Custo Social da Volta da Velha Matriz Neoliberal

Lucas Marchesini e Ligia Guimarães (Valor, 15/08/17) informam que o encolhimento da renda em níveis mais baixos do que os obtidos em 2012 fez com que o desenvolvimento humano em 2015 estagnasse pela primeira vez desde 2010, revelam dados divulgados ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

A pesquisa, atualizada com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indica que a renda per capita do vulnerável brasileiro caiu de R$ 803,35 para R$ 746,84 de 2014 para 2015, quando o salário mínimo era R$ 788,00, ano em que 4,1 milhões entraram na pobreza, sendo 1,4 milhão na extrema pobreza.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) permaneceu em 0,761 entre 2014 e 2015. O indicador vai de zero a 1 e quanto maior o número, melhor o resultado. O IDHM cresceu em média 0,8% ao ano entre 2011 e 2015, menos que o 1,7% anual registrados entre 2000 e 2010. Com a volta da Velha Matriz Neoliberal, 2015 foi o primeiro ano em que o índice do Brasil ficou igual. Continue reading “Custo Social da Volta da Velha Matriz Neoliberal”