Comportamento individual e agregado: de formigas e homens

Alan P. Kirman é autor do ensaio, “Comportamento individual e agregado: de formigas e homens”. Consta da coletânea The evolution of economic institutions : a critical reader (edited by Geoffrey M. Hodgson; Edward Elgar; 2007).

Ele afirma: os principais avanços na ciência consistem frequentemente em descobrir como os fenômenos da macro escala reduzem a seus constituintes em microescala. Estes últimos são frequentemente:

  1. contra intuitivos conceitualmente,
  2. invisível observacionalmente e
  3. problemático experimentalmente.

O conhecimento dos níveis moleculares e celulares é essencial, mas por si só é não é suficiente, rico e completo. Efeitos complexos, como representar o movimento visual, são o resultado da dinâmica das redes neurais.

Embora as propriedades de rede sejam dependentes das propriedades dos neurônios na rede, eles não são, no entanto, idênticos às propriedades celulares, nem combinações simples de propriedades celulares. Interação de neurônios em redes é necessário para efeitos complexos, mas é dinâmico, não um simples caso de “boneco de se dar corda”.

Há duas visões concorrentes de como a economia funciona.

Uma dela é matematicamente rigorosa e internamente consistente. Nos dá uma estrutura dentro da qual podemos construir modelos e provar resultados e é claramente o paradigma dominante no momento. Suas desvantagens são: não ter hipóteses testáveis, ser pobre em prever e simplesmente não parece ser muito realista.

A outra visão está longe de ser completa, muitas vezes envolve  empréstimos de técnicas de outras disciplinas de uma maneira ad hoc e não produz, em geral, teoremas elegantes. No entanto, ele fornece mais visão realista da economia e oferece a promessa de ser testável contra dados empíricos.

A primeira visão centra-se na existência de estados eficientes na economia. Quando usado para analisar dados agregados, normalmente reduz a economia ou um setor de atividade a um agente “representativo” e procede ao exame das consequências do seu comportamento de maximização intertemporal.

O segundo ponto de vista acha a economia ser melhor pensada como algo como ninhos de formigas ou alguma outra colônia de insetos sociais onde os indivíduos agem de acordo com regras bastante simples, com interação local apenas com outros indivíduos e informações limitadas. No entanto, os resultados agregados são coerentes e reflete uma grande parte da coordenação, principalmente inconsciente.

Ambas as visões abordam questões muito diferentes.

Na primeira visão, o desafio é ver se podemos mostrar a existência de estados eficientes da economia e como podemos caracterizá-los. Se alguém está olhando os dados agregados, a pergunta torna-se: “Eles podem ser razoavelmente vistos como resultante da maximização de um indivíduo representativo e eles representam um resultado eficiente?”

Na segunda visão, a questão é: “os indivíduos conseguem se organizar para coordenar suas atividades e em que medida a mecânica da interação entre os indivíduos influencia os resultados agregados?” Mais especificamente, a segunda dá muito mais ênfase à forma como a interação entre os indivíduos está organizada.

Se pensarmos nos mecanismos transmissores da interação entre instituições, então, eles desempenham um papel importante. Na primeira visão, a principal instituição considerada é O Mercado e é somente através de ente divino, pois onipotente, onisciente e onipresente, que os indivíduos anônimos interagem.

Há um forte contraste entre as duas visões.

Por um lado, existe O Mercado que envia sinais para indivíduos isolados. Toda a informação disponível é transmitida para estes indivíduos através dos sinais do mercado. Daí o resultado, sob um conjunto de hipóteses fortes, é eficiente.

Por outro lado, no que poderíamos chamar o ponto de vista do sistema de auto-organização, os agentes estão ligados a cada outro e nem agentes como indivíduos nem qualquer mecanismo central tem informação completa. As ligações entre agentes são formadas e reforçadas pela experiência daqueles que usam os links. A informação difunde-se pela rede e seu fluxo é regido pela forma da rede. Esta pode, em si, ser vista como uma instituição, mas originária como resultado da auto-organização dos agentes econômicos.

A segunda visão, defendida neste capítulo do livro , escrito por Alan P. Kirman, tenta responder à pergunta-chave, e incômoda para muitas pessoas, quando elas veem a economia e são colocadas agindo como tivessem o mesmo comportamento de insetos sociais – como já mencionado.

Trata-se de explicar como a miríade de desigualdade econômica individual e diversidade de atividades, em uma economia moderna, podem ser coordenadas. Agentes econômicos interagem constantemente entre si de diferentes maneiras e por diferentes efeitos e, de alguma forma, emerge uma certa coerência no nível agregado, desenvolvido a partir dessas interações individuais. No entanto, decepcionantemente, a economia ortodoxa tem pouco a dizer sobre isso.

