Inovação no Sistema de Pagamentos: Meritocracia versus Nepotismo

Publiquei o seguinte artigo há cerca de um ano e meio, ainda durante o Governo Dilma:

Fernando Nogueira da Costa – Diferenciação entre os preços à vista e a prazo – Valor, 21.12.2015

No entanto, foi o atual presidente golpista e impopular que sancionou a medida provisória que permite a cobrança de preços diferentes dependendo do prazo ou do meio de pagamento utilizado. A iniciativa faz parte da estratégia do governo de apresentar uma série benesses para contrabalançar a repercussão da atual crise política, cuja solução mais rápida e menos dolorosa para a Nação — caso ele tivesse ética (e vergonha) — seria sua renúncia.

Outra demanda dos lojistas que continua em avaliação no governo é a redução do prazo de repasse de recursos de bancos e operadoras de cartão de crédito para lojistas. A diferenciação de preços vai permitir uma queda nos custos para lojistas e consumidores, contribuir para maior concorrência, dar segurança jurídica e promover justiça social.

Os menos favorecidos não têm cartão de crédito. Por isso, pagavam mais do que precisavam pagar, ou seja, o preço a prazo com cartão de crédito era apresentado como sendo o preço à vista para todos, inclusive os “sem-cartão”. O desconto no preço à vista é requisito básico deduzido da Teoria das Finanças Racionais. Tem o potencial de “desinflar o custo-de-vida”. 

O foco da medida sancionada é diminuir o custo da transação para o consumidor e o varejista. O lojista, no entanto, não é obrigado a conceder os descontos nas compras à vista. Mas ele pode reduzir de 5% a 7% o preço, devido a receber à vista.

A medida vai facilitar a negociação entre lojistas e consumidores, o que pode ajudar na redução de preços, além de impedir a transferência de renda em desfavor dos mais pobres “sem-cartão”.

A medida de, finalmente, adotar a diferenciação de preços, que estimula a redução de custo de vida, tem a influência de um dos bons servidores públicos concursados que trabalham na máquina governamental. Ele é o diretor de regulação do Banco Central, Otávio Damaso. Eu tive a oportunidade de conhecê-lo.

Damaso ressaltou que a autoridade monetária continua estudando a diminuição do prazo de repasse de recursos de bancos e operadoras de cartão de crédito para lojistas. “Está em estudo o prazo de pagamento. Não tem nada definido”, disse o diretor. Hoje o prazo para o repasse aos lojistas está na casa de 30 dias.

A partir desse exemplo, com a “fácil sabedoria ex-post” constatamos o erro de manter ministros e tecnocratas da área de Economia, nomeados politicamente, por muito tempo em seus cargos. Muitos criam promiscuidade com corruptores do setor privado. Tratam a “coisa pública” como “cosa nostra”… e não têm iniciativas nem tomam medidas necessárias sugeridas pela opinião especializada. Continue reading “Inovação no Sistema de Pagamentos: Meritocracia versus Nepotismo”

Internet Industrial e Indústria Brasileira

Luciano Coutinho foi presidente do BNDES e meu ex-professor no Mestrado em Economia da UNICAMP. Escreveu artigo (Valor, 25/10/16) sobre a Internet Industrial e a Indústria Brasileira. Compartilho-o abaixo.

“A severa recessão em curso é bem mais profunda na indústria de transformação, pondo em risco a sobrevivência de grande parte dela. A forte queda da demanda, principalmente na metal-mecânica e bens duráveis combina-se com estrangulamento financeiro, escassez de crédito, incapacidade de pagar impostos e desemprego. Multiplicam-se falências e recuperações judiciais. A situação é crítica.

Para sobreviver é preciso que venha logo a reativação cíclica da demanda. Além disso é imperativo:

  1. reescalonar dívidas,
  2. reduzir o custo do crédito,
  3. desburocratizar e simplificar a tributação,
  4. acelerar a indução dos investimentos em infraestruturas e
  5. conter a valorização da taxa de câmbio.

A indústria que conseguir sobreviver terá, no entanto, vida dura pela frente. Além da expectativa de recuperação lenta da economia, precisará enfrentar novos e graves riscos decorrentes da onda de transformações tecnológicas nas economias desenvolvidas. Muitas delas poderão ser disruptivas. Ressalto as estratégias industriais em marcha nos Estados Unidos, Alemanha, China, Japão e Coreia para acelerar a automação computadorizada, abrangente e integrada pela denominada “internet industrial“. Continue reading “Internet Industrial e Indústria Brasileira”