Resumo do Livro “Flow” de Mihaly Csikszentmihalyi

Encontra-se um resumo do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi sob forma de autoajuda, propósito negado pelo próprio autor.

Flow (1990) explora como podemos experimentar o prazer orgástico em nossas vidas, controlando nossa atenção e fortalecendo nossa determinação. Isso acontece quando estamos imersos em uma atividade ou assunto incapaz de nos deixar ansioso (por ser muito difícil), nem entediado (por ser muito fácil). Neste “estado de fluxo”, perdemos nossa autoconsciência, egoísmo e senso do tempo.

Usando a definição de metas e feedback imediato, podemos alcançar um estado de fluxo. Ele melhora nosso relacionamento com o trabalho, aumenta nossa autoestima e dá significado à nossas vidas.

Daí vem o anunciado típico de autoajuda. Se você:

  • quer estar mais envolvido com seus relacionamentos, seu trabalho ou com o mundo,
  • pretende se libertar da mediocridade e ganhar domínio sobre algo,
  • quer saber como sua saúde pode ser melhorada através da sabedoria antiga e culturas diversas,
  • então, com certeza, vai gostar desse livro e desse artigo-resumo.

Se você está insatisfeito no trabalho ou entediado e infeliz em casa, esse livro irá sacudir você de sua rotina e levá-lo a aproveitar ao máximo seu tempo limitado neste planeta.

Um trabalho seminal em Psicologia Positiva (o que é), Flow argumenta: em nossas vidas cada vez mais ansiosas e distraídas, podemos nos concentrar demais em recompensas e opiniões externas. O livro oferece técnicas capazes de nos permitirem focar em recompensas individuais. Elas podem nos levar a desenvolver nossos interesses tão intensamente a ponto de entrarmos em um estado de fluxo puro.

Em tal estado de fluidez, simplesmente não nos preocupamos com recompensas externas como poder ou riqueza e nem sequer consideramos as opiniões dos outros. Transe pode ser visto como um estado de inspiração no qual mergulha um artista criativo. É o estado de abstração ou de exaltação de alguém, como um professor-intelectual a escrever e/ou ensinar, quando se sente transportado para fora de si e do mundo sensível, e entra em sintonia com algo transcendente.

Mihaly Csikszentmihalyi é professor de Psicologia com um doutorado da Universidade de Chicago. Ele foi descrito como o líder mundial em pesquisas sobre Psicologia Positiva, criatividade e motivação. Outros livros baseados nessa pesquisa incluem Creativity: The Psychology of Discovery and Invention e Finding Flow: The Psychology of Engagement with Everyday Life.

1º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: procure oportunidades e maneiras de obter auto crescimento, e não o prazer espontâneo e passageiro.

Nós usamos religião ou luxo para nos esconder de um mundo indiferente e sem sentido. Quando vemos nossas vidas de longe, elas parecem não ter significado. E quando as examinamos de perto, percebemos estarmos infelizes e insatisfeitos. Para nos ajudar a lidar com esse vazio, a maioria de nós procura conforto ou na religião ou procuramos recompensas externas, como riqueza ou fama.

Embora essa abordagem pareça fazer sentido, também pode levar-nos a abandonar nossas capacidades mais importantes. Por exemplo, enquanto as religiões organizadas, como o Cristianismo e o Islamismo, nos forneceram regras para viver e dão significado a nossas vidas, nossa descoberta em primeira mão da nossa situação no universo mostrou os princípios da religião estarem errados. Ainda assim, muitas pessoas continuam a seguir ideologias religiosas porque estão mais confortáveis ​​pensando na vida se tornar algo significativo por adoração a um ser sobrenatural ou extraterreno.

Se não estamos escondidos atrás da religião ou da ideologia política para evitar o reconhecimento da inutilidade de nossa vida cotidiana, estamos lutando para conseguir recompensas externas como poder, riqueza ou fama. Mas estas metas também não nos trazem satisfação por muito tempo.

Então, para dar significado a nossas vidas, tentamos mudar o ambiente ao nosso redor, seja exibindo nossa riqueza, de modo esnobe, para impressionar os outros, ou buscando posições poderosas. No entanto, tudo isso não consegue sustentar a nossa felicidade.

