Polarização entre “Coxinhas” e “Petralhas” ou Conflito entre Interesses e Valores das Castas

Filósofo, Pablo Ortellado é professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP. Publicou (ÉPOCA, 11/06/18) análise muito interessante sobre os “Legados de Junho”, embora eu ache injusta sua crítica tipo “lugar-comum” aos “muitos erros de política econômica do governo Dilma”. Basta lembrar o represamento dos preços administrados compensatório da inflação de alimentos como efeito da longa seca, mantendo a taxa de inflação abaixo do teto, e a desoneração fiscal como contrapartida da manutenção da baixa taxa de desemprego até o fim de 2014.

Seu artigo revela como as forças políticas tradicionais domesticaram o levante da sociedade civil contra o Estado e o transformaram na polarização entre “coxinhas” e “petralhas”. Esta bi-polarização, para mim, encoberta o verdadeiro e, por isso, legítimo conflito entre interesses e valores morais das castas.

“O Brasil que existia antes das manifestações de junho de 2013 parece um outro país. O PT estava no poder havia mais de dez anos e o país vivia um longo período de crescimento econômico, pleno emprego, prestígio internacional e ampla aprovação dos eleitores. O “progressismo” era um fenômeno regional, com partidos ou coalizões de esquerda governando a Argentina, o Uruguai, a Bolívia, o Chile, a Venezuela, o Equador e, por um curto período, o Paraguai.

O Brasil daquele distante período era o país do Cristo Redentor decolando na capa da Economist, do gigante se levantando na publicidade do Johnnie Walker, o país cujo prestígio internacional era tão grande que tinha conseguido sediar a Copa do Mundo e a Olimpíada.

Como saímos dessa autoimagem gloriosa e cheia de esperança para ser o país da Lava Jato, da Petrobras quebrada, de uma presidente impedida e de um novo presidente com 5% de aprovação; um país com dois anos consecutivos de recessão econômica e cujos executivos das maiores empresas e a liderança dos três principais partidos estão presos ou prestes a ser presos?

Um pedaço dessa história diz respeito aos muitos erros da política econômica do governo Dilma:

  • o represamento dos preços administrados,
  • as desonerações às grandes empresas,
  • a expansão do crédito subsidiado e
  • a deterioração fiscal — tudo isso combinado com
  • os efeitos da crise global e
  • a queda nos preços das commodities.

Diz respeito também às políticas antissociais implementadas para promover a austeridade no segundo mandato de Dilma Rousseff e na gestão de Michel Temer.

Mas, quando o Brasil viveu o terremoto de junho de 2013, nada disso era visível:

  • a Lava Jato ainda não tinha começado,
  • a taxa de desemprego era de apenas 5,8%, próxima ao pleno emprego,
  • o crescimento da economia naquele ano seria de 3% e
  • a aprovação de Dilma, antes dos protestos, era de 63%.

Vale a pena retomar as movimentações no chão da sociedade brasileira a partir daquele mês para entender como a disposição e o humor da sociedade civil reconfiguraram o jogo político e abalaram a estabilidade das instituições.

As perguntas mais frequentes sobre os protestos de junho de 2013 são: por que, e de que maneira, manifestações locais de estudantes contra o aumento nas tarifas de transporte se espalharam pelo país e ampliaram a agenda de reivindicações?

Ainda há muitas coisas que não sabemos ou não entendemos, mas algumas coisas que sabemos ajudam a diminuir o estranhamento.

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que, nos dez anos que precederam 2013, o Brasil viu grandes manifestações contra tarifas de ônibus, todas elas mais ou menos do mesmo jeito: jovens estudantes, organizados em assembleias e afastados dos partidos políticos, bloqueiam ruas e avenidas, angariam apoio popular e asfixiam o poder municipal. Isso aconteceu com a chamada Revolta do Buzú em Salvador, em 2003; aconteceu depois com as duas Revoltas da Catraca em Florianópolis em 2004 e 2005; aconteceu em Vitória em 2005, 2011 e 2012 e em Teresina em 2011. Não era exatamente uma novidade em 2013, então, que protestos localizados de estudantes contra as tarifas de ônibus pudessem se transformar em grandes revoltas populares.

Mas, na segunda quinzena de junho, a revolta contra o aumento no preço das passagens se transformou em algo não apenas grande, mas também nacional, e a reivindicação pela redução dos preços do transporte público transbordou para outros temas. Embora não saibamos exatamente por que essa ampliação e essa mutação aconteceram, sabemos bem o tamanho da mobilização e quais foram as demandas dos manifestantes.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Ibope, 9% dos brasileiros com mais de 16 anos saíram às ruas em junho de 2013. Essa mesma pesquisa, assim como outras realizadas no período, mostram que as demandas dos manifestantes podem ser agrupadas em dois conjuntos de reivindicações:

  1. direitos sociais e
  2. críticas à corrupção.
  • por um lado, os manifestantes pediam a redução do preço dos transportes públicos e mais e melhores serviços públicos de saúde e educação;
  • por outro, exigiam o fim da corrupção e um Estado que se reconectasse à sociedade.

Podemos ver a mesma dualidade na dinâmica que liga os protestos e as mídias sociais, as ruas e as redes. Enquanto, na maior parte do mês, os protestos foram convocados por movimentos e coletivos como o Movimento Passe Livre e a Frente de Luta pelo Transporte, que pediam a redução dos preços das passagens, no Twitter e no Facebook as páginas e os perfis anticorrupção, que eram, naquele momento, um movimento “virtual”, faziam as postagens com mais compartilhamentos. Na segunda quinzena de junho, a revolta dos jovens contra as passagens que já tomava as ruas se encontrou com a indignação anticorrupção das redes, e os protestos que estavam localizados em cidades como Porto Alegre, Goiânia, São Paulo e Rio de Janeiro se espalharam por todo o país.

