Ismaël Lô: World Music ou Música Africana ou Música Senegalesa?

Indiscutivelmente, o encontro mais direto de Pedro Almodóvar com o amplo corpus da world music vem, como já observado por Kathleen M. Vernon, no livro A Companion to Pedro Almodóvar (First Edition. Edited by Marvin D’Lugo and Kathleen M. Vernon. Blackwell Publishing Ltd. Published; 2013), em sua inclusão do “Tajabone” de Ismaël Lô na cena em Todo sobre mi madre quando a mãe triste Manuela (Cecilia Roth) chega em Barcelona em busca de seu ex-marido e pai de seu filho morto. Embora suponhamos, no início do filme, Manuela ter passado muitos anos estabelecidos em Madrid, a sua vida é mais tarde mostrada como tendo sido marcada por uma série de viagens, desde a sua cidade natal, Buenos Aires, até Barcelona e depois Madrid, e da capital espanhola para a Galícia, na trilha do coração transplantado de seu filho, e depois de volta para Barcelona.

Neste contexto, é útil considerar também itinerário seguido da música de Lô antes de sua chegada ao filme de Almodóvar. Largamente desconhecido para o público anglo-americano antes de Todo sobre mi madre, Lô já tinha alcançado sucesso considerável na França, especialmente após a liberação de seu sexto álbum. Ele incluiu o single “Tajabone“.

De fato, a biografia profissional de Lô, caracterizada por viagens regulares de ida e volta entre o Senegal e França e a fusão musical de M’balax senegalês com elementos do folk e blues americanos. Resultou em ele ser saudado como o “Bob Dylan Senegalês”. Isso corresponde de perto ao entendimento geral da categoria de world music e world musicians. Essa combinação de exotismo e familiaridade é cada vez mais visto como necessário para produzir a nota certa de “hibridismo” que, Timothy Taylor observa, tornou-se para os ouvintes ocidentais a nova garantia de “autenticidade” (2007: 140–1).

Em contraste com o latino-americano ou mesmo canções em italiano, português, francês ou inglês, ouvidas nos filmes de Almodóvar, o significado das palavras para “Tajabone”, escrito em wolof, perde-se no ouvinte-espectador. No entanto, são vantagens para aqueles que fazem uso de tradições musicais estrangeiras para seus próprios fins, ou assim nos é dito pelos estudiosos do uso da falsa world music, peças corais compostas de sílabas nonsense inventadas em spots publicitários (Taylor 2007: 185).

No caso de “Tajabone” em Todo sobre mi madre, alguém poderia argumentar que o significado afetivo da música é transmitido sem interferência de recursos linguísticos ou culturais. Almodóvar confirma sua eficácia em suas anotações para o CD Viva la tristeza: “Eu não sabia o que as letras significavam, mas a partir do momento em que ouvi, eu sabia que aquela música era o manto perfeito com o qual a cidade de Barcelona cobriria e protegeria a mulher quebrada interpretada por Cecilia Roth” (2002). Seus comentários enfatizam seu papel expressivo não só no que diz respeito à Manuela de luto, mas à Barcelona em si mesma. Ele continua: “Quando estávamos fazendo o trabalho de localização, eu colocava essa música no cassete no carro e perguntava ao meu assistente: ‘Olhe para fora das janelas. Será que esta canção se adequa esta cidade?’ E isso combinava muito bem” (Almodóvar 2002).

A associação da música com a cidade é reveladora. Em sua contribuição para a Série Oxford Very Short Introduction, dedicada à World Music, Phillip Bohlman sinaliza o papel fundamental desempenhado pela cidade como uma espécie de “entreposto” cultural, um depositário ou local de armazenamento, mas também mercado ou bazar, o mais “natural” e propício cenário para “os encontros com a world music em um mundo pós-moderno” (2002: 133).

Enquanto Todo sobre mi madre abre o universo de Almodóvar para um mundo além do eixo entre a província e a cidade de Madrid, que estrutura as biografias de muitos de seus personagens, também parece anunciar, tardiamente, a incorporação completa da Espanha em um circuito global de pessoas, produtos, capital e cultura. Pela primeira vez, em um filme de Almodóvar, não só tomamos presença do imigrante na Espanha, mas também ouvimos suas vozes – mesmo não entendendo o que elas estão dizendo.

Ao mesmo tempo, como observa Almodóvar, a música “Tajabone” se presta às necessidades emocionais do protagonista do filme, cobrindo e acalmando as dificuldades transbordadas de seu coração partido. Essa capacidade, segundo Taylor, é característica de “nosso mundo globalizado” e sua música: “[Isso] suaviza as margens da diferença, tornando os outros e suas formas culturais desejáveis ​​de novas maneiras” (2007: 126). Para Taylor, essa proximidade cultural e promiscuidade é o produto do nosso atual mercado de mídia que faz um conjunto aparentemente abrangente de ofertas culturais imediatamente e sempre disponível. Esse mercado moldou a exposição de Almodóvar para este corpus musical. Aí ele negocia com crescente maestria em seu papel como produtor cultural.

Veja mais uma amostra da lindíssima música africana e escute mais em minha playlist no Spotify (

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s