Nossos genes nos impulsionam a buscar prazeres básicos, não as habilidades e os desafios encontrados na ação orgástica. Embora a nossa atenção possa absorver apenas uma quantidade limitada de informações durante a nossas vidas, a partir deste recurso em expansão sob forma de conhecimento e criatividade, a maioria de nós escolhe a gratificação instantânea do gozo como forma de compensar a rotina diária de nossas vidas.

Nós favorecemos apenas o prazer simples em vez do gozo mais gratificante, embora seja mais difícil de alcançar. O prazer proporciona uma ordem restauradora simples – como dormir ou comer. O gozo, por outro lado, nos estimula a nos esforçar, usando nossas habilidades e concentração para ultrapassar as limitações de nossos genes. Desta forma, o gozo nos ajuda a atingir objetivos ambiciosos. Eles são estabelecidos por nós mesmo e nos permitem controlar nossa atenção.

Isso pode ser visto, por exemplo, quando preparamos uma refeição nunca feita antes. A paciência e a vontade de experimentar essa tarefa requer concentração. Contribui para o desenvolvimento de um paladar sofisticado, o que nos permite saborear cada experiência de degustar: experimentar com atenção e deleite o sabor da comida. Provar.

No entanto, é prazer, não satisfação orgástica, a opção preferida muitas vezes como forma de escapar de nossas rotinas. No entanto, esse prazer imediato dos sentidos não apresenta nada novo e nenhuma oportunidade de crescimento.

Por exemplo, depois de um dia puxado de trabalho, muitos de nós assistimos TV, filmes ou vídeos. Este estado de consumo é quando ficamos mais passivos e distraídos com mais facilidade. Os programas de TV e o paraíso falso do álcool ou drogas exigem estimulo externo, enquanto que nenhum deles nos permite exercer nossas habilidades ou focar em nossos objetivos.

2º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: concentre-se em suas tarefas e obtenha controle sobre sua atividade.

A diversão está disponível para todos, mas o objetivo é diferente e individual para cada um de nós. Em diferentes idiomas e culturas, as pessoas usam os mesmos termos para descrever o que sentem quando estão “fora da zona de conforto”. Esse sentimento é de satisfação orgástica e não de prazer mundano. Surge quando você se dedica a uma tarefa ou atividade onde equilibra habilidades e desafios, tem metas claras e feedback imediato com a criação “a partir do zero, isto é, da página ou tela em branco”.

Cirurgiões, por exemplo, realizam operações muito habilidosas. Eles recebem feedback visual imediatamente, seja com a falta de sangue em uma incisão, seja com a remoção de um órgão canceroso. Pode causar satisfação devido à certeza de a operação ter sido um sucesso.

Estar “fora da zona de conforto”, de maneira criativa, significa você estar totalmente concentrado na tarefa em questão. isso combina ação e conscientização, e lhe dá um sentimento de controle.

Pegue os alpinistas, por exemplo. Com certeza, eles enfrentam um perigo extremo em seus objetivos, mas apreciam usar seus conhecimentos para controlar seus medos. Para fazer isso, eles devem dedicar toda a sua atenção à tarefa desafiante em questão.

Essa imersão e concentração total também foram observadas em marinheiros melanésios. Quando tinham seus olhos vendados e eram levados a centenas de quilômetros da sua ilha natal, conseguiram identificar sua localização exata apenas se concentrando na forma como as correntes de água guiavam o barco.

Esta imersão possível de ver no cirurgião, o alpinista e o marinheiro melanésio é tão poderosa a ponto de poder libertar a autoconsciência das preocupações e ansiedades e nos deixar despreocupados com o controle do tempo.

3º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: desenvolver habilidades novas e interessantes exige enfrentar desafios.

Um negociante gosta de barganhar por causa da batalha de inteligência e empatia envolvida. Ajuda a melhorar suas habilidades de venda.

Sempre quando nos envolvemos com trabalho não alienante e exigente de uma habilidade nova, nem excessivamente fácil, nem excessivamente difícil, tendemos a aumentar nossos limites pessoais e a conseguir mais complexidade. Nosso ser [self] inclui novos componentes configurando um novo sistema complexo mais hábil.

