Golpistas afundam o País: Maior Retração dos Investimentos da União em 10 Anos

Estevão Taiar (Valor, 17/07/17) informa que os investimentos do governo federal, cujo espaço no Orçamento encolhe desde 2015, podem terminar 2017 no menor patamar como proporção das despesas primárias em pelo menos uma década e comprometer ainda mais a retomada da economia. De janeiro a maio deste ano, os investimentos representaram apenas 2,47% das despesas primárias do governo federal, contra 4,7% no mesmo período do ano passado e 8,7% em 2014, ano em que foi registrado o nível mais alto desde 2007, segundo dados do Tesouro Nacional.

Em valores correntes, as despesas de capital entre janeiro e maio somaram R$ 12,2 bilhões, o menor nível desde 2010. Três fatores principais levaram à contração desse tipo de gasto (aquisição de máquinas, equipamentos, realização de obras e compra de participações acionárias, entre outros.

Enquanto a crise gerou recuo na arrecadação, a rigidez orçamentária impediu cortes significativos em outros tipos de despesas, como gastos previdenciários, deixando os investimentos ao alcance da tesoura governamental. São as despesas discricionárias que podem ser cortadas com maior facilidade.

Além disso, a dinâmica dos gastos previdenciários, com o envelhecimento da população, e os reajustes salariais concedidos a servidores fizeram essas rubricas crescerem, ‘ocupando’ o espaço que havia para os investimentos.

A Previdência ganha muito destaque, mas neste ano as despesas com pessoal estão crescendo mais do que os gastos do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). De acordo com os cálculos da IFI, excluídos os precatórios, as despesas com pessoal cresceram 7,6% entre os cinco primeiros meses deste ano e o mesmo período do ano passado, enquanto no caso do RGPS o aumento foi de 5,1%.

Já os investimentos caíram 47,6% em termos reais na mesma comparação. É um recuo que pode ser verificado em praticamente todos os eixos: infraestrutura, política social, produção. Na saúde, o corte foi de 18,3%. Na educação, chegou a 40,9%. No Ministério das Cidades atingiu 53,1%.

Programas sociais e de investimentos em infraestrutura também foram alvo de cortes. As despesas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) caíram 51%. No caso do Minha Casa, Minha Vida, a redução foi de 66,6%. Nesse sentido, o governo não está sendo discricionário. Ele está cortando de todo mundo sem critério social.

A queda dos investimentos não só tem dificultado a retomada da atividade, como contribuiu para o início da crise, ainda que não tenha sido a responsável por ela. Os cálculos de Marconi apontam que as despesas de capital nos três níveis de governo, excluindo as estatais, passaram de 3% do PIB em 2014 para 1,8% em 2016. Neste ano, podem chegar a 1,6%. “Neste momento, uma alta dos investimentos seria mais importante ainda, porque precisamos de um estímulo externo à demanda privada para crescer.

Outro problema é o salto das despesas com pessoal nos últimos anos, que subiram de 9,8% do PIB em 2014 para 10,6% em 2016.

Parte desse aumento é estrutural. Esse tipo de despesa vem subindo desde 1985. Mas os reajustes dados a servidores federais nos últimos anos tornaram o cenário ainda mais grave. É algo incompatível com o discurso e a necessidade de fazer um ajuste fiscal drástico.

Entre 2006 e 2016, os gastos do governo federal com servidores cresceram em média 8,4% ao ano, enquanto a inflação média no período foi de 6% e o número de servidores cresceu 5%. Grande parte da expansão desse tipo de despesa veio de aumento de salário. Em função dos constantes reajustes, os reacionários dizem que esse grupo poderia ficar sem aumento de salários, ou ter reajustes abaixo da inflação, por um período.

“Em quatro anos sem reajustes, você consegue ter um ganho bem razoável dentro do orçamento”, dizem de maneira insensível porque não é com eles. “E nesse caso você não precisa nem fazer reforma para não dar reajuste, é muito mais fácil nesse aspecto.”

Nos cálculos da IFI, a Previdência consumiu 43% das despesas primárias nos cinco primeiros meses do ano. Isso tira espaço para o avanço de outras áreas, como saúde, educação e infraestrutura. No entanto, há espaço para trabalhar e reduzir gastos nos mais de 50% restantes, incluídas aí principalmente as despesas com pessoal insistem os conservadores neoliberais.

Todo o mundo está cético em relação à capacidade de os investimentos do governo federal contribuir de maneira significativa para a retomada do crescimento. Mas os idiotas reduziram tudo em Economia à um problema psicológico! Tome “confiança” à direita e “incerteza” à esquerda! Os ilusionistas acham que o fundamental mesmo é a volta da confiança… psicológica. Argh!