É muito comum atribuir aos protestos de junho de 2013 a paternidade de um movimento anticorrupção liderado pela nova direita. Mas, se resgatarmos os fatos, vamos ver que, embora em junho algumas bandeiras anticorrupção tenham sido proeminentes, em particular a oposição à PEC 37, que retirava poder de investigação do Ministério Público, o tema só vai ser liderado pela direita após as eleições presidenciais de 2014.

Ainda em 2013, um pouco antes da Copa das Confederações, e depois em 2014, durante a Copa do Mundo, as suspeitas de corrupção na construção dos estádios impulsionaram manifestações significativas, mas desvinculadas de partidos políticos e convocadas por movimentos autônomos.

Foi apenas no segundo semestre de 2014 que a situação mudou. O que era um levante da sociedade civil contra o Estado — contra Dilma, contra Alckmin, contra Cabral e contra Paes — se cindiu em duas partes, como se a unidade da sociedade civil tivesse sido rompida pela divisão característica do mundo da política:

  • de um lado, um campo anticorrupção que acredita que o PT é uma quadrilha que se apossou do Estado brasileiro para saqueá-lo;
  • de outro, uma esquerda que acredita que os adversários querem apenas desfazer as conquistas sociais dos governos petistas.

Cada metade do legado de junho de 2013 é apropriado por um lado:

  1. em um deles, a ênfase recai sobre os direitos sociais;
  2. no outro, a ênfase recai sobre o combate à corrupção.

Para a metade anticorrupção, a agenda social da esquerda é uma máscara que esconde o privilégio e a apropriação privada do patrimônio público — ela não vê os adversários pelo que são, mas os imagina como a negação de si, como se fossem corruptos.

Para a esquerda, a agenda anticorrupção também é máscara, uma máscara que esconde sua incapacidade de aceitar a justiça social — ela também imagina que o antagonista é a negação de si, como se os anticorrupção fossem simplesmente antipobres.

Quando a política tradicional incorporou e dividiu o ativismo de junho de 2013, ela também o domesticou. As famosas imagens de junho de 2013, que mostravam as pessoas na multidão, cada uma com seu cartaz, com sua reivindicação, auto-organizadas e às vezes autoconvocadas, sem lideranças e sem carros de som, deram lugar às manifestações-comício, pelo impeachment e contra o golpe, convocadas por grupos com vínculos políticos e controladas por monótonos oradores em caminhões de som.

É verdade que um pouco daquele espírito original permaneceu nos inúmeros desdobramentos de junho:

  1. nas ocupações de Câmaras Municipais que duraram até o mês de julho;
  2. na muito popular greve dos professores do Rio de Janeiro que aconteceu em outubro;
  3. nos protestos contra o desaparecimento do pedreiro Amarildo;
  4. nas multitudinais reuniões da Assembleia Popular Horizontal que aconteceram em Belo Horizonte até dezembro;
  5. nas manifestações contra as remoções e contra a corrupção nos estádios da Copa;
  6. nas mobilizações em defesa do Parque do Cocó em Fortaleza, do Parque Augusta em São Paulo ou do cais José Estelita no Recife;
  7. nas duas ondas de ocupações de escolas pelos secundaristas que aconteceram em todo o Brasil em 2015 e 2016; e também,
  8. finalmente, na recente paralisação dos caminhoneiros de maio de 2018.

Mas se esse junho de 2013 plural, apolítico, quando não abertamente antipolítico, que defendeu com potência e às vezes com inocência o interesse público e os direitos sociais, ainda é vivo, talvez mais proeminente seja sua expressão capturada e domesticada pelas forças políticas que o converteram em polarização. Essa expressão mais soturna é aquela que divide os brasileiros entre antipetistas e esquerda, coxinhas e petralhas, e condena todos os não alinhados como “isentões”.

Esse antagonismo se manifesta numa incapacidade de enxergar o outro, reduzindo-o à imagem do petralha que protesta por um pão com mortadela ou à do coxinha que protesta para que os pobres não usem o aeroporto, uma caricatura reducionista sem muito apoio nos fatos. Afinal, manifestantes anticorrupção não são contra os serviços públicos e a esquerda não defende a corrupção.

Numa manifestação anti-Dilma, em março de 2015, perguntamos, por exemplo, se os participantes estavam de acordo com a universalidade, com o caráter público e com a gratuidade dos serviços públicos de saúde e educação, e a concordância foi superior a 95%. Perguntamos também a manifestantes de esquerda que protestavam contra o impeachment em março de 2016 se eles consideravam graves os escândalos de corrupção do mensalão e da Lava Jato e a concordância foi de 75% para o mensalão e de 90% para a Lava Jato.

O drama da polarização brasileira é que, embora concordemos todos com a agenda política de junho de 2013, estamos tão presos a nossas identidades de “anticorrupção” e de “esquerda” que imaginamos que os que adotam o rótulo contrário são na verdade a negação daquilo em que acreditamos.

Não conseguiremos entender a tragédia brasileira pós-junho de 2013 se não entendermos também como a unidade da sociedade civil, expressa naqueles protestos, foi rompida, e seu ativismo subsumido pelo sistema político, colocando uma metade da esfera pública para trabalhar contra a outra.

É essa dinâmica instaurada na sociedade brasileira que vai explicar:

  1. a agressividade das eleições de 2014 [Isto não é um mito?],
  2. a polarização das manifestações pró e anti-impeachment e
  3. como, embora o Brasil inteiro defenda serviços públicos e o combate à corrupção, sejamos hoje governados por um presidente com gravíssimas acusações de corrupção e cujo principal legado foi ter limitado o orçamento da saúde e da educação com a PEC do Teto de Gastos.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s