Por exemplo, se você é iniciante em tênis, primeiro você vai gostar de algo simples como tentar bater a bola através da rede. À medida de sua melhora, esse desafio fácil vai começar a te entediar e você vai começar a procurar maneiras de se desafiar, provavelmente jogando contra outra pessoa.

Se você escolher um oponente que é muito melhor do que você, logo você vai começar a se sentir ansioso e fora de sua zona de conforto. Porque o desafio é tão difícil, você vai desistir da chance de adquirir novas habilidades. Mas se você escolher um oponente apenas um pouco acima do seu nível, suas habilidades podem realmente melhorar.

A melhora também exige essas habilidades serem alinhadas com objetivos pessoais e paixões. Não mudam por fatores externos, seja com a promessa de uma recompensa se você for bem ou a ameaça de punição, se não alcançar a meta.

Considere uma pessoa presa em solitária. Motivada pela necessidade pessoal de manter sua sanidade, se ela joga xadrez contra si mesma, em sua mente, memoriza suas próprias poesias compostas na cela, e faz ginástica, ela continua melhorando suas habilidades mesmo nas piores condições. Pessoas com pouca coisa para se manterem motivadas, criam jogos para se manter saudáveis, melhoram suas habilidades e controlam sua consciência.

4º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: com a disciplina, podemos usar nossos sentidos e movimentos para nos ajudar a sintonizar um estado de conscientização.

Na realidade, o mundo é inspirador. Ser consciente de suas maravilhas naturais nos permite conectar ao mundo e ver as coisas de maneira diferente. Mas para nos tornarmos conscientes, precisamos fortalecer nosso autocontrole.

Isso pode ser alcançado através da sabedoria oriental antiga. Durante séculos, o yoga foi praticado como um método para libertar o eu do ego. Porém, ele também pode ser usado para guiar nossa atenção em direções positivas junto com metas específicas. Os passos do yoga prescritos, para concentrar nossa atenção, são as práticas de não-violência, estudo disciplinado e o reconhecimento de uma sabedoria superior alcançável. É realmente possível ter um controle único sobre a mente usando nada além do corpo e/ou cérebro.

Nossos pensamentos podem ser cultivados para nos concentrar (tornar-se presente) em ideias complexas e não nas falhas do eu [self]. Muitos praticantes de esportes, em jogos ou exercícios desafiantes, ganham prazer com a concentração exigente em suas atividades. Mas não é só através dos esportes se consegue isso: também se pode usar a mente para jogar e entrar no “estado de fluxo [flow]” resultante em gozo.

Esse estado de fluxo mental pode resultar do envolvimento em jogos e exercícios de linguagem e memória. Você também pode envolver sua memória. Encontre um assunto de seu interesse e absorva tudo sobre ele. Ao fazer isso, você começa a confiar em sua própria memória sistêmica, para estimular sua mente, e assim sentir uma conexão plena com o assunto.

Além disso, é possível conseguir um estado de fluxo se concentrando em coisas externas, ao invés de pensar em suas falhas. Esquecer seus defeitos e se concentrar no mundo externo ao mergulhar em muitos campos do conhecimento ou focar em conhecer a obra de pessoas admiradas por ti, seus mentores. Muitos cientistas, de fato, conquistaram seu sucesso porque simplesmente gostavam de melhorar suas habilidades científicas focando exclusivamente em certos desafios investigativos.

5º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: ao tratar seu trabalho como uma criação com recompensas pessoais, ele deixa de ser “trabalho alienante”.

Muitas pessoas não estão satisfeitas com suas rotinas diárias e muitas vezes seus trabalhos são acusados. Piora se seu tempo de lazer é gasto se recuperando de seu dia de trabalho de maneira preguiçosa: bebendo, comendo, trepando, dormindo, emburricando a si próprio em frente à TV.

É possível construir um projeto de vida profissional de modo o trabalho pode ser encarado como algo a oferecer um desafio, focar a atenção e diminuir as ansiedades. Não enxergue diferença entre o trabalho diário e o tempo livre. Todos os dias tem de estudar novos assuntos, refletir a respeito deles e escrever uma síntese da conexão do novo como o antes conhecido. Fazendo isso cotidianamente com criatividade você não teria nada a mudar para aumentar o prazer de viver.