Agentes econômicos comunicam entre si e aprendem com cada um dos outros. Eles também inferem informações das ações dos outros e, mais importante, na maioria dos mercados, eles negociam diretamente entre si.

Existe uma abordagem – a Teoria dos Jogos – capaz de levar isso em conta de maneira explícita. No entanto, isso está no extremo oposto da visão ideológica em defesa o mercado competitivo. Na estrutura teórica do jogo, cada jogador leva conta o que cada outro jogador faz e, além disso, sabe que o outros fazem isso. Além disso, todo indivíduo acredita que os outros são capazes de raciocinar tão bem e plenamente como ele mesmo. Isso envolve o famoso problema do “conhecimento comum” de “ele sabe que eu sei que ele sabe que eu sei… ’. Isso leva a dificuldades lógicas básicas, uma vez que uma regressão infinita está envolvida.

Em vez de atribuir esse tipo de raciocínio à capacidade racional das pessoas, cujo processo mental pode ser apropriado em algumas circunstâncias, é mais realista modelar as pessoas como agentes de uma maneira mais modesta.

Mas isso parece ser precisamente o que o modelo econômico competitivo faz.

As pessoas só reagem a sinais anônimos do mercado e não têm em conta as comportamento dos outros, nem de como esse comportamento colide com eles. Agentes são presumidos estarem em conformidade com nossas hipóteses de racionalidade, mas tomam decisões racionais isoladas. Seria difícil imaginar uma vida social com mais simples comportamento. Ainda mais importante, nada é dito sobre como a coordenação é alcançada e, em particular, quem decide e envia os sinais do mercado.

Embora o comportamento dos indivíduos seja simples em certo sentido, não há sugestão de como esses indivíduos conseguem se coordenar.

Existem vários ingredientes necessários serem examinados no modelo padrão: a racionalidade dos agentes e seu isolamento e daí sua coordenação através do mecanismo de mercado. A visão econômica padrão não coloca muito peso no modo como as economias atingem um determinado estado. Pelo contrário, o foco da atenção está na existência de certos estados ou equilíbrios. Mas se quisermos entender como a economia atinge um estado particular nós temos de ter uma compreensão da organização da economia, ainda que a organização, exceto em um sentido muito esquelético, está ausente do modelo da concorrência.

A economia experimental nos ajudou a entender o relacionamento entre racionalidade, organização e resultados agregados. Enquanto reconhece os sujeitos frequentemente não estarem em conformidade com as suposições de racionalidade, os economistas experimentais parecem muitas vezes coordenar e resolver até o problema de um estado coletivo particular. O que é pior, muitos economistas experimentais egressos do mainstream argumentam o resultado final de toda essa interação ser muitas vezes muito próximo do que seria previsto pela economia padrão.

A teoria econômica padrão pinta um quadro muito diferente do funcionamento de uma economia do observado em estudos experimentais de mercados de leilão, por exemplo. Agentes negociam fora dos preços de equilíbrio, mas os negócios finais frequentemente ocorrem a preços próximos do equilíbrio. A auto-organização é assegurada pelo mercado. Ele coordena as atividades transmitindo sinais aos agentes informando-os das limitações enfrentadas.

Cada indivíduo tem preferências de acordo com as quais ele ou ela faz a melhor escolha possível, dadas essas restrições. Nada é dito sobre como o mercado irá ajustar seus sinais e, assim, alterar as restrições dos indivíduos até suas escolhas se tornem consistentes entre is. A organização é dada e nada é dito sobre de onde vem. As questões lançadas por economistas incluem: “Quais estados da economia são eficientes? E como estão estes relacionados com o equilíbrio do sistema de mercado?”

Equilíbrio significa aqui os indivíduos fazerem as escolhas planejadas por eles mesmos, dados os sinais de mercado, e essas escolhas serem mutuamente consistentes entre si e a disponibilidade de recursos. O que acontece na economia fora de equilíbrio não é uma questão central.

O resultado padrão e aquele no cerne de todas as recomendações em favor do sistema de livre-mercado. Dizem: os equilíbrios de mercado são Pareto-eficientes.

O paradigma básico na teoria econômica é aquele onde os indivíduos tomam decisões isoladas, utilizando apenas as informações recebidas através de sinais gerais do mercado, como preços, para tomar suas decisões. O modelo- padrão não nega os agentes interagirem, mas como Paul Samuelson disse, eles só o fazem através do sistema de preços.

De fato, uma maneira de caracterizar a hipótese dos mercados eficientes tão difundida na literatura dos mercados financeiros é dizer todas as informações, privadas e públicas, serem agregadas e refletidas no sistema de preços. Assim, nenhum agente tem interesse em procurar informações diferentes daquelas fornecidas pelos preços. A interação direta não é parte integrante do comportamento do mercado, de acordo com essa visão, uma vez que tal interação não beneficia aqueles agentes interativos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s