2 thoughts on “Golpistas afundam o País: Maior Retração dos Investimentos da União em 10 Anos

  1. Professor, bom dia.

    Se tiver um tempinho, seria importante “ouvir” sua opinião a respeito de fusões e aquisições no mercado de bens médicos. Os três primeiros links referem-se à investida do mercado; o quarto link é de um auto intitulado “economista da saúde”.

    Grato,
    Osmar

    “O mercado de saúde no Brasil é visto como um dos mais atraentes por investidores estrangeiros, revela Silva, da Cypress. Além de ser grande e com potencial de crescimento, ainda é pouco explorado por investidores e existem muitas oportunidades de melhorias na operação dos negócios que podem ser implementadas.”

    “Silva, da Cypress, aposta que nos próximos anos haverá muitas movimentações referentes a Fusões & Aquisições no mercado brasileiro. “Entre os prestadores de serviço de saúde, oftalmologia, cardiologia e hemodiálise são alguns segmentos que já chamaram a atenção dos investidores”, acrescenta.”

    “Nos últimos anos, alguns investidores perceberam o potencial do segmento e a possibilidade real de uma mudança na legislação, dando início a algumas iniciativas de investimento. Neste processo recém-iniciado, alguns grupos se destacaram, como: Rede D’Or e Amil (através de seu fundador, Edson Bueno); e COI, Oncoclínicas e Oncologia D’Or, todos na consolidação de hospitais; além de UnitedHealth (via Amil) e Bain Capital (via Grupo Notre Dame Intermédica), na
    consolidação de planos de saúde.”

    “Para Silva, a queda da restrição ao capital estrangeiro, aliada à melhoria das perspectivas econômicas no país, deve seguir estimulando o movimento de consolidação dos prestadores de serviços de saúde, bem como outros segmentos em seu entorno, motivados principalmente pelo aumento de interessados em entrar no mercado e por fundos de private equity, que agora podem esperar maior liquidez para seus investimentos.”

    “De acordo com Michael Hajjar e Pedro Sauer, diretores da Progresso Capital Partners, especializada em processos de Fusões & Aquisições e captação de recursos, o sistema de saúde público não consegue prover serviços de saúde satisfatórios aos cidadãos. Esta deficiência tem sido preenchida pelo setor privado, com a oferta de planos de saúde suplementar, hospitais e clínicas particulares.”

    “No aspecto regulatório, a abertura do mercado para aportes estrangeiros em hospitais (incluindo participações majoritárias) permitiu maiores investimentos no setor. Espera-se que esse fato proporcione maior competição, exposição a novas tecnologias, ganhos de escala e governança corporativa”

    http://portalhospitaisbrasil.com.br/fusoes-aquisicoes-prometem-movimentar-setor-da-saude-em-2017-e-2018-parte-1/?utm_campaign=News+03%2F08&utm_medium=email&utm_source=News+03%2F08

    http://portalhospitaisbrasil.com.br/fusoes-aquisicoes-prometem-movimentar-setor-da-saude-em-2017-e-2018-parte-2/

    http://portalhospitaisbrasil.com.br/fusoes-aquisicoes-prometem-movimentar-setor-da-saude-em-2017-e-2018-parte-3/

    http://portalhospitaisbrasil.com.br/artigo-a-crise-e-o-setor-saude-no-brasil/

    1. Prezado Osmar,
      infelizmente, estou absolutamente sem tempo.

      Além de estar dando 15 horas-aulas por semana, comecei, nesta semana, colocar na prática uma ideia. Percebi que, desde o início de 2010, quando comecei meu blog, escrevi cerca de um artigo original por semana. Estimo que tenha 365. É como eu escrevesse durante um ano todos os dias.

      Então, resolvi agrupá-los como “crônicas econômicas” até para que perceber o que se passou com meu processo de conhecimento durante esse
      tempo.

      Acabei por organizar 3 livros com posts que escrevi de 2013 a julho de 2017: Crônicas Econômicas de Debate (Livro de Conhecimento Teórico, 150 p.); Crônicas Econômicas de Bate e Rebate (Livro de Conhecimento Aplicado, 260 p.); Crônicas Econômicas de Combate (Livro de Conhecimento Prático, 195 p.).

      Agora, vou reler tudo, talvez melhorar a forma para não deixá-los “datados”, e avaliar se incorporo ou não os posts de 2010-2011.
      abs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s