Vozes Presentes no Texto e Brasilianização dos States

José Luiz Fiorin e Francisco Platão Savioli, no manual Lições de Texto – Leitura e Redação (São Paulo: Ática, 2011), demonstram uma propriedade fundamental da linguagem: a heterogeneidade constitutiva. Os textos têm a propriedade intrínseca de se constituir a partir de outros textos. Por isso, todos eles são atravessados, ocupados, habitados pelo discurso do outro.

Por conseguinte, a linguagem é fundamentalmente, constitutivamente heterogênea. Um texto remete a duas concepções diferentes:

  1. aquela que ele defende e
  2. aquela em oposição à qual ele se constrói.

Nele, ressoam duas vozes, dois pontos de vista. Sob as palavras de um discurso, há outras palavras, outro discurso, outro ponto de vista social. Para constituir sua concepção sobre um dado tema, o falante leva sempre em conta a de outro, que, de certa forma, está, pois, também presente no discurso construído.

Essa heterogeneidade, isto é, esses dois pontos de vista, não está marcada no fio do discurso, as duas perspectivas em oposição não estão mostradas no interior do texto. Quando lemos um texto a favor da abolição da escravatura, percebemos que ele só pode ter surgido numa formação social em que há discursos a favor da escravatura; um discurso antirracista só pode constituir-se em uma sociedade em que existe um discurso racista; um discurso feminista só pode ser gerado num tempo em que existe um discurso machista.

Esses pontos de vista são sociais, são as posições divergentes que se estabelecem em uma dada sociedade sobre uma determinada questão. Como uma sociedade é sempre dividida em grupos sociais com interesses divergentes, não há uma perspectiva única sobre uma dada questão. Os indivíduos, em seus textos, defendem uma ou outra posição gerada no interior da sociedade em que vivem.

O discurso é sempre a arena em que lutam esses pontos de vista em oposição. Um deles pode ser dominante, isto é, pode contar com a adesão de um número maior de pessoas. Isso, no entanto, não elimina o fato de que concepções contrárias se articulam sobre o mesmo assunto. Um discurso é sempre, pois, a materialização de uma maneira social de considerar uma questão.

Ao longo da história de uma sociedade, estabelecem-se esses pontos de vista contraditórios. Por isso, os discursos estão em relação polêmica uns com os outros. Nesse sentido, todo discurso é histórico. Em um texto, está o outro em oposição ao qual, em um dado momento, ele se constituiu. A historicidade de um texto é estudada analisando-se essa relação polêmica em que ele se construiu.

Como exemplo, os coautores apresentam um texto que é uma montagem feita por eles a partir de fragmentos de uma reportagem de Wagner Carelli, publicada pela revista Carta Capital (15: 12-25, outubro de 1995). Sob o título “Pequeno Tratado do Malcriado Brasileiro”, o jornalista expõe e comenta o comportamento social de um tipo de brasileiro pertencente à elite econômica do país.

Foi sobre essa forma de comportamento que o pesquisador americano Michel Lind elaborou uma tese acadêmica, editada em livro sob o título de The Next American Nation (traduzindo literalmente, “A próxima nação americana”). Nessa obra, o autor cria o neologismo “brasilianização” para designar um fenômeno social que se originou e se implantou no Brasil, e que constitui, segundo ele, a maior ameaça para a sociedade norte-americana do século XXI.

Lind chama o processo de entrincheiramento das elites de brasilianização. Ele cunhou o termo para explicar “a crescente retirada das classes superiores para trás das barricadas de uma própria nação dentro da nação, um mundo de bairros privados, escolas privadas, polícia privada, saúde privada e até mesmo ruas privadas, muradas contra a miséria ao redor”.

Lind refere-se às evidências ainda escassas — que considera ameaçadoras — da tendência nos Estados Unidos, mas reconhece no Brasil sua origem e sua forma instituída. Observe que ele escreveu essa tese em 1995. Two Ten Years After, a partir da eleição de Donald Trump, a brasilinização chegou definitivamente aos Estados Unidos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s