiros derivativos foram futuros agrícolas, que apareceram nos EUA no fim da Guerra Civil e se tornaram uma faceta padrão dos negócios das empresas em todo o país.

(…)

A incerteza reina em Giltner, uma cidade com 400 moradores neste Estado central dos EUA. À primeira vista, a paisagem de Giltner parece sem graça, um horizonte com plantações de milho e de soja a perder de vista. Mas os detalhes são mais sutis, com flores silvestres e riachos à sombra. Por toda parte, os sistemas de aço galvanizado para regar as plantas cobrem os campos como gigantescos bichos-pau.

Kreutz, um homem extrovertido de 36 anos, de cabelo louro escuro bem curto e pescoço queimado de sol, abandonou uma carreira em finanças e assumiu uma fazenda da família, de 1.100 hectares, depois da morte do pai. Enquanto trabalha no campo, ele checa os preços futuros dos produtos agrícolas no smartphone.

Eis como ele opera: no começo do verão, digamos, ele vê que o preço na Bolsa de Chicago de um contrato futuro de milho com entrega meses depois está em US$ 3,56 o bushel. Se gosta do preço e quer assegurá-lo, ele liga para a AgWest e vende um contrato futuro para 5.000 bushels. O futuro é um derivativo, no qual o preço do milho é definido para entrega no futuro, embora o produto não vá trocar de mãos. Ao invés dele, quando a data de vencimento do contrato se aproximar, Kreutz e o comprador do contrato farão o acerto – de fato – com um cheque.

No outono americano, quando Kreutz está pronto para entregar sua colheita à cooperativa local, o preço de mercado pode ter ficado 50 centavos de dólar mais baixo. Ele vai vender o milho que tem em mãos por esse valor. Mas vai compensar a diferença por meio do hedge financeiro. (Kreutz compra novos contratos futuros a preços mais baixos para cumprir o acordo anterior, ganhando 50 centavos de dólar.) No fim, ele vai ter atingido o preço alvo que fixou no começo do ano, menos a taxa de corretagem.

Se o preço subir no verão, como ocorreu durante a crise dos alimentos há dois anos, Kreutz terá que dar mais dinheiro ao corretor – uma chamada de margem [margin call] – para manter sua posição. Ele recupera isso quando vende o milho que colheu por um preço mais alto, mas tem que arcar com o prejuízo para cumprir o contrato futuro que assinou antes. Assim, deixa de usufruir o ganho inesperado, mas consegue atingir sua meta de preço.

Kreutz faz esse tipo de operação dezenas de vezes por ano, com hedge para 70% de sua colheita de milho de 8.700 toneladas.

A poucos minutos da fazenda da família de Kreutz estão os currais de engorda de Jon Reeson. Reeson, de 43 anos, é casado com a irmã de Kreutz, Jane. Seus currais comportam até 1.500 cabeças, em sua maioria Aberdeen Angus, que crescem de bezerros de cerca de 270 kg para animais de quase 600 kg, prontos para o matadouro.

Reeson usa derivativos tanto para o preço que paga pela ração animal quanto para o preço que recebe com a venda do gado.

O processo de engorda requer mais de 3,2 toneladas de comida para cada animal. Reeson não pode contar com preço especial da fazenda do cunhado, na qual tem uma participação. Então, quando vê um preço de que gosta, ele fecha um contrato futuro.

Quando o gado atinge o peso adequado, Reeson coloca os animais nos caminhões de Roger e Barb Wilson, que os levam até o matadouro. Os Wilson têm 7 semirreboques e 16 trailers, e um dos maiores custos que têm é o combustível para manter a frota na estrada.

Em 2004, a Cooperative Producers Inc., sua cooperativa local, lhes ofereceu um plano de proteção para 10.000 galões de diesel (37.850 litros) por cerca de US$ 2,50 por galão, com 90 dias para usá-los.

A cooperativa tinha uma opção. Poderia optar por se arriscar e torcer para que o preço do combustível caísse antes que a família Wilson usasse todo a quantidade acertada, o que lhe daria um ganho extra. Se os preços saltassem, entretanto, a cooperativa arcaria com perdas. “Isso é especulação“, diz Gary Brandt, presidente da área de energia da cooperativa. “Mas isso não é o que cooperativas fazem. Isso é o que o Goldman Sachs faz.”

Em vez disso, a cooperativa fez uma operação de hedge na Bolsa Mercantil de Nova York, comprando futuros de óleo para aquecimento, que é o mais próximo do diesel no mercado futuro. A cooperativa avançou ainda mais e também fez um hedge para a diferença entre o combustível negociado em Nova York e o entregue no Nebrasca.

Os Wilson entregam o gado de Reeson em um complexo baixo, de cimento cinza, em Grand Island, Nebrasca, onde caminhões chegam carregados de gado e saem com carnes. Nos últimos 12 meses, Reeson vendeu 1.125 cabeças para a unidade de processamento, que pertence à JBS USA, que fica em Greeley, Colorado, e pertence à brasileira JBS SA.

A JBS compra os animais de duas maneiras. Às vezes, ela paga em dinheiro pelo abate que vai acontecer na semana seguinte. Às vezes, compra para um futuro mais distante. A JBS faz hedge no mercado de derivativos para se proteger caso os preços caiam antes da entrega.

A empresa também vende os cortes de carne a futuro para as cadeias de restaurante, prometendo entregá-los por preços definidos meses antes. A JBS espera ter carne suficiente para cumprir os contratos. Mas, se houver falta, a empresa não quer correr o risco de ter que pagar mais pela carne para suprir os restaurantes.

Então, por segurança, ela usa o mercado de derivativos. Para fazer isso, precisa encontrar formas para fazer o hedge de diferentes cortes de carne: o filé mignon pode representar 1,5% do valor total do gado. Já o contrafilé pode equivaler a 3%. De uma certa forma, a JBS se protege ao reconstruir o gado através de operações de derivativos na Bolsa Mercantil de Chicago. “Nós tentamos reconstituir a carcaça financeiramente”, diz o porta-voz da empresa JBS, Chandler Keys.

A JBS faz o hedge da eletricidade para seus refrigeradores e para o gás natural usado nas caldeiras. Também faz operações de hedge cambial para estabilizar a receita de outros países. E faz cobertura para a frota de milhares de caminhões.”

E cobertura contra temer o risco PMDB

Leia mais:

PIAUÍ O setembro negro da Sadia 011109

Capital Circulante

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s