Muitas pessoas, em atividades diversas, relataram entrar em estado de fluxo com mais frequência quando estavam trabalhando em lugar de quando não estavam. Elas também relataram acreditar mais em sua própria criatividade e concentração.

Uma maneira de entrar em um estado de fluxo é definir recompensas pessoais, ou seja, não motivadas por incentivos em dinheiro ou poder externo, como tentar superar seu padrão normal de desempenho ou aprender o máximo possível sobre o trabalho a ser feito para aumentar sua criatividade. Então, para entrar em um estado de fluxo, você deve procurar novos desafios no trabalho, com o objetivo de aprender o máximo possível sobre todas as tarefas essenciais envolvidas na progressão de sua atividade, ao invés de apenas fazer um trabalho alienado e desinteressado de seu produto.

6º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: envolver-se com a família, amigos e comunidade é essencial para a auto expressão e crescimento do eu [self].

Lugares lotados e escritórios sem privacidade podem afetar a nossa liberdade e individualidade. O tempo gasto sozinho permite dar atenção total a alguma coisa, mas também pode causar tédio. Nesse caso, precisa do apoio das pessoas conhecidas – e de confiança. Em suma, boa família e amigos fraternos, diferentes de colegas rivais.

Por exemplo, os pais com dedicação a tarefas desafiadoras e exigentes de especial habilidade, como educação, escrita literária ou culinária, em vez de assistir TV ou beber, passivamente, são mais propensos a ver seus filhos tentarem seguir esses traços positivos de criatividade.

Boas amizades são importantes para fortalecer o lado expressivo. Comparado com estar sozinho, passar certo tempo com amigos alimenta a expressão de ideias e absorção de novas ideias. Produz níveis muito maiores de felicidade, autoestima, força e motivação.

Finalmente, precisamos de comunidades para nos dar oportunidade de novidade e crescimento. Se ignoramos nossos vizinhos ou evitamos o contato com a nossa comunidade, perderemos a ajuda no futuro e vamos ficar limitados aos nossos velhos hábitos. Portanto, certifique-se de investir em seus relacionamentos afetivos, pois oferecerão muitas oportunidades de felicidade e crescimento.

7º ensinamento do livro Flow de Mihaly Csikszentmihalyi: descubra propósitos na vida através de objetivos e determinação de colocá-los em ação.

Para encontrar o seu significado, você precisa de um objetivo na vida para se concentrar. O objetivo final é irrelevante, desde quando você mergulha totalmente em desafios cada vez mais difíceis, permitindo você não se importar com as opiniões dos outros.

Por exemplo, os artistas renascentistas se esforçaram e se mergulharam em uma cultura idealista, escolhendo com liberdade o melhor das duas culturas opostas: uma sendo a saúde física e os sentidos concretos, a outra sendo a abstração e a espiritualidade.

Quando você estabelecer seu objetivo, você deve agir sobre ele e, para isso, você precisa força de vontade e autocontrole. É muito fácil dizer ter algum objetivo na vida sem nunca o realizar. Na verdade, muitas pessoas permanecem “ativistas de poltronas”, procrastinando inúmeras listas de tarefas auto atribuídas.

Resumo final:

Para viver uma vida ótima, tente não ser se deixar levar por recompensas externas ou pelas opiniões dos outros. Você pode alcançar o gozo na vida, apenas se concentrando em cada momento vivido em atividade, prestando atenção ao seu ambiente e aprofundando em seus interesses. Nunca evite enfrentar desafios difíceis. Eles podem levar ao crescimento do eu e à conquista pessoal de autoestima.

Estabeleça o desafio de aprender o máximo possível sobre um trabalho não alienante, aceite oportunidades ou estabeleça novas metas. Cada vez trabalhe melhor e mais rápido para realizá-las logo. Assim, poderá criar novas obras pessoais. Serão motivos de orgulho justamente pela consciência do trabalho ter sido bem-feito. Desse modo, não irá procrastinar e o tempo passará sem tédio.

Fonte: https://gestaoeprodutividade.com.br/flow-de-mihaly-csikszentmihalyi/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s