Teoria Moderna da Moeda

Nos últimos anos, uma abordagem à Macroeconomia foi desenvolvida e chamada de “Teoria Moderna da Moeda” (MMT). Os componentes da teoria não são nova, mas a integração em direção a uma análise coerente é. A primeira tentativa de síntese foi no livro de L. Randall Wray publicado em 1998, Understanding Modern Money.

Esse livro traçou a história do dinheiro, bem como a história do pensamento subjacente à abordagem. Também apresentou a teoria e examinou a política fiscal e monetária a partir do ponto de vista do “dinheiro moderno”. Desde então, grandes avanços foram feitos nas aplicações da teoria para desenvolver uma compreensão do funcionamento dos detalhes envolvidos.

A segunda edição do livro é uma versão substancialmente revisada do Modern Money Theory Primer publicado pela primeira vez em 2012 [L. Randall Wray (1953–…); Modern Money Theory: A Primer On Macroeconomics For Sovereign Monetary. University of Missouri-Kansas City, US. – 2nd Edition; 2015].

Os objetivos da revisão são:

  1. ter em conta os comentários sobre a edição anterior e os desenvolvimentos da abordagem nos últimos anos;
  2. estender a análise em várias direções (inflação, impostos, crise na Eurolândia, taxas de câmbio, comércio, e economias em desenvolvimento); e
  3. melhorar a exposição em alguns capítulos (Introdução, Conclusão).

Para desenvolver um modelo de contabilidade via fluxos, estoques e balanços algumas definições prévias são necessárias.

Ao longo deste Primer, adotaremos as seguintes definições e convenções:

A palavra “dinheiro” se refere a uma unidade de conta geral e representativa. Não usaremos a palavra para aplicar a nenhuma “coisa” específica, isto é, uma moeda ou cédula do banco central.

As “coisas” monetárias serão identificadas especificamente: uma moeda, uma cédula, um depósito à vista. Alguns deles podem ser tocados (notas de papel); outros são lançamentos eletrônicos em balanços (depósitos à vista, reservas bancárias). Assim, “tokens de dinheiro” são apresentados simplesmente com uma abreviação de “IOUs denominados em dinheiro”.

Também podemos chamar esses “registros monetários”, pois registram IOUs denominados no dinheiro da conta – gravado em metal, papel, tabletes de argila, e varas de madeira, ou hoje registradas principalmente como entradas eletrônicas.

Uma moeda nacional específica da conta será designada como capital nacional: dólar americano, iene japonês, yuan chinês, libra britânica, euro da UEM.

A palavra moeda é usada para indicar moedas, notas e reservas emitidas pelo governo (tanto pelo tesouro quanto pelo banco central). Ao designar um tesouro específico ou seus títulos, a palavra será maiúscula: Tesouraria; Tesouraria dos EUA.

As reservas bancárias são depósitos bancários privados no banco central, denominados no dinheiro da conta. Eles são usados ​​para compensação entre bancos, para realizar saques em dinheiro e para efetuar pagamentos aos clientes o governo.

Ativos financeiros líquidos são iguais ao total de ativos financeiros menos o total de ativos financeiros passivos. Isso não representa riqueza líquida (ou patrimônio líquido) porque ignora ativos reais.

Um IOU (eu lhe devo) é uma dívida financeira, passivo ou obrigação de pagar, denominados em dinheiro de conta. É um ativo financeiro do titular.

Pode haver evidência física da IOU (por exemplo, escrita em papel, carimbado na moeda) ou pode ser gravado eletronicamente (por exemplo, em um banco balanço patrimonial). Obviamente, um IOU é uma responsabilidade do emissor, mas é um ativo do titular também chamado de credor.

Para obtenção do saldo de três setores, em lugar de dividir em Estado, Comunidade e Mercado, Wray divide a economia em três setores:

  1. setor governamental interno,
  2. setor privado doméstico (ou não-governamental, incluindo famílias, empresas e organizações sem fins lucrativos) e
  3. setor privado externo composto por empresas estrangeiras.

No total, nós sabemos: Gastos = Renda para a economia como um todo. Mas qualquer setor individual pode gastar mais do que (correr um déficit) ou menos do que (correr um superávit) sua renda. A partir da macro identidade, se um setor obtiver um superávit, em pelo menos um outro apresenta déficit.

Seja G = gasto e Y = renda, então podemos escrever: (Governo Y – G) + (Privado Y – G) + (Estrangeiro Y – G) = 0. Ou: Saldo do governo + Saldo privado + Saldo estrangeiro = 0.

Em termos de Produto Interno Bruto (PIB) – a soma do consumo (C), investimento (I), governo (G) e exportações líquidas (X – M ou exportações menos importações) –, os três setores equilibram a identidade. É semelhante a:

Saldo do governo (T – G) + Saldo privado (S – I) + Saldo no exterior (M – X), onde S = poupança, T = impostos. De qualquer maneira, o balanço mensurado soma zero no agregado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s