Segundo Banco Central dos Estados Unidos

Charles R. Geisset, em seu livro Wall Street: A History from its beginnings to the fall of ENRON –, publicado pela Oxford University Press em 1997 (e reeditado em 2004), narra: os defensores de um banco nacional pressionaram o Congresso a criar o segundo Banco dos Estados Unidos, em 1816, cinco anos após a fundação do primeiro banco ter sido autorizada a caducar.

A pressão para criar o segundo banco foi trazida por Stephen Girard e John Jacob Astor. Girard acreditava firmemente no conceito de Banco Central. Quando o primeiro banco deixou de existir, ele comprou o seu na Filadélfia e o nomeou Banco de Stephen Girard.

Se ele esperava ganhar dinheiro com o desaparecimento do primeiro Banco Central ou simplesmente esperar o segundo Banco Central se estabelecer não ficou claro, mas uma vez quando o segundo banco foi proposto, ele seria um dos seus apoiadores mais ávidos. Ele também se tornou o maior acionista do segundo banco, assinando US$ 3 milhões de sua capital social. O segundo banco era maior em relação ao seu antecessor, mas tinha uma estrutura organizacional semelhante. O capital foi fixado em US$ 35 milhões e o governo federal novamente subscreveu 20% do capital do banco.

Sob o novo estatuto, o presidente poderia nomear cinco dos vinte e cinco diretores. Seu novo chefe era William Jones. Ele foi sucedido em 1819 por Langlon Cheves. Nenhum dos dois foi particularmente popular. Jones presidiu uma série de empréstimos bancários acusados de criar inflação, dando muito apoio político indireto aos detratores dos Bancos Centrais. Cheves teria realmente impedido alguns empréstimos a serem feitos a bancos comerciais, incorrendo na ira dos bancos e seus clientes como resultado.

Devido ao fracasso do primeiro banco em sobreviver, a segunda oferta do estoque de ações estava com demanda fraca. Os investidores britânicos retornaram para a segunda oferta porque eles foram bem compensados ​​na primeira vez. Mas oposição agora à ideia de Banco Central estava mais desenvolvida e os investidores teriam de ser seduzidos a assinar a nova emissão, apesar do relativo sucesso financeiro do primeiro banco. Como incentivo, os investidores foram autorizados pagar por ações com títulos do governo.

Muitos dos bancos estaduais se opuseram à segunda instituição pelas mesmas razões pelas quais se opunham à primeira. Em primeiro lugar, ela poderia estabelecer rede de agências bancárias através da ramificação estadual, mas eles não poderiam. Segundo, a questão da emissão de notas bancárias pelos bancos estaduais ainda era uma questão controversa.

Eles reclamavam de o Banco Central ter forçado a acumulação de suas notas e moedas, depois as apresentar com promessa de resgate em espécie. Embora os banqueiros centrais argumentassem essa medida ser necessária como uma prática para evitar a inflação e a degradação das moedas, os bancos estaduais viam como furtiva sua capacidade de multiplicar moedas ou, de fato, fabricar dinheiro.

Sua oposição ao segundo banco, em certo sentido, sublinhou a razão pela qual muitos comerciantes estavam se voltando para o setor bancário após o Guerra de 1812. Os bancos estaduais eram capazes de cunhar seu próprio dinheiro. Caso não fossem necessários pagamentos em espécie (ouro/prata), o Segundo Banco dos Estados Unidos poderia obter controle financeiro sobre os Estados dependentes deles.

O fato do segundo Banco Central carecer de confiança dos investidores foi rapidamente apagado por uma decisão judicial histórica. O novo banco foi ajudado imensamente pelo chefe de justiça John Marshall no Processo Judicial McCulloch versus Maryland, decidido no Supremo Tribunal em 1819. Maryland tentou taxar todos bancos e agências bancárias naquele Estado, caso não fossem privilegiados pela legislatura estadual. Essa política foi direcionada diretamente ao Banco dos Estados Unidos. Este tinha uma filial em Baltimore. McCulloch, o principal caixa do banco, não pagou uma taxa anual de US$ 15.000 exigida pelo Estado, resultando no processo. Os tribunais de Maryland haviam decidido contra McCulloch, e o caso acabou chegando ao Supremo Tribunal. John Marshall decidiu a favor do Congresso como detentor do direito de estabelecer uma corporação nacional, embora ele reconhecesse a palavra “banco” não ser encontrada na Constituição.

No entanto, ele observou: se Maryland fosse autorizado a tributar o ramo bancário, assumiria para si poderes para alterar a Constituição. Se ele permitisse a decisão de Maryland permanecer, ele seria forçado a admitir os Estados serem mais poderosos se comparados ao governo federal. O resultado, portanto, era o Banco dos Estados Unidos ser legal e livre de encargos tributários impostos por qualquer um dos Estados onde estava localizado. Ele argumentou: “o resultado é uma convicção de os Estados não terem poder, por tributação, ou de outra forma, de retardar, impedir, onerar ou de qualquer maneira controlar, as operações das leis constitucionais promulgadas pelo Congresso para realizar em execução os poderes investidos no governo geral”.

Essa foi uma decisão crucial tanto para o próprio Banco Central quanto para o debate de direitos dos Estados. Esse debate ressurgiria nos próximos quarenta anos. Também ressurgiria cem anos depois, no debate sobre a tributação federal dos pagamentos de juros pelos títulos municipais.

O Banco Central também foi ajudado imensamente quando Nicholas Biddle se tornou seu presidente em 1823. Os curtos mandatos de Jones e Cheves haviam deixado o Banco sem direção e com novos inimigos em muitos quadrantes.

Biddle foi talvez o financista americano mais conhecido da época. Anterior a sua carreira bancária, ele se estabeleceu como historiador e algo como um escritor e agente literário. Ele escreveu uma história da expedição de Lewis e Clark (inclusive teve renunciar a outras antes de sua conclusão) e foi o editor da primeira revista literária do país, Port Folio. Por causa de sua interesses ecléticos, ele tinha indiscutivelmente a melhor reputação de qualquer americano em círculos financeiros internacionais, vitais para o mercado comercial sucesso do país. Pelo balanço de sua vida, o banco era conhecido como “Banco de Biddle” por causa da forte influência exercida sobre ele.

Mas uma das principais falhas de Biddle foi se alinhar contra Andrew Jackson, o popular presidente da fronteira do Tennessee. Biddie foi o diletante arquetípico de sua época, participando de muitas empresas, geralmente com sucesso. Ele era de uma família Quaker, líder na Filadélfia. Ele se formou na Universidade da Pensilvânia, precocemente com treze anos, e depois estudou no College of New Jersey (agora Princeton). Ele atuou em vários cargos diplomáticos, no início de sua carreira, antes tornar-se diretor do Banco dos Estados Unidos.

Quando os oponentes bancários unidos sob Jackson, após a vitória sobre Adams em 1828, Biddle lançou seu lote de títulos e valores mobiliários junto às forças anti-Jackson. Acusações rapidamente se seguiram: os fundos do Banco Central estavam sendo desviados para apoiar à oposição política contra Jackson. Embora os rumores nunca tenham sido substanciais comprovados, provocaram a ira do presidente. Ele, por razões ideológicas, também foi um detrator da ideia do Banco Central por alguns anos.

O destino do banco repousava na animosidade pessoal entre Jackson e Henry Clay, seu oponente Whig nas eleições presidenciais de 1824 e um forte apoiador do banco. Biddle tinha escolhido o seu posicionamento com Clay contra Jackson no final da década de 1820.

Os detratores de Jackson alegaram desde o início que ele não era adequado para altos cargos. Um escreveu: “No general Jackson, não há falta de ambição, qualquer que seja a capacidade. Ele é mera ferramenta de outros, todo dia traz evidências novas e indubitáveis a respeito disso, ​​e a Nação está sujeito à ação de duas poderosas causas do mal.”

O grande o medo era as forças jacksonianas representarem uma nova geração de políticos, cujo principal desejo era o “espólio” do cargo político. Essa eleição foi o único concurso presidencial decidido finalmente na Câmara dos Deputados, porque Jackson não conseguiu o número necessário de votos no colégio eleitoral. Outro candidato, também sem maioria, e sentindo seu nome não prevalecer, cedeu seus votos para John Quincy Adams. Este foi declarado vencedor.

Jackson ficou furioso após sua perda, mas ele se vingou na eleição de 1828, derrotando Adams. A perda de 1824 o deixaria com um permanente contragosto a respeito daqueles oposicionistas a ele. Biddle então fez sua aliança com Clay, sabendo Jackson ser contra, em princípio, ao Banco Central.

Ao fazer isso, ele se aliou, de forma inepta, aos mais fortes inimigos políticos de Jackson. O destino do segundo Banco Central foi efetivamente selado bem antes de Jackson ter anulado sua carta-patente quatro anos depois.

Outros oponentes já haviam tomado lado na disputa também. Senador Thomas Hart Benton, do Missouri declarado em 1831, disse: “oponho-me à renovação da carta do Banco da Estados Unidos, porque considero o banco uma instituição grande demais e poderoso para ser tolerado em um governo de leis livres e iguais. Seu poder é o de uma bolsa: um poder mais potente que a espada”.

Quando o banco está a carta estava prevista para uma renovação prematura em 1832 do Projeto de Lei do Banco, solicitado por Biddle, Jackson vetou com garantia de o veto não ser desaprovado. Em seu veto, Jackson alegou o Banco estar sob o Poder Executivo, não sob os auspícios do Congresso. Este criou as duas instituições. Ele, como presidente, viu pouco uso real para o Banco Central. Ele escreveu: “É lamentável os ricos e poderosos com muita frequência inclinarem os atos do governo para seus propósitos egoístas… muitos dos nossos homens ricos não se contentam com proteção e benefícios iguais, mas nos pedem para torná-los mais ricos por ato do Congresso”.

A oposição populista de Jackson ao Banco Central era pessoal e filosófica. Ao contrário de muitos políticos e comerciantes de sua época, ele não era próspero ou particularmente bem-educado. Ele foi forçado a se retirar duas vezes da vida pública – uma vez como senador do Tennessee e uma vez como um juiz estadual – por falta de fundos pessoais. Nas duas vezes, ele se aposentou temporariamente no Hermitage, sua casa de família recentemente construída no Tennessee.

Isso ocorreu até ele assumir o comando da milícia do Tennessee através de um escritório escolhido, pensado para ser o titular principal, e começou a lutar contra os índios Creek na Geórgia e no Alabama. Então, ele ganhou destaque nacional. Quando ele repeliu com sucesso a invasão britânica a Nova Orleans, em 1815, sua estrela subiu ainda mais e ele começou a ser mencionado como um potencial contendor ao cargo de presidente. Sua formação era muito diferente da formação daqueles apoiadores do Banco dos Estados Unidos, notadamente Girard e Biddle.

No lado sombrio, muitos advogados do banco alegaram Jackson nada mais ser senão um engodo por poderosas forças comerciais em oposição ao Banco Central por motivos de ganância. Mas as recriminações não impediram o fim do segundo Banco dos Estados Unidos. Após sua reeleição em 1833, ele ordenou todos os depósitos federais serem retirados do banco como um sinal de sua falta de apoio. Como o banco atuava como depositário do Tesouro, isso imediatamente causou uma crise de liquidez e levou muitos pequenos bancos a falir, além de dissuadir muitos investidores estrangeiros de novas compras de ações. Após essas medidas, o banco estava fadado ao fracasso. Embora o apoio do Congresso para o banco fosse forte em alguns setores, o veto de Jackson não podia ser anulado.

Jackson retratou o Banco Central como um brinquedo de homem rico sem lugar em seu esquema de representação popular, conhecido como democracia jacksoniana. As implicações para as finanças e o comércio do país estavam se tornando rapidamente claras. O senador Clayton (de Delaware) sentenciou severamente, dentro de quatro anos, aquele veto provocaria “falências e ruínas, em antecipação das quais o coração doente deverá seguir certamente antes o longo caminho de males”. Ele estava correto, mas o tempo foi ainda menor. Dentro de um ano, um colapso bancário e a recessão começaram. Dentro de quatro anos, a implicações plenas foram estabelecidas quando o pânico de 1837 ocorreu, provando as observações estarem corretas.

O que ficou conhecido como pânico de 1837 provou ser uma das piores depressões do século XIX. A suspensão da espécie pagamentos forçaram muitos bancos a falir e com eles muitas pequenas empresas, dependentes deles para suas vidas econômicas. O negócio agrícola foi especialmente atingido e muitos agricultores foram forçados à liquidação. As falhas de negócios se tornaram numerosas, quando os bancos começaram ter bancarrotas. Wall Street testemunhou vários fechamentos de bancos, em maio de 1837, e as milícias uma vez teve de ser chamada para preservar a ordem nas ruas de Broad e Wall Street.

George Templeton Strong, um observador, escreveu em seu diário em 2 de maio: “os assuntos se tornaram cada vez pior em Wall Street, tanto quanto eu posso aprender. Todo mundo desanimado; perspectiva de ruína universal e insolvência geral dos bancos… trabalhadores demitidos às centenas diariamente. Negócios estão à venda. As minas de carvão na Pensilvânia pararam, sem nenhuma perspectiva de combustível para o próximo inverno – perspectivas deliciosas…”

O veto de Jackson teve implicações, para o desenvolvimento de negócio de valores mobiliários e bancos comerciais, ainda mais amplas das previstas simplesmente por anular a carta-patente do segundo Banco dos Estados Unidos. Ao reduzir o desenvolvimento de um Banco Central, as instituições bancárias comerciais da época perceberam ter mais poder, de fato, sobre os sistemas bancários de seus próprios estados em lugar do caso de existência de uma supervisão bancária.

Ao mesmo tempo, elas tiveram a oportunidade de mergulhar no negócio de valores mobiliários, por mais elementar tenha sido. Jackson seguiu seus princípios, mas falhou em substituir as úteis funções do Banco. A nação norte-americana foi novamente deixada financeiramente sem leme.

Os bancos receberam uma mensagem clara capaz de durar pelo restante do século: “faça o que desejar para ganhar dinheiro sem incomodar ninguém ou causar escândalo financeiro. Assim, você provavelmente será deixado em paz”.

Após o término do vínculo oficial, o Banco dos Estados Unidos continuou a operar como um banco privado por vários anos antes de encerrar suas operações permanentemente, declarando falência em 1841. Biddle manteve um interesse ativo, mas, frustrado, renunciou em 1839. Em dois anos, o banco estaria extinto.

Nos vinte e cinco anos seguintes, o sistema bancário do país foi fragmentado, com a concessão de carta-patente para bancos permanecendo ainda como uma matéria estatal. Isso ocorreu até uma legislação bancária federal ter sido aprovada durante a Guerra Civil. Ela fez o sistema bancário nacional receber alguma definição necessária, embora tenha sido de longe o tipo de disciplina possível de ser fornecida por um Banco Central.

As ações de Jackson e a falta de uma força política capaz de as anular, ambas criaram o início de um oligopólio bancário. Ele ditaria a vida econômica dos norte-americanos para o próximo século. Embora a oposição de Jackson ao segundo Banco Central tenha provocado sua morte precoce, parte de seu argumento contra isso soaria ainda alto pelo próximo século. E teria um impacto profundo no desenvolvimento econômico do país.

Jackson sustentou o Banco ser um monopólio, sendo usado pelos ricos para ficarem ainda mais ricos. Permitindo o Banco dos Estados Unidos funcionar, os poderes interestaduais apenas permitiriam aos banqueiros mercantis já ricos – e seus apoiadores – aumentar sua influência e riqueza.

Durante o primeiro terço do século XIX, críticas contra as relações do governo com os ricos comerciantes e banqueiros haviam sido feitas muitas vezes. A classe mercantil operava nos mercados sem muita interferência do governo e muitas vezes seu poder desprezava o da autoridade.

Um agente do governo escreveu ao Secretário da Defesa, Lewis Cass, em 1831, sobre o comportamento dos funcionários da Astor em comércio de peles no Missouri. Sua carta os descreveu como “aqueles sem nenhum tipo de respeito por nossos cidadãos, agentes, oficiais ou governo, ou suas leis ou a política geral”.

Práticas comerciais não estavam acostumadas a sofrer nenhuma intervenção externa. Empresas americanas concordaram com o ditado de Henry Thoreau, declarado logo depois: “o governo melhor governa menos”.

Durante a primeira metade do século XIX, os negócios em geral estavam se desenvolvendo muito mais rapidamente sem o governo deixar Washington para acompanhar continuamente o comércio e a indústria. Enquanto tentava mudar essa atitude, Jackson apenas a reforçou, falhando em fornecer diretrizes adequadas para os banqueiros.

Essa tensão entre empresas e governo estava destinada a desempenhar um papel significativo no desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários e investimentos bancários, ao longo do século. Nunca sendo particularmente amigável, governo e negócios se toleravam bem, mas estava ficando claro os negócios estarem praticando uma nova forma de filosofia social e econômica orientada para o futuro acúmulo de riqueza, sem cuidar da pobreza presente.

O governo, por outro lado, foi envolvido em questões ideológicas referentes aos direitos dos Estados, escravidão e o chamado “destino manifesto”. Logo, não poderia voltar toda a atenção para as práticas de negócios até muito mais adiante neste século XIX. Nesse ínterim, as empresas americanas e seus financiadores operavam livres de qualquer regulamentação significativa.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s