Era dos Trustes (1890-1910)

Charles R. Geisset, em seu livro Wall Street: A History from its beginnings to the fall of ENRON –, publicado pela Oxford University Press em 1997 (e reeditado em 2004), narra: no século XX, a televisão e o automóvel se tornariam os denominadores comuns capazes de conectar os Estados Unidos. No século XIX, as conexões eram o telégrafo e as ferrovias. A explosão na construção de ferrovias, durante a última parte do século, foi a causa direta bem como o efeito de muitas outras consolidações industriais ao mesmo período.

Depois de 1885, a face do país começou a mudar. Pequenas indústrias locais foram consolidadas em outras maiores, capazes de vender seus produtos em todo o mundo, bem como em todo o país. O legado direto de Carnegie, Rockefeller, Vanderbilt e Gould tornou-se a tendência a estabelecer a concentração do poder econômico nos Estados Unidos. Na última fase da consolidação com fusões e aquisições, nasceram as grandes desconfianças em relação aos trustes e carteis. Eles logo desafiariam os ideais americanos de individualismo e autoconfiança.

Quando as relações de trustificação estavam em pleno funcionamento, a reação do público começou a desafiar alguns dos princípios básicos sobre as quais foram construídas. Era necessário ter tanto poder econômico nas mãos de tão poucos? Por quê não é possível tratar os trabalhadores humanitariamente, e não como meras engrenagens no processo produtivo? E não poderia haver mais salvaguardas para vigiar trabalhadores e cidadãos comuns em face de uma gestão dotada de tão esmagador poder?

À medida que os grandes trustes estavam sendo estabelecidos e se entrincheirando, vozes de muitos quadrantes começaram a ser levantadas em protesto. Frank Norris e Upton Sinclair escreveram sobre os abusos de indústrias inteiras em nome do lucro, seguindo a tradição de Emile Zola na França, cujos romances sobre a indústria de mineração de carvão e mais tarde sobre o anti-semitismo tornou-se extremamente bem conhecido. O romance americano de protesto, ou muckraking, em breve desafiaria os favoritos contemporâneos de Lew Wallace, Henry James e o sempre popular Horatio Alger nas listas de mais vendidos. No livro “Como vive a outra metade”, Jacob Riis deplorou a vida urbana como o lado inaceitável do capitalismo.

Mas as relações de clientela e o avanço do industrialismo ainda atraíam seus admiradores. Em 1888, Edward Bellamy alcançou o no topo da lista de mais vendidos com seu Utopian Looking Backward 2000-1887. Ele vendeu mais de um milhão de cópias. Bellamy louvou o mercado livre: “Essa tendência a estruturar os monopólios, tão desesperadamente e em vão resistida, foi reconhecida finalmente em seu verdadeiro significado: como um processo que só precisava completar sua evolução lógica para abrir um futuro de ouro para a humanidade”.

Henry Steele Commager, escrevendo cinquenta anos depois no New York Times, ecoou esse sentimento, admitindo: “os ricos, assim como os pobres, estão sempre com o fascínio americano pela riqueza profundamente arraigado, logo, os industriais ainda são admirados por muitos”. O Evangelho da Riqueza de Andrew Carnegie foi um dos best-sellers de 1889. No entanto, os americanos eram ambivalentes quanto a lidar com grande riqueza. Eles mais invejavam, mas havia também um crescente desencanto com a maneira como o dinheiro estava sendo ganho pelos principais industriais.

Mas muitos empresários tinham um pouco do especulador neles. The Economist observou, ironicamente: “um em cada três ou quatro negociantes americanos parecia ter algum tipo de posição especulativa no mercado de ações”. As atitudes estavam começando a mudar, mas a febre do jogo permaneceu.

O termo trust [confiança] tornou-se o uso americano padrão durante o século XIX século. Originalmente, tinha sido usado como sinônimo de fusão quando o termo estava mais associado ao monopólio do que é hoje. Monopólio foi um dos grandes tabus do direito comum inglês, e os americanos herdaram uma antipatia por isso também. A única exceção foi quando o monopólio foi concedido pelo Estado.

Todos os membros de um pool de interesses comerciais semelhantes entregariam suas participações em troca por certificados emitidos por um truste. Standard Oil adotou essa abordagem quando a empresa de ações mudou seu status para um truste. Isso daria aos proprietários uma parte dos ganhos e o direito de votar nos administradores do truste. A próprio Standard Oil teve nove trustes.

A empresa havia se reorganizado em 1882 como um truste para contornar as leis de incorporação do estado em Ohio. Em 1879, a empresa passou a ser investigada em várias frentes, uma delas na mesma investigação de Nova York a examinar as propriedades de William Vanderbilt e o New York Central. Ohio iniciou um processo semelhante ao mesmo tempo. A investigação do cartel do petróleo durou até 1912.

Pouco tempo depois, os diretores da Standard Oil foram processados ​​no Condado de Clarion, Ohio, por restringir o comércio livre. A empresa resolveu o processo, prometendo se envolver em menores práticas monopolistas no futuro. Mas a lição foi bem aprendida: as ações da empresa em todo o país poderiam ser atacadas a partir de um único estado. A Standard Oil começou a se adaptar para se proteger.

Quando um truste decidiu assumir outra empresa menor, os acionistas da empresa menor receberiam simplesmente certificados do truste em troca de suas holdings. O truste aumentaria em tamanho e influência sem precisar emitir novas ações no mercado. Certificados de trustes substituíram ações ordinárias nessas empresas antes negociadas na bolsa.

Os trustes iniciais foram encontrados em muitas das indústrias agrícolas, especialmente no Sul. Exigiu alguns serviços de banco de investimento, geralmente em pequena escala. Como os trustes possuíam seus próprios fundos e os das empresas absorvidas, os banqueiros de investimento eram frequentemente deixados de fora da jogada. O próprio Rockefeller desconfiava do “capitalismo financeiro” e preferiu encontrar fundos para expansão, emitindo novos certificados para suas novas metas de aquisição ou usando dinheiro disponível, evitando Wall Street no processo.

Apesar das mudanças significativas ocorridas na indústria americana, a bolsa de valores ainda era um campo de batalha para touros (comprados) e ursos (vendidos) com a intenção de bloquear as chifradas em todas as oportunidades. Batalhas semelhantes às de Drew, Vanderbilt, e Gould ainda estava sendo travadas por outros ursos atacantes. Eles pretendiam buscar vingança contra oponentes otimistas. Agora esses operadores eram frequentemente profissionais contratados, usados ​​por outros para montar ataques de ursos (baixistas). Mas as beligerâncias estavam se tornando mais difíceis porque a bolsa de valores cresceu junto com a economia. Logicamente, as batalhas seriam proporcionalmente maiores como resultado.

O número de ações compradas e vendidas na NYSE dobrou entre 1875 e 1885, assim como seu valor. Após o pânico de 1873 se tornar uma memória distante, as ações começaram a superar os títulos na bolsa e dominar a negociação. As ações ordinárias eram negociadas muito mais avidamente em relação a títulos e valores mobiliários emitidos por ferrovias, seus concorrentes mais próximos. Entre as ações ordinárias, as empresas ferroviárias ainda dominavam, embora indústrias como a Western Union Company e a Edison General Electric estavam subindo rapidamente. As ações ferroviárias ainda estavam com muita liquidez, então os apostadores em baixa [bear raiders] continuaram a privilegiar elas sobre as demais. O legado de Gould, Fisk e Vanderbilt continuava vivo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s