O Terceiro Pilar

Em seu prefácio do livro “O Terceiro Pilar” (The Third Pillar: How Markets and The State leave The Community Behind. New York: Penguim Press; 2019), Raghuram Rajan comenta o estado atual do mundo.

“Estamos cercados por muita coisa. A humanidade nunca foi tão rica quanto as tecnologias de produção melhoraram constantemente nos últimos duzentos e cinquenta anos. Não são apenas os países desenvolvidos que se tornaram mais ricos; bilhões em todo o mundo em desenvolvimento passaram da pobreza estressante para uma confortável existência de classe média no período de uma geração. A renda é distribuída mais uniformemente em todo o mundo do que em qualquer outro momento de nossas vidas. Pela primeira vez na história, temos o poder de erradicar a fome e a fome em todos os lugares.”

No entanto, mesmo o mundo tendo alcançado sucesso econômico inimaginável até algumas décadas atrás, alguns dos trabalhadores aparentemente mais privilegiados nos países desenvolvidos estão literalmente preocupados com a morte. Meio milhão de homens americanos brancos não hispânicos de meia idade morreu entre 1999 e 2013, embora suas taxas de mortalidade não tivessem seguido a tendência de outros grupos étnicos.

As mortes adicionais foram concentradas entre aqueles com um grau de ensino médio ou inferior e devido a drogas, álcool e suicídio. Para colocar essas mortes em perspectiva, é como se dez guerras do Vietnã estivessem ocorrendo simultaneamente, não em alguns lugares distantes, mas em casas na pequena cidade e na América rural. Em uma era de aparente abundância, um grupo síntese do sonho americano parece ter perdido a esperança.

As ansiedades do homem branco de meia idade moderadamente educado nos Estados Unidos são espelhadas em outros países desenvolvidos ricos do Ocidente, embora talvez com efeitos menos trágicos. A principal fonte de preocupação parece ser a perda rápida já ocorrida ou o risco de perder um bom emprego de “classe média” por parte dos trabalhadores com educação apenas até o Ensino Médio.

Isso tem sérios efeitos sobre eles, suas famílias e as comunidades onde vivem. É amplamente compreendido as perdas de emprego decorrerem dos efeitos do comércio global e da automação tecnológica sobre os empregos antigos. Menos bem entendido é o progresso tecnológico ter sido a causa mais importante.

No entanto, à medida que a ansiedade pública se transforma em raiva, os políticos radicais veem mais valor em atacar importações e imigrantes. Eles se propõem a proteger os empregos na indústria, transformando a ordem econômica liberal pós-guerra, baseada em regras propícias a facilitar o fluxo de mercadorias, capital e pessoas através das fronteiras.

[Fernando Nogueira da Costa: Na verdade, a liberdade do fluxo de capital e mercadorias não foi acompanhado pela mesma liberdade para o fluxo de migrantes. Quando houve o repatriamento do capital, o desemprego na periferia – África e América Latina – foi um fator de repulsão a morar na própria terra-natal e de atração para a migração com destino, respectivamente, à Europa e à América do Norte.]

Há tanto promessa quanto perigo em nosso futuro. A promessa vem de novas tecnologias. Elas podem nos ajudar a resolver nossos problemas mais preocupantes, como pobreza e mudança climática. Cumprir isso requer manter as fronteiras abertas para essas inovações poderem ser levadas para as partes mais subdesenvolvidas do mundo [caso não sejam tecnologias poupadoras de mão-de-obra], ao mesmo tempo em que atraem pessoas de terras estrangeiras para apoiar as populações ricas dos países em processo de envelhecimento [em trabalho manual ou doméstico como cuidadores de idosos].

O perigo reside não apenas em comunidades influentes não serem capazes de se adaptar e, ao invés disso, impedir o progresso, mas também no tipo de sociedade que pode surgir se nossos valores e instituições não mudarem à medida que a tecnologia empodera e enriquece de forma desproporcional o centro e enfraquece e empobrece a periferia.

Toda revolução tecnológica, no passado, foi perturbadora, provocou uma reação social e acabou resultando em mudanças sociais. Elas nos ajudaram a tirar o melhor proveito da tecnologia.

Desde o início dos anos 1970, experimentamos a revolução da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Ele se baseou na disseminação da computação em massa possibilitada pelo microprocessador e pelo computador pessoal. Agora inclui tecnologias de automação digital. Elas vão da inteligência artificial à computação quântica, tocando e aprimorando áreas tão diversas quanto ao comércio internacional e terapia gênica.

Os efeitos da revolução das TIC são transmitidos em todo o mundo por mercados cada vez mais integrados de bens, serviços, capital e pessoas. Todos os países sofreram interrupções, pontuadas por episódios dramáticos como a Crise Financeira Global de 2007-2008 e a consequente Grande Recessão. Estamos vendo agora a reação nos movimentos populistas da extrema esquerda e direita.

O que ainda não aconteceu é a necessária mudança social. É por isso tanto desespero quanto ao futuro. Estamos em um momento crítico na história da humanidade, quando escolhas erradas poderiam inviabilizar o progresso econômico humano.

Este livro é sobre os três pilares de apoio à sociedade e como chegarmos ao equilíbrio certo entre eles, para a sociedade prosperar. Dois dos pilares sobre os quais Raghuram Rajan se concentra são os suspeitos usuais, O Estado e O Mercado.

Muitas florestas foram consumidas para fazer livros impressos sobre a relação entre os dois, alguns favorecendo o Estado e outros ao Mercado. É sobre o terceiro pilar, antes negligenciado, A Comunidade, isto é, os aspectos sociais da sociedade, Raghuram Rajan quer reintroduzir no debate.

Quando qualquer um dos três pilares enfraquece ou fortalece significativamente, tipicamente como resultado do rápido progresso tecnológico ou da terrível adversidade econômica como uma depressão, o equilíbrio fica abalado e a sociedade precisa encontrar um novo equilíbrio.

O período de transição pode ser traumático, mas a sociedade conseguiu, repetidamente, no passado. A questão central neste livro é como podemos restaurar o equilíbrio entre os pilares em face da mudança tecnológica e social disruptiva em curso.

[Este argumento do equilíbrio – conciliação de planos individuais entre si e com a disponibilidade de recursos através do mercado competitivo – é típico do mainstream da Economia. Quando se pensa a economia como um sistema complexo, observa-se uma auto-organização dentro de uma dependência de trajetória não linear e caótica ao se afastar das condições iniciais sem alcançar nenhum equilíbrio estável.]

Raghuram Rajan argumentará no sentido muitas das preocupações econômicas e políticas de hoje em todo o mundo, incluindo a ascensão do nacionalismo populista e movimentos radicais de esquerda, podem ser atribuídas à diminuição da comunidade. O Estado e O Mercado expandiram seus poderes e alcance em conjunto, e deixaram a comunidade relativamente impotente para enfrentar o peso total e desigual da mudança tecnológica.

É importante ressaltar: as soluções para muitos dos nossos problemas também são encontradas para trazer as comunidades disfuncionais de volta à saúde, não para reprimir os mercados. É assim o modo como vamos reequilibrar os pilares em um nível mais benéfico para a sociedade e preservar as democracias liberais de mercado onde muitos de nós vivem.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s