Muito Grande para Quebrar: Risco de Crise Sistêmica pelo Efeito Contaminação

Luigi Zingales, no livro “Um capitalismo para o povo: recapturando o gênio perdido da prosperidade americana” (A capitalism for the people : recapturing the lost genius of American prosperity. Library of Congress Cataloging-in-Publication Data; 2012), diz: outra razão pela qual os grandes bancos são politicamente influentes é a sua morte criar uma ruptura catastrófica na economia – pelo menos, os políticos acreditam. Se eles estão certos ou não é irrelevante.

Suponhamos um grande asteroide estar em direção à Terra, como no filme Armageddon, e tenha 5% de chance de atingir o planeta, gerando US $ 10 trilhões em danos físicos nos Estados Unidos. Se você é o presidente, deveria autorizar uma missão de US $ 700 bilhões para destruir o asteroide e evitar o desastre? Se você raciocinar em termos puramente econômicos, o custo esperado de não agir (0,05 × US $ 10.000 bilhões = US $ 500 bilhões) é muito menor em lugar do custo de agir.

Mas se você gastar o dinheiro para parar o asteroide, ninguém saberá se ele realmente teria atingido a Terra, se você tivesse negligenciado a ação. Então, você pode deixar de entrar para a história como o presidente salvador do planeta. Por outro lado, se você não fizer nada, terá 5% de chance de entrar para a história como o presidente incapaz de evitar a catástrofe, embora conhecesse o risco. A Operação Armagedom para destruir o asteroide, de repente, não parece ser muito mais atraente?

“Antecipando resgates do governo em caso de emergência, os credores estão dispostos a emprestar a grandes instituições financeiras de forma muito barata e sem restrições. Oferecidos com crédito barato, os administradores dessas instituições financeiras acham atraente pedir muito dinheiro emprestado e fazer apostas extremamente arriscadas, porque podem maximizar seus lucros ao fazê-lo. Infelizmente, as apostas arriscadas também maximizam a probabilidade de o governo intervir, bem como o custo que o governo pagará quando o fizer.

O valor desse subsídio governamental implícito para os bancos considerados ‘grandes demais para quebrar’ é estimado em meio ponto percentual de juros. Multiplicado pela dívida das dezoito holdings bancárias, corresponde a um subsídio de US$ 34,1 bilhões por ano.

Ao reduzir o custo do crédito para grandes bancos considerados ‘grandes demais para falir’, esse subsídio também distorce a concorrência, prejudicando a capacidade dos pequenos bancos de competir. O resultado, naturalmente, é um aumento no número de grandes bancos talvez necessários de serem resgatados no futuro”.

Quando comparamos sistemas financeiros, seja historicamente, seja entre países, a distinção mais relevante não é entre bancos e mercados, mas entre:

  1. financiamento baseado em relacionamentos e
  2. financiamento baseado em condições de concorrência.

Como o termo sugere, os sistemas baseados em relacionamentos são baseados em interações repetidas. Estes favorecem a cooperação, por sua vez, permite o sistema funcionar mesmo quando falta proteção legal decente. Para se sustentar, no entanto, um sistema baseado em relacionamentos exige concentração de mercado, porque relacionamentos duradouros são difíceis de sustentar em um mercado fragmentado e competitivo.

Precisamente porque prospera em mercados não competitivos, o financiamento de relacionamentos é propenso ao conluio e pode facilmente degenerar em capitalismo de compadrio. De fato, o termo capitalismo de compadrio tornou-se popular quando foi usado para descrever as relações emaranhadas dos bancos da Ásia Oriental na época da crise financeira asiática de 1997.

Em contrapartida, o financiamento à distância impessoal baseia-se em transações ocasionais, geralmente em mercados de valores mobiliários anônimos ou quase anônimos. Investidores individuais fazem lances para ações do Google em sua oferta pública inicial são um bom exemplo.

Para funcionar bem, esses mercados de capitais precisam ser competitivos e regulados.

  • Eles devem ser competitivos, porque só assim pequenos investidores serão protegidos contra o risco de receber um preço injusto.
  • Eles devem ser regulamentados, porque, em mercados anônimos, a reputação não pode restringir a fraude e as práticas abusivas.

Quando essas condições estão em vigor, os mercados de valores mobiliários são melhores em comparação aos mercados baseados em relacionamentos para agregar informações e fornecer financiamento barato. Mas se as condições não se mantiverem e o risco de fraude se tornar alto, os mercados congelarão.

A importância relativa dos dois modos de financiamento mudou ao longo do tempo. Antes da Primeira Guerra Mundial, o financiamento à distância (mercado de capitais) era tão difundido na Europa e no Japão quanto nos Estados Unidos. Foi a resposta à Grande Depressão a criadora de uma divisão.

Na Europa e no Japão, o domínio de alguns grandes bancos facilitou a formação de uma coalizão política entre governos mais intervencionistas e o sistema bancário. Como resultado, a infraestrutura legal necessária para suportar os mercados independentes nunca foi totalmente concretizada e o marco regulatório inclinou-se para os grandes bancos.

Em contraste, os Estados Unidos entraram na Grande Depressão com um setor bancário fragmentado. Em vez de favorecer a consolidação, a legislação do New Deal introduziu uma regulamentação de modo a criar a infraestrutura na qual os mercados de valores mobiliários poderiam funcionar. As consequências destas circunstâncias fortuitas foram a obtenção de mercados de títulos e valores mobiliários fortes até o fim do século XX.

O recente processo de consolidação bancária, no entanto, compromete o desenvolvimento de outras bolsas organizadas. Opções e futuros, inovações financeiras antes da consolidação, se organizaram em mercados regulados. Outros derivativos, no entanto, começaram a ser negociados principalmente em mercados não regulamentados, de balcão, dominados por alguns grandes bancos.

De acordo com um estudo do Banco Central Europeu, em 2009, os cinco maiores negociantes de swaps de crédito participaram de quase metade do total dos montantes nocionais, enquanto os dez maiores responderam por 72% dos negócios. Os mercados para outros derivativos são similarmente concentrados.

Quando a grande maioria dos negócios passa por alguns intermediários, o mercado fica distorcido de várias maneiras. Primeiro, quando transacionam entre si, os grandes jogadores não insistem em uma quantidade adequada de garantias. Em vez disso, eles confiam na capacidade creditícia geral da contraparte e nas garantias implícitas fornecidas pelos governos às grandes empresas.

Essa distorção não apenas enfraquece severamente a capacidade das pequenas empresas de competir, mas também contribui para a instabilidade sistêmica do tipo experimentado em 2008, aumentando assim a probabilidade de os contribuintes intervirem com resgates. Enquanto isso, o papel benéfico dos derivativos de distribuição de risco se dissipa, porque a maior parte do risco, afinal, é suportada por apenas alguns atores.

O mercado de balcão também aumenta a opacidade dos mercados de derivativos. Em trocas organizadas, a bolsa registra todas as transações e, portanto, pode acompanhar se um único jogador está super-exposto, ajudando a monitorar o risco sistêmico.

Além disso, nas trocas organizadas, os preços de transação são revelados a todas as partes envolvidas, aumentando a transparência e a concorrência. Em contrapartida, no mercado de balcão, os preços de transação entre duas partes não são necessariamente conhecidos pelos outros, reduzindo a concorrência. As receitas anuais combinadas dos principais participantes desse mercado de derivativos totalizam US$ 60 bilhões – um imposto massivo sobre a economia real.

Por fim, os mercados de balcão aumentam a instabilidade do sistema, porque sua negociação ocorre através de alguns bancos muito grandes. Os viajantes aéreos sabem como a neve pesada em um grande hub de companhias aéreas, como o de Chicago, pode causar estragos em todo o país. O mesmo vale para os mercados de balcão: se um grande hub como o Lehman é derrubado pela falência, todo o sistema é severamente afetado.

Essa importância só aumenta o poder dos grandes bancos, como o governo vê isso. Mesmo eles não sendo “grandes demais para falir” do ponto de vista financeiro, eles certamente são “grandes demais para fracassar” do ponto de vista da estabilidade de mercado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s