Banqueiros de Negócios Pioneiros nos Estados Unidos do Século XIX

Charles R. Geisset, em seu livro Wall Street: A History from its beginnings to the fall of ENRON –, publicado pela Oxford University Press em 1997 (e reeditado em 2004), narra: muitos banqueiros comerciais também apareceram em Nova York, migrando de outras áreas onde haviam inicialmente encontrado algum sucesso. Banqueiros de negócios ou de investimentos tinham uma vantagem distinta sobre os banqueiros comerciais ou varejo. Eles teriam um papel importante papel na história econômica americana nos próximos cem anos.

Os banqueiros comerciantes privados, usando seu próprio capital como base para suas operações, não eram obrigados a ter uma carta-patente estatal e, como resultado, não precisavam tornar públicas suas posições financeiras. Banqueiros privados de sucesso seriam capazes de desenvolver considerável poder financeiro sem análise externa, porque eles não prestavam contas a ninguém além de seus clientes.

Nos primeiros dias das finanças americanas isso os ajudou a manter-se acima dos Estados com os argumentos de direitos adquiridos por grande parte do setor bancário. Também os manteve fora da controvérsia da impressão de dinheiro, desde quando banqueiros não podiam emitir suas próprias notas bancárias.

Os Estados Unidos adotaram um padrão-prata em 1785. Isto foi codificado na Lei da Casa da Moeda e Cunhagem, e pelo uso por parte do Governo Federal do “Banco dos Estados Unidos” para guardar suas reservas, bem como estabelecendo uma razão fixa de ouro em relação ao dólar americano. Isso era, na verdade, um padrão-prata derivado, visto não se exigir de o banco manter uma relação da prata com a moeda emitida.

Começou uma longa série de tentativas nos Estados Unidos para criar um padrão bimetálico para o dólar americano. Ela continuaria até a década de 1920. As moedas de ouro e prata tinham cunho legal, incluindo o real espanhol, uma moeda de prata cunhada no hemisfério ocidental. Devido à grande dívida tomada pelo Governo Federal americano para financiar a Guerra Revolucionária, moedas de prata cunhadas pelo governo deixaram de circular. Em 1806, o Presidente Jefferson suspendeu a produção de moedas de prata.

O Tesouro dos Estados Unidos foi colocado sob rígido padrão de dinheiro, fazendo negócios apenas em moedas de ouro e prata como parte do Independent Treasury Act de 1848. Legalmente, separou as contas do Governo Federal do sistema bancário.

Entretanto, as taxas fixas do ouro e da prata sobrevalorizaram a prata em relação à demanda por ouro no comércio e empréstimos com a Inglaterra. A fuga do ouro em favor da prata levou à garimpagem selvagem do ouro, incluindo a Corrida do Ouro da Califórnia de 1849. Seguindo a Lei de Gresham – a moeda ruim expulsa a boa da circulação monetária –, a prata se multiplicou nos Estados Unidos. Comercializava com outros países usando a prata, enquanto o ouro se tornou escasso. Em 1853, os EUA reduziram o peso das moedas de prata, para mantê-las em circulação. Em 1857, removeram a condição de cunho legal da cunhagem estrangeira.

Em 1857, a crise final da Era dos Bancos Livres das finanças internacionais começou com os bancos norte-americanos suspendendo o pagamento em prata. Isso repercutiu no jovem sistema financeiro internacional com participações de alguns dos bancos centrais.

Nos Estados Unidos, esse colapso foi um fato determinante para a Guerra Civil Americana, entre outros. Em 1861, o governo dos EUA suspendeu o pagamento em ouro e prata, terminando de fato com as tentativas de formar um padrão-prata para o dólar.

Durante o período 1860-1871, várias tentativas de ressuscitar os padrões bimetálicos foram feitas, incluindo uma baseada no franco de ouro e prata. No entanto, com o rápido influxo de prata de novas minas descobertas, a expectativa de escassez da prata acabou.

A primeira ferrovia transcontinental nos Estados Unidos foi inaugurada em 1869. A construção desta linha foi financiada em parte com o ouro da Califórnia, cuja corrida aconteceu de 1848 a 1855.

O governo de Grant (1869-1877) implementou então o padrão-ouro e tentou fortalecer o dólar. Sua resposta para o Pânico de 1873, inclusive autorizando o Exército norte-americano a invadir reservas indígenas onde haviam descoberto jazidas de ouro, mostrou-se ineficiente para impedir uma depressão industrial de cinco anos, resultando em grandes números de desempregados, preços baixos, lucros baixos e falências.

A natureza do banco privado atraiu empresas estrangeiras ansiosas para fazer negócios nos Estados Unidos. No final da década de 1830, o já lendário N.M. A Rothschild de Londres, (originalmente uma empresa bancária alemã, estabeleceu uma empresa americana através de um agente, August Belmont. Este, por sua vez, estabeleceu a August Belmont e Company para representar os Rothschilds na América do Norte.

Os Rothschilds já tinham interesses consideráveis ​​no Estados Unidos, mas os problemas econômicos do país na década de 1820 haviam dissuadidos de outras conexões diretas até Belmont convencer enviá-lo como um agente em potencial. Belmont, originalmente chamado August Schonberg, era um funcionário de vinte anos, trabalhando em um posto avançado dos Rothschild na Itália, aconselhando o Vaticano em seus assuntos financeiros.

Ele mudou seu nome para Belmont, uma variação francesa de Schonberg, ao chegar nos Estados Unidos. A nova casa começou a rivalizar com Barings na disputa por empresas americanas, dentro de vários anos se tornando o maior credor de governo dos EUA, principalmente por causa das astutas avaliações de Belmont da sociedade e das finanças de Nova York.

Os Rothschilds já haviam estabelecido uma reputação lendária de perspicácia. A maior parte do mundo financeiro já conhecia sua perspicácia ao usar pombos-correio para informá-los da vitória em Waterloo. Eles rapidamente venderam títulos do governo no mercado, apenas aumentando o pessimismo de Londres. Então, com a queda dos preços, voltaram a recomprar do governo britânico os títulos mais baratos e em muito maior escala, antes de alguém saber da vitória. A empresa fez lucros consideráveis ​​após a notícia da vitória chegar a Londres, levantando-se no deprimido mercado de títulos e elevando os preços das ações também possuídas.

O golpe dos Rothschild ajudou a torná-los um nome bancário lendário, rivalizando com os Médici nos anais das finanças da Europa. Em mãos astutas, o pombo-correio tornou-se o século XIX primeiro exemplo da necessidade de comunicações financeiras rápidas para fazer arbitragem, isto é, comprar barato para certamente revender caro.

Mas nem todo mundo nos Estados Unidos ficaria feliz com a crescente influência estrangeira nas finanças, especialmente, durante as crises do final da década de 1830 e início da década de 1840.

Apesar da presença e influência do capital estrangeiro, a grande maioria de novos bancos comerciais e bancos privados abertos na década de 1830 e nos anos 1840 eram de origem americana. Por exemplo, Corcoran e Riggs foram abertos para negócios em Washington em 1837, E. W. Clark na Filadélfia no mesmo ano, e Lee, Higginson e companhia em Boston em 1848. Dos três, Lee, Higginson se tornaria o mais influente e sobreviveria até o no próximo século, embora Jay Cooke, de Clark, tenha sido talvez o aprendiz mais famoso do período.

No momento da fundação do Federal Reserve, em 1912, Lee Higginson seria apontado como um dos investimentos mais influentes bancos do país, um elogio na época. Todas as três empresas eram especializadas em negociação de valores mobiliários e câmbio. Elas também serviram às ricas bases de clientes locais de suas respectivas cidades